i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tendências mundiais

Passado da Síria é ameaçado pela guerra

  • PorALISSA J. RUBIN
  • 16/03/2014 21:04
A guerra civil síria levou à destruição de sítios arqueológicos e saques nos museus. Um rebelde em Aleppo | Zein Al-Rifai/Agence France-Presse — Getty Image
A guerra civil síria levou à destruição de sítios arqueológicos e saques nos museus. Um rebelde em Aleppo| Foto: Zein Al-Rifai/Agence France-Presse — Getty Image

Para os arqueólogos franceses Pierre Leriche (73) e Jean-Claude Margueron, (80) que passaram décadas estudando e desenterrando o rico passado da Síria, é doloroso olhar para o momento atual do país, tão deprimente.

A guerra civil há muito tornou qualquer tipo de trabalho impossível nas cidades antigas e templos onde os profissionais sempre tiveram tranquilidade para tentar entender as civilizações mais antigas e agora a Paris chega um número cada vez mais alto de relatos sobre a extensão dos danos a um dos registros históricos mais importantes do mundo.

O retrato feito por acadêmicos, a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura e especialistas é o de um país em processo de obliteração de sua história cultural. "A situação lá hoje é absolutamente terrível", disse Pierre, que durante mais de 25 anos trabalhou em um sítio às margens do rio Eufrates. "O pessoal chega com britadeira. É claro que tudo acaba destruído." Jean-Claude trabalhou em outro local ao longo do mesmo rio, o Mari, que tem três mil anos de idade. "Mari foi uma das primeiras civilizações urbanas. Se saquearem Mari, o lugar vai ser destruído. São perdas irremediáveis."

Pierre e Jean-Claude são apenas dois dos muitos arqueólogos da Bélgica, Reino Unido, França, Itália e outros países que passaram anos estudando a história da Síria — o mundo dos antigos gregos, romanos e os primeiros anos do Islã no Levante. A Unesco está tentando catalogar e recuperar artefatos roubados em um trabalho conjunto com estudiosos, colecionadores e a polícia de países fronteiriços.

Quando a luta começou, em 2011, havia pelo menos 78 equipes arqueológicas no país, conta Samir Abdulac, sírio que vive na França e é secretário geral do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios. Ele explica, ao lado de Nada Hassan, chefe da unidade dos Estados Árabes da Unesco, que estão ocorrendo três tipos de destruição: de sítios arqueológicos por causa da luta; saques e pilhagem; roubos dos museus.

Particularmente vulnerável aos confrontos são as cidadelas e castelos, geralmente construídos em locais mais altos para que os soldados pudessem perceber a aproximação do inimigo. De vez em quando os rebeldes assumem o controle desses locais, como o do famoso castelo cruzado, o Krak des Chevaliers; a seguir, é o Exército Sírio que os recupera, e o dano às muralhas, telhados e entalhes é praticamente inevitável.

Quando os estrangeiros deixaram o país, os guardas, que já não estavam mais recebendo salários, abandonaram seus postos; com isso, os moradores das redondezas invadiram os museus e roubaram portas e janelas, a madeira usada na construção, a fiação e até os canos, mas os arqueólogos sabem que a culpa não é deles. "São pessoas pobres em meio a uma crise sem precedentes; mas é preocupante", diz Agnès Vokaer, diretora de campo da equipe arqueológica belga em Apameia. "Eles não têm telefone, nem energia, nem combustível para fazer funcionar o maquinário agrícola, não têm mais comida."

Combatentes estrangeiros não demoraram a chegar e, com eles, vieram os criminosos cuja abordagem é mais violenta. No final de 2011/início de 2012 eles já trabalhavam com equipamentos mecanizados de escavação e protegiam a área com guardas armados enquanto os escavadores ilegais entravam em ação. "Esses objetos não são simples pedras", afirma Irina Bokova, diretora da Unesco. "Formam a identidade do povo sírio. Se forem destruídos será um grande golpe para suas comunidades."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.