i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
tensão

Países islâmicos pedem que Jerusalém seja declarada capital palestina

Líderes muçulmanos convidaram diversas nações a reconhecerem Jerusalém Oriental como sua capital ocupada

    • São Paulo
    • Folhapress
    • 13/12/2017 11:49
    A organização de países islâmicos caracterizou a medida de Trump como "nula e sem valor" | OZAN KOSE/AFP
    A organização de países islâmicos caracterizou a medida de Trump como "nula e sem valor"| Foto: OZAN KOSE/AFP

    Líderes de diversos países muçulmanos defenderam em um comunicado conjunto nesta quarta-feira (13) que Jerusalém Oriental seja reconhecida como capital palestina, uma semana após Donald Trump declarar a cidade como capital de Israel.

    "Proclamamos Jerusalém Oriental como capital do Estado da Palestina e convidamos todos os países a reconhecer o Estado da Palestina e Jerusalém Oriental como sua capital ocupada" diz o comunicado da OCI (Organização de Cooperação Islâmica), que reúne diversos países com presença muçulmana.  

    O grupo tem 57 países associados, entre eles o Irã, a Arábia Saudita e a Jordânia, que já haviam expressado discordância com a posição americana sobre Jerusalém.  

    A organização se reuniu em Istambul, na Turquia, nesta quarta, exatamente para debater uma resposta conjunta a decisão de Trump, a qual chamou de "nula e sem valor".  

    Leia tambémPalestino esfaqueia israelense em Jerusalém e amplia escalada de violência

    "Condenamos duramente a decisão irresponsável, ilegal e unilateral do presidente dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a suposta capital de Israel", diz o documento, que foi divulgado pelo Ministério de Relações Exteriores turco.  

    Para a OCI, a decisão americana "é uma ameaça deliberada contra os esforços de paz, um incentivo ao terrorismo e uma ameaça a paz e segurança internacionais".  

    O comunicado afirma ainda que a decisão mostra que os Estados Unidos se retiraram de seu papel de mediador das negociações de paz no Oriente Médio, ecoando declarações do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas.  

    Pouco antes do comunicado final ser publicado, Abbas —que participa do encontro— disse que a decisão de Trump foi o "maior dos crimes" e uma violação flagrante da lei internacional.  

    "Jerusalém é e sempre será a capital da Palestina", afirmou ele, ao pedir apoio dos colegas para excluir Washington das negociações de paz.  

    A maior parte da comunidade internacional não reconhece o pleito israelense para que Jerusalém seja reconhecida como sua capital, uma vez que os palestinos também reivindicam seu direito à região oriental da cidade.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.