A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, ri cercada de chanceleres europeu durante reunião da Otan | Sebastien Pirlet / Reuters
A secretária norte-americana de Estado, Hillary Clinton, ri cercada de chanceleres europeu durante reunião da Otan| Foto: Sebastien Pirlet / Reuters

Sete meses depois de romper relações com a Rússia por causa da invasão da Geórgia, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) retomou formalmente os laços com Moscou nesta quinta-feira (5).

Depois de um longo debate, os ministros de Relações Exteriores dos países da Aliança Atlântica, reunidos nesta quinta-feira (5) em Bruxelas, concordaram em reativar o Conselho Rússia-Otan, um fórum de debates sobre uma vasta gama de assuntos.

A Lituânia argumentou que a decisão deveria ser adiada até a reunião de chefes de Estado da Otan, marcada para o início de abril. Já a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, foi contra o adiamento da decisão, dizendo-se favorável a "explorar um novo começo" com a Rússia.

Numa entrevista coletiva concedida ao término do encontro de chanceleres, o secretário-geral da Otan, Jaap de Hoop Scheffer, anunciou que o assunto estava resolvido, como já era esperado.

"A Rússia é um ator importante, um ator global, e isso quer dizer não nos relacionarmos com ela está fora de cogitação", declarou Scheffer durante a conversa com jornalistas.

A expectativa é de que a reaproximação entre a Otan e a Rússia dê vulto aos esforços do novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para estabelecer laços mais fortes com Moscou depois de anos de atrito durante o governo George W. Bush.

A retomada das relações ocorre apesar das preocupações da Otan com a postura de Moscou de reafirmação de sua influência regional.

Para Hillary Clinton, que chegou a Bruxelas ontem à noite, esta foi a primeira reunião de chanceleres da Otan desde que ela passou a chefiar a diplomacia americana.

Hillary está no meio de um tour internacional que começou pelo Egito e já a levou a Israel e ao território palestino da Cisjordânia.

Depois da reunião da Otan em Bruxelas ela seguirá para Genebra na sexta-feira, onde se reunirá com o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. Dali, Hillary irá para Ancara, Turquia.

"Nós podemos e devemos encontrar meios de trabalhar construtivamente com a Rússia nas áreas de interesse comum, como a ajuda ao povo do Afeganistão, o controle de armas e a não-proliferação, o combate à pirataria e ao tráfico de drogas e as ameaças representadas pelo Irã e pela Coreia do Norte", disse Hillary antes do encontro.

Funcionários russos elogiaram imediatamente o restabelecimento dos vínculos entre Moscou e a Aliança Atlântica. "Precisamos trabalhar depressa para garantir a estabilidade e a segurança no Afeganistão", disse Dmitry Rogozin, enviado russo à Otan. Segundo ele, a Rússia já se prontificou a cooperar com a Otan no Afeganistão, ao permitir que a Aliança Atlântica use o transporte ferroviário russo para enviar suprimentos à Ásia Central. As informações são da Associated Press.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]