i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
violência contra mulher

Governo sueco quer mudar lei de consentimento sexual

Atualmente uma pessoa só pode ser acusada de estupro no país se ficar provado que ela usou de violência ou ameaça

    • São Paulo, SP
    • Folhapress
    • 02/01/2018 13:24
    Primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven,  apresentou a proposta no fim de dezembro. | Reprodução/Facebook
    Primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven,  apresentou a proposta no fim de dezembro.| Foto: Reprodução/Facebook

    O governo da Suécia quer mudar a lei de crimes sexuais do país, exigindo que as pessoas deem um consentimento claro antes de qualquer ato sexual. 

    Segundo a vice-primeira-ministra Isabella Lovin, a recente onda de denúncias contra assédio sexual nos Estados Unidos, simbolizada na campanha #MeToo (eu também), "mostra que há uma necessidade" de se mudar a lei. 

    "Deve ser óbvio, sexo é voluntário. Se não é voluntário, então é ilegal. Se você tem alguma dúvida, então desista", disse o premiê Stefan Lovren durante uma entrevista coletiva no fim de dezembro, quando ele apresentou a proposta. 

    Atualmente, uma pessoa só pode ser acusada de estupro no país se ficar provado que ela usou de violência ou ameaça. 

    Segundo a proposta, o estupro também poderá ser confirmado caso fique comprovado que a suposta vítima não deu um consentimento verbal ou não demonstrou o desejo de participar de um ato sexual. 

    Caberá a quem acusa provar na Justiça que não houve o consentimento. 

    Segundo o governo, o principal objetivo da medida é transformar em crime um ato sexual em que uma das partes não tinha a capacidade de consentir. 

    Críticos, porém, disseram que a mudança não deve aumentar as condenações por estupro no país. Para o premiê, o importante é que as regras levem "a uma mudança nas atitudes e valores da sociedade". 

    Ainda não há uma definição de quando a lei será votada no parlamento, que atualmente está em recesso. Mesmo se for aprovada, a regra só entra em vigor a partir de julho de 2018. 

    Lovren disse que seu governo estuda uma mudança na lei desde sua chegada ao cargo, em 2014. Para ele, a proposta é uma "reforma histórica" que mostra que a sociedade está do lado das vítimas. 

    A mudança faz parte de um amplo plano de dez anos do governo para combater a violência contra mulheres no país. 

    Além na mudança na lei de estupro, a proposta prevê outras medidas, como a proibição que suecos contratem prostitutas no exterior e o aumento nas penas a pessoas condenadas por assédio ou abuso sexual. 

    Recentemente a França também começou um debate para mudar sua lei de consentimento sexual.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.