O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, cumprimenta o presidente russo Vladimir Putin na primeira cúpula entre os dois líderes, na Rússia | Foto: Alexander Zemlianichenko/POOL/AFP
O ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-un, cumprimenta o presidente russo Vladimir Putin na primeira cúpula entre os dois líderes, na Rússia | Foto: Alexander Zemlianichenko/POOL/AFP| Foto: AFP

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o ditador norte-coreano Kim Jong-un prometeram, nesta quinta-feira (25), fortalecer os laços entre seus países. O primeiro encontro oficial dos dois líderes, em Vladivostok, na Rússia, enviou uma clara mensagem aos Estados Unidos de que o Kremlin pode exercer influência sobre o programa nuclear norte-coreano.

Kim, que demorou um ano para aceitar o pedido de Putin para uma cúpula bilateral, chegou ao local do encontro mais de 30 minutos depois do presidente russo – uma reviravolta incomum para Putin, que é conhecido por manter líderes mundiais à espera antes de reuniões.

Ambos cumprimentaram-se calorosamente antes de se reunirem a portas fechadas para discutir, segundo o governo russo, a desnuclearização da península coreana.

"Nós damos boas-vindas aos seus esforços para desenvolver o diálogo intra-coreano e normalizar as relações entre a Coreia do Norte e a América", disse Putin a Kim na Universidade Federal do Extremo Oriente, cujos salões principais foram decorados com bandeiras dos dois países.

Kim disse ao líder russo que esperava que seus dois países "trocassem opiniões sobre a situação na península coreana e resolvessem a questão em conjunto de maneira substancial".

Um dia antes do encontro, o porta-voz da presidência russa, Dmitry Peskov, havia dito que o Kremlin acredita que as conversas multilaterais sobre a desnuclearização da península coreana, que começaram em 2003 e atualmente estão paralisadas, são a única forma eficiente de abordar a questão das armas nucleares na península. Essas conversas envolveram as duas Coreias, Rússia, China, Japão e Estados Unidos.

"Não há outros mecanismos internacionais eficientes no momento", disse Peskov a repórteres na quarta-feira (24).

Interesses

Os líderes revelaram pouco sobre o conteúdo de seu encontro de quase duas horas - mais de uma hora a mais do que o programado. Kim tem procurado alívio das sanções do Conselho de Segurança da ONU, que sufocam a pequena economia de seu estado, mas Putin tem pouco dinheiro para oferecer e está preso pelas restrições econômicas internacionais.

Mesmo assim, para Kim, encontrar um líder mundial como Putin é uma oportunidade de salvar sua imagem depois das fracassadas conversas com os Estados Unidos, que terminaram abruptamente na cúpula entre o ditador norte-coreano e o presidente americano Donald Trump em Hanói, em fevereiro.

Para o Kremlin, ansioso por desempenhar um papel importante nas conversações nucleares de alto risco, a cúpula chamativa mostra o crescente domínio político da Rússia em todo o mundo.

Exercícios militares

Washington observará atentamente, do lado de fora, qualquer possível rachadura nas sanções econômicas e outras pressões sobre o regime de Kim. Desconfiado de uma possível reviravolta russa, o Departamento de Estado enviou seu enviado para a Coréia do Norte, Stephen Biegun, a Moscou na semana passada para pressionar por manter a pressão para realizar a total desnuclearização do país.

Em outro sinal da frustração de Pyongyang em relação a Washington, a Coreia do Norte emitiu uma forte condenação, nesta quinta-feira, contra os exercícios militares em andamento entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul, alertando que seus próprios militares poderiam reagir.

O Comitê para a Reunificação Pacífica do país classificou os exercícios como um "ato de perfídia" em nome das autoridades sul-coreanas, alegando que violaram os acordos firmados entre os líderes da Coreia do Norte e do Sul no ano passado. Os Estados Unidos dizem que os exercícios militares foram reduzidos, mas o Norte parece querer que os jogos de guerra sejam cancelados.

"Agora que as autoridades sul-coreanas não se manifestaram em sua provocação militar contra a Coreia do Norte, juntamente com os EUA, haverá resposta correspondente a ela de nosso exército", advertiu o comunicado.

Sanções

Nos dias que antecederam a reunião de quinta-feira, alguns legisladores russos sugeriram que as sanções à Coreia do Norte deveriam ser suspensas.

Como a China, a Rússia tem sido cautelosa em relação à Coreia do Norte, com a qual compartilha uma fronteira e não quer ver uma mudança de regime que possa levar à influência norte-americana. Mas Putin também está ansioso para construir laços econômicos com o país, ex-parceiro comercial da União Soviética.

No último encontro bilateral de alto nível entre Coreia do Norte e EUA, em Hanói, Trump pediu a Kim que abandonasse todo o seu arsenal nuclear em troca de ajuda econômica para criar um "futuro brilhante" para o país. Kim recusou e mais tarde um alto funcionário da Coreia do Norte disse que queria mais trabalhar com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, à frente das negociações de paz na península.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]