i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Cuba

Fidel Castro tenta moderar radicais, dizem analistas

Declarações de Fidel estariam credenciando o atual presidente, Raul Castro, a assumir posições mais moderadas

  • PorAgência Estado
  • 10/09/2010 05:36

Fidel Castro tentou assumir a identidade de "avô experiente e conselheiro ponderado da esquerda" ao criticar o modelo cubano e o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. Para o professor Arturo López-Levy, da Universidade de Denver, nos EUA, as declarações de Fidel à revista Atlantic Monthly reforçam a posição dos moderados em relação aos radicais da ilha. "As novas posições de Fidel autorizam o presidente Raúl Castro, em Cuba, a assumir posições mais moderadas com o respaldo do comandante da revolução", disse López-Levy. "Claramente, Fidel mostra-se preocupado com as pressões da esquerda radical e se sente responsável por esses movimentos."

Nesta semana, Fidel convidou o jornalista americano Jeffrey Goldberg, da revista Atlantic Monthly, para entrevistá-lo em Havana. Durante a conversa, afirmou que o modelo cubano não pode ser mais exportado porque "não funciona nem para nós". Também recomendou a Ahmadinejad "entender o sofrimento dos judeus com o antissemitismo".

Na semana passada, o ex-presidente cubano afirmou ao jornal La Jornada, do México, que havia sido um erro a perseguição dos revolucionários cubanos aos homossexuais. Essas ponderações, segundo López-Levy, contradizem atitudes e declarações de Fidel no passado e mostram uma fase de autocrítica. Em Cuba, o significado dessa reconstrução da imagem do líder da Revolução de 1959 é ainda mais sensível. Essa foi a primeira vez que ele falou de um tema doméstico desde que deixou definitivamente o governo, em fevereiro de 2008. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.