Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Crianças afegãs desalojadas de outras partes do país em abrigo temporário em Cabul
Crianças afegãs desalojadas de outras partes do país em abrigo temporário em Cabul| Foto: EFE/EPA/STRINGER

O Talibã declarou neste domingo (10) que os Estados Unidos concordaram em fornecer ajuda humanitária ao Afeganistão, mas se recusaram a reconhecer politicamente o novo governo do país.

A declaração veio após o encerramento dos primeiros encontros de alta cúpula (realizados no fim de semana em Doha, no Catar) entre representantes dos Estados Unidos e do Talibã desde que o grupo islâmico retomou o poder no Afeganistão e desde a saída das tropas dos Estados Unidos do país, em agosto.

Em comunicado, o Departamento de Estado Americano apontou que “as discussões foram francas e profissionais” e reiterou que “o Talibã será julgado por suas ações, não apenas por suas palavras”.

O porta-voz político do Talibã, Suhail Shaheen, disse à agência Associated Press que o ministro interino das Relações Exteriores, Amir Khan Muttaqi, garantiu aos Estados Unidos durante as conversas que o grupo está empenhado em evitar que o Afeganistão seja usado por terroristas como base para ataques contra outros países.

No sábado (9), Muttaqi havia declarado que o Talibã falou para os americanos “que a desestabilização do Afeganistão e o enfraquecimento do governo afegão não interessam a ninguém”. No mesmo dia, o Talibã descartou cooperação com os americanos para enfrentamento do Estado Islâmico, dizendo que o grupo que recentemente retomou o poder no Afeganistão tem como lidar com o assunto “de forma independente”.

Na sexta-feira (8), uma explosão numa mesquita frequentada por xiitas na cidade de Kunduz, capital da província de mesmo nome no norte do Afeganistão, deixou dezenas de pessoas mortas e feridas. O ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico Khorasan.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]