i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Bolívia

Evo Morales inicia terceiro mandato consecutivo

Em discurso de posse, presidente boliviano alfinetou os “Chicago boys” e disse que quem manda em seu país são os índios

  • PorEstadão Conteúdo
  • 22/01/2015 21:04
Dilma Rousseff deixou de ir ao Fórum de Davos para acompanhar a posse de Evo Morales na capital boliviana, La Paz | Martin Alipaz/Efe
Dilma Rousseff deixou de ir ao Fórum de Davos para acompanhar a posse de Evo Morales na capital boliviana, La Paz| Foto: Martin Alipaz/Efe

Em discurso de posse na Assembleia Legislativa, o presidente da Bolívia, Evo Morales, disse ontem que no seu país não mandam os "Chicago boys" nem os "gringos" e sim os "índios". A fala foi acompanhada pela presidente Dilma Rousseff, cujo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tem doutorado em economia pela Universidade de Chicago.

"Agora não mandam na Bolívia os ‘Chicago boys’, e sim os ‘Chuquiago boys’", afirmou Evo, interrompido por aplausos do público. A expressão "Chuquiago boys" faz referência ao nome indígena da cidade de La Paz, Chuquiago Marka.

"Me perdoem a expressão, mas não mandam os gringos, mandam os índios", prosseguiu Morales, que começa agora o seu terceiro mandato.

O ministro da Fazenda do governo brasileiro, Joaquim Levy, é engenheiro Naval de formação com doutorado em economia pela Universidade de Chicago, conhecido por ter fama de "cobrador" e de dedicar horas da madrugada para trabalhar.

Em bate-papo com internautas no último dia 9, Levy respondeu à pergunta de um deles sobre ser um "Chicago boy", adepto de uma linha de pensamento econômico da Universidade de Chicago (EUA), cuja máxima pode ser traduzida pela famosa frase "não existe almoço grátis". O próprio ministro explicou seu significado para o momento enfrentado pelo país: "Tudo que o governo ‘dᒠé pago pelo contribuinte".

O presidente Evo Morales já havia feito a afirmação de que na Bolívia não mandam os "Chicago Boys" há um ano, em janeiro de 2014, antes de a presidente Dilma Rousseff fazer qualquer sinalização pública sobre quem assumiria a Fazenda em um eventual segundo mandato.

Durante o discurso de posse, Evo Morales também criticou a atuação dos Estados Unidos no combate ao tráfico de drogas na região. "A nacionalização da luta contra o narcotráfico, em coordenação direta com os países vizinhos, é importante. Estamos melhor na luta contra o narcotráfico sem o DEA [departamento antidrogas do governo-americano]", comentou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.