i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Índia vs. China

Por que duas potências nucleares estão lutando com paus e pedras

  • 18/06/2020 12:40
índia china
Soldados da Força de Segurança Fronteiriça da Índia (BSF) guardam uma estrada que leva a Leh, na fronteira com a China, em Gagangir, em 17 de junho de 2020| Foto: Tauseef MUSTAFA/AFP

A morte de 20 soldados indianos - e um número desconhecido de baixas chinesas - na fronteira sino-indiana no início desta semana chocou o mundo pela forma como aconteceu: um violento confronto corporal com socos e empurrões em um terreno montanhoso de 4,2 mil metros de altitude, em que as armas usadas eram barras de ferro, paus e pedras.

Uma imagem compartilhada por um oficial militar indiano com a BBC nesta quinta-feira (18) mostra uma das armas supostamente usadas pelos chineses durante o ataque no Vale Galwan: barras de ferro soldadas com pregos. Nem as autoridades indianas e nem as chinesas comentaram sobre a foto, mas ela foi amplamente compartilhada nas redes sociais. "Tal barbárie deveria ser condenada", tuitou o analista em defesa indiano Ajai Shukla, ao postar a imagem da arma improvisada.

Índia e China, duas potências nucleares, estão usando esses objetos primitivos em combate porque não autorizam seus soldados a usar armas de fogo. Se o fizerem, correm o risco de escalar o conflito ao violar um acordo bilateral firmado em 1996, que proíbe o uso de armas de fogo e explosivos ao longo da fronteira disputada a fim de manter uma boa relação entre os vizinhos.

"Nenhum lado deve usar sua capacidade militar contra o outro lado. Nenhuma força armada posicionada por um ou outro lado nas áreas de fronteira ao longo da linha de controle real, como parte de suas respectivas forças militares, deve ser usada para atacar o outro lado ou se engajar em atividades militares que ameacem o outro lado ou minem a paz, a tranquilidade e a estabilidade nas áreas de fronteira Índia-China", diz o acordo.

vale Galwan
Imagem de satélite, tirada em 16 de junho de 2020 e divulgada pela Planet Labs, mostra o Vale Galwan, que fica entre o Tibete da China e Ladakh da Índia | FOTO: Divulgação/AFP| Divulgação/AFP

O texto também prevê que "se o pessoal da fronteira dos dois lados se encontrarem em uma situação face a face devido a diferenças no alinhamento da linha de controle real (...), eles devem exercer autocontrole e tomar todas as medidas necessárias para evitar uma escalada da situação". Aparentemente não foi isso que ocorreu nesta semana. Índia e China, até hoje, não conseguiram chegar a um acordo sobre onde exatamente fica a divisa entre os dois países, a chamada linha de controle real. Para a China, o Vale de Galwan está sob sua administração, mas a Índia pensa o contrário. Outros pontos da linha também são contestados.

No decorrer das últimas décadas ocorreram vários confrontos que resultaram em soldados feridos, mas o que aconteceu na noite desta segunda-feira foi o primeiro com mortes desde 1975 e o mais violento desde 1967. A tensão aumentou recentemente com provocações vindas dos dois lados. Índia e China passaram a construir infraestrutura nas regiões autônomas sob seus domínios ao mesmo tempo que aumentaram a presença militar ao longo da divisa. Recentemente a China conduziu um exercício militar no Tibete - a cerca de 1.000 quilômetros de distância do Vale Galwan - para treinar o seu exército em terreno de elevada altitude. Analistas estimam que a China tenha ocupado nos últimos meses cerca de 35 quilômetros quadrados de território que é contestado pela Índia.

As autoridades de ambos os países concordaram em diminuir as tensões e resolver o assunto pacificamente, mas fizeram ameaças veladas e trocaram acusações sobre quem foi o culpado pelo encontro fatal entre as tropas indianas e chinesas no Vale Galwan. Generais chineses e indianos continuaram em contato nesta quinta-feira (18). Mas as tensões continuam altas, já que a China não dá sinais de que vai retroceder e a Índia está disposta a recuperar o seu território.

Protestos na Índia

Manifestantes queimam uma efígie do presidente chinês Xi Jinping e da bandeira nacional da China durante uma manifestação anti-China em Calcutá, 18 de junho de 2020 | FOTO: Dibyangshu SARKAR/AFP
Manifestantes queimam uma efígie do presidente chinês Xi Jinping e da bandeira nacional da China durante uma manifestação anti-China em Calcutá, 18 de junho de 2020 | FOTO: Dibyangshu SARKAR/AFP| AFP

Enquanto os corpos dos soldados indianos mortos no combate começam a ser levados de volta para suas famílias, manifestantes indianos demonstram sua insatisfação e raiva contra a China. Em protestos nas ruas de várias cidades da Índia, manifestantes queimaram bandeiras chinesas e imagens do presidente da China, Xi Jinping.

Também ganhou um impulso um movimento de boicote de produtos chineses. Um ministro indiano pediu pelo fechamento de restaurantes chineses, outros oficiais do governo estão colocando os contratos com os chineses sob revisão. Nesta quinta-feira, o jornal Indian Express informou que o governo de Narendra Modi estava se preparando para cancelar um enorme contrato, no valor de 4,7 bilhões de rúpias (cerca de US$ 60 milhões), com uma empresa chinesa do setor de ferrovias, alegando "pouco progresso" da obra.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Maquiavel

    ± 1 dias

    O mundo tem que destruir a China antes que seja tarde demais!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcos eisenschlag

      ± 2 dias

      Esse confronto entre duas potencias nucleares me lembrou a frase de Einstein, cada vez mais vigente: " Nao sei se uma terceira guerra mundial será travada com armas nucleares, mas a quarta sera' com pedras e paus."

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Josphin

        ± 2 dias

        Países e pessoas deveriam fazer um boicote total contra a China, pais comunista que vem demonstrando ser altamente danoso para o resto do planeta, com suas epidemias, idelologias e conflitos.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          Ana Luiza

          ± 2 dias

          Para a China, ou o mundo é subalterno ou é inimigo.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          1 Respostas
          • M

            Marcos eisenschlag

            ± 2 dias

            Comunista nao quer dialogo, comunista quer e' submissão.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.