i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições nos EUA

McCain “perdeu o bonde” da mudança, diz professor da UnB

  • 18/10/2008 22:03

O cientista político e professor da Universidade de Brasília (UnB) David Fleischer avalia que já é tarde para McCain mudar seu discurso. Há um mês, os republicanos começaram a pedir mudanças na estratégia, o fim dos ataques e foco em aspectos positivos. Entre eles, afirmar que o candidato não é igual ao presidente Bush.

O problema é que McCain demorou para mudar sua abordagem, e a entrada da Sarah Palin na campanha, apesar de ter dado gás nas pesquisas durante a primeira semana, acabou por enfatizar os ataques negativos a Obama. "McCain perdeu o bonde", sintetiza Fleischer, que é norte-americano.

"Embora já tenham tentado treiná-lo, McCain não consegue disfarçar ou evitar as expressões de raiva incontida", diz. Isso ficou claro no último debate, dia 15, em que a transmissão de duas telas em que o rosto de ambos candidatos aparecia simultaneamente revelou as emoções do candidato. O fato de o republicano se atrapalhar em achar a câmera correta para falar também causou descrédito junto ao eleitor, para o professor.

O colunista-chefe do site Politico.com, Roger Simon, escreveu que o baixo desempenho nas pesquisas está relacionado à postura ofensiva assumida pela candidata à Vice-Presidência republicana. Ele destaca que a grande esperança ao colocar Sarah Palin na chapa foi a de animar a base republicana, mas que essa base nunca esteve tão pequena.

"Para a chapa McCain-Palin vencer, precisa atrair um bom número de eleitores independentes, de indecisos e até mesmo de alguns democratas. Os ataques de Palin ajudam a conquistar esses votos?", questiona. Para ele, as críticas pessoais contra Obama podem até conquistar alguns eleitores, mas chegaram a assustar o próprio McCain.

Sobre a "surpresa de outubro", Fleischer engrossa o coro dos que preferem esperar para ver, mas afirmou que a "surpresa de setembro" de Wall Street também pode ser decisiva. "McCain chegou a afirmar que a crise da Bolsa não iria piorar, o que reforça como os republicanos são ruins em assuntos econômicos. O povo norte-americano fica muito bravo se não consegue trocar de carro ou se tem o limite do cartão de crédito encolhido", ressalta. (AL)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.