i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
INTELIGÊNCIA

Higiene, segurança e tédio

  • Porroger cohen
  • 16/03/2014 21:02

O que é genuíno é imprevisível. Essa é uma verdade que incomoda um mundo que busca a eficiência e a imagem. Uma fruta deliciosa pode ter imperfeições. Então é melhor produzir uma fruta perfeita e brilhante, mas sem sabor. Eu estava pensando nisso outro dia na Alemanha enquanto tomava um "blauburgunder", que é como os alemães chamam um "pinot noir". A Alemanha não produz ótimos vinhos tintos; aquele não era um ótimo vinho tinto. Mas era autêntico. Não tinha sido produzido para se adequar a um gosto determinado. Era uma expressão genuína de uma uva e uma região.

Como tal, sempre seria preferível aos vinhos tintos pesados que o mercado de massas exige e os vinicultores do Novo Mundo fornecem —vinhos emburrecidos, feitos com pouca fruta, com teor tânico zero, não ácidos, moribundos e com alto teor alcoólico.

Um dos fatos notáveis da vida é que as pessoas tomam litros de vinho ruim, quando poderiam pelo mesmo preço tomar vinho decente. Mas elas não querem se arriscar. Preferem produtos promovidos com eficácia a outros que sejam genuínos.

Minha impressão é que uma das organizações que mais cresce no mundo é a Aliança Global por uma Vida de Tédio (AGVT). Seu objetivo é filtrar, arrebanhar, melhorar e emburrecer experiências genuínas em nome de algum fac-símile mais fácil de absorver e, é claro, que seja totalmente seguro para humanos e animais.

Descobri recentemente que um membro destacado da AGVT é o prefeito de Nova York, Bill de Blasio. Não sei que tipo de vinho ele toma nem qual é seu grau de tolerância de frutas imperfeitas, mas suas ideias sobre como limpar as ruas de Nova York são lamentáveis. Caso você não saiba, o prefeito neófito tem o plano de proibir a circulação das carruagens puxadas por cavalos que há gerações atraem turistas no Central Park e arredores, substituindo-as por réplicas de calhambeques, movidas a eletricidade e que, para ele, proporcionarão prazer semelhante sem causar dor cruel aos cavalos.

De Blasio é um reflexo dos tempos. Antigamente os americanos diziam "vá com calma", mas agora dizem "fique em segurança", o mantra de um mundo excessivamente mapeado e decidido a promover a eliminação completa de riscos. Parece que a tentação de exercer controle com a ajuda da tecnologia é incontrolável.

De Blasio acha que a opção das réplicas de calhambeques traz uma ótima perspectiva de emprego para os mais de 300 condutores, trabalhadores em estábulos e outros que podem ficar sem trabalho se as carruagens forem eliminadas.

Faça-me o favor, senhor prefeito. Isso é como dizer que trabalhar num parque temático da Disney é uma alternativa fantástica para jóqueis.

Cavalos têm cheiro. Eles defecam. Ficam mancos. São imprevisíveis. Réplicas de calhambeques movidas a eletricidade são isentas de cheiro. Quase não fazem barulho. Andam em linha reta. São previsíveis.

Pela minha experiência, as pessoas que gostam de cavalos são engraçadas, não medem as palavras e apreciam momentos de solidão. Não são intercambiáveis com as pessoas que optam por conectar seus carros a baterias durante a noite.

Um grupo de defesa dos direitos dos animais chamado NY-CLASS (Nova-Iorquinos por Ruas Limpas, Vivíveis e Seguras), apoiou De Blasio em sua campanha no ano passado. A posição do grupo, teria dito uma porta-voz dele, segundo o "Wall Street Journal", é que é inaceitável sujeitar cavalos "a uma vida de alto risco com o focinho encostado em canos de escapamento, sendo que existe uma alternativa fantástica e isenta de crueldade, a réplica elétrica de calhambeque".

Essa bobagem toda equivale a cometer crueldade com os sentimentos dos turistas que visitam Nova York e procuram uma experiência romântica.

A tecnologia cria desafios. Um deles é encontrar o ponto certo de equilíbrio entre a privacidade e a segurança. Outro, igualmente importante, é encontrar o ponto de equilíbrio entre a genuinidade e a eficiência. No momento, a genuinidade está perdendo para o exército da AGVT, com sua campanha em favor da previsibilidade e homogeneização.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.