i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tendências mundiais

Rebeldes ousados na Nigéria

  • PorPor ADAM NOSSITER
  • 24/08/2014 21:04

O padrão está se tornando familiar para os moradores do nordeste da Nigéria, praticamente todo sitiado: homens armados, provavelmente membros da seita Boko Haram, chegam a um vilarejo, queimam as casas, reúnem dezenas de jovens, colocam todos nos caminhões e vão embora.

Quatro meses depois de os islamitas terem sequestrado 300 garotas de uma escola, um grupo de combatentes gritando "Deus é grande" abduziu dezenas de jovens de outro vilarejo. O alvo dessa vez foram meninos e rapazes. O senador Ahmed Zannah, do estado de Borno, confirmou o novo sequestro, mas disse que os soldados do Chade já libertaram as vítimas.

Por outro lado, parece que as meninas não estão nem perto de serem resgatadas. A mobilização internacional considerável em seu favor — incluindo até assistência de inteligência dos EUA e outros países, reconhecimento aéreo, mensagens nas redes sociais e um movimento de protesto vigoroso no país — surtiu pouco efeito.

Longe de pressionar o Boko Haram e forçar a libertação das garotas, o Exército parece ainda estar brigando pela região em que ocorreu o sequestro, ou seja, o nordeste do país.

Já os militantes continuam a ganhar terreno, plantando bombas nas cidades e invadindo aldeias, praticamente ignorados por uma organização militar dizimada pelo que os diplomatas dizem ser corrupção e moral baixo. Aliás, eles não querem ser identificados porque ninguém está autorizado a falar abertamente sobre os esforços de resgate das meninas.

Embora o Exército tenha recapturado há pouco tempo pelo menos um vilarejo em poder dos militantes, a seita continua operando livremente em toda a região. Foi de Chibok, a 130 km ao sul de Maiduguri, a capital regional, que as estudantes foram levadas, no dia 14 de abril. "O Boko Haram pode fazer o que bem entender", um diplomata ocidental revelou.

E não só ele como seus colegas temem que o grupo esteja se aproximando demais de Maiduguri, metrópole de mais de um milhão de habitantes. "O pessoal está preocupado porque se a cidade for atacada, vai cair. Eu mesmo não sei se vai conseguir resistir", diz outro sobre a defesa da cidade.

Alguns pais e familiares já estão perdendo as esperanças de ver as meninas de Chibok novamente. "A gente esperava que o governo fosse fazer alguma coisa", diz Ayuba Alamson, primo de uma das vítimas, "mas não foi o suficiente. Perdi a confiança no Exército. Se fosse para agir, esses ataques não teriam se repetido".

Contribuiu Ben Ezeamalu

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.