i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
América Latina

Ministro desmente flexibilização do aborto na Argentina

A lei atual da Argentina só permite aborto em casos de estupros de mulheres com problemas mentais

  • PorAgência Estado
  • 22/07/2010 07:03

O Ministério da Saúde da Argentina causou surpresa na noite de terça-feira ao anunciar uma flexibilização sem precedentes para a possibilidade de serem feitos abortos em hospitais públicos federais em todo o país. Ontem, porém, o ministro da Saúde, Juan Manzur, negou que tivesse assinado alguma resolução nesse sentido. Durante as poucas horas até o desmentido, a suposta decisão provocou polêmica. A lei atual da Argentina só permite aborto em casos de estupros de mulheres com problemas mentais.

Organizações não-governamentais (ONGs) e alguns parlamentares elogiaram a medida, enquanto alguns partidos e setores ligados à Igreja Católica reclamaram. Segundo o Ministério da Saúde, 600 mil abortos clandestinos são feitos anualmente no país. Isso equivale a um aborto a cada bebê que nasce na Argentina por ano. As estatísticas indicam que 80 mil mulheres são hospitalizadas por problemas decorrentes de abortos mal realizados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.