i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Religião

Pressionado, pastor desiste de queimar o Alcorão

Religioso diz que cancelou plano após ter feito acordo para mudar projeto de mesquita em Nova York; muçulmanos negam

  • PorAgência Estado
  • 09/09/2010 21:10
O pastor Terry Jones em frente de trailer com anúncio da data e horário da queima de exemplares do Alcorão: recuo após pedido de Obama | Paul J. Richards/AFP
O pastor Terry Jones em frente de trailer com anúncio da data e horário da queima de exemplares do Alcorão: recuo após pedido de Obama| Foto: Paul J. Richards/AFP

Plano B

Lei anti-incêndio seria usada para tentar evitar queima

Desarmados pela Primeira Emenda da Constituição dos EUA, que consagra a liberdade de expressão como princípio-base da sociedade americana, os adversários do reverendo Terry Jones apostavam na lei anti-incêndio de Gainsville para tentar impedir a queima de cópias do Alcorão.

Advogados da Sociedade Muçulmana Americana (MAS, na sigla em inglês) já estavam na cidade para pressionar as autoridades a aplicar o artigo VI do Código de Ordenanças local, que proíbe qualquer tipo de fogueira ao ar livre, incluindo em propriedades privadas.

Jones chegou a pedir uma permissão excepcional para queimar os livros, mas os bombeiros a negaram.

"É simples: se o reverendo ateasse fogo em um só Alcorão, ele estaria infringindo a lei e deveria ser preso’’, disse à reportagem, por telefone, o diretor da MAS, Mahdi Bray.

Houve também pedidos para processar Jones por Incitação à Violência e Crime de Ódio, mas especialistas disseram que o reverendo só poderia ser enquadrado caso defendesse abertamente ataques contra muçulmanos.

Gainesville, Flórida - Em meio a duras críticas de líderes de diferentes religiões pelo mundo e do presidente dos Esta­­dos Unidos, Barack Obama, o lí­­der de uma pequena comunidade evangélica da Flórida anunciou ontem o cancelamento do plano de queimar 200 exemplares do Alcorão. A queima seria amanhã, data do aniversário dos atentados terroristas de 11 de Se­­tembro de 2001.

Ao recuar de seu polêmico protesto, o pastor Terry Jones alegou ter tomado a decisão depois de conseguir um acordo por meio do qual um centro cultural islâmico projetado para ser construído perto do marco zero de Nova York, onde ficavam as torres gê­­meas do World Trade Center, seja mudado de lugar. Em Nova York, no entanto, os responsáveis pela obra do centro cultural, para o qual está projetada uma mesquita, negaram qualquer espécie de acordo com relação ao local da construção.

"Eu voarei no sábado para me reunir com o imã no marco zero. Ele aceitou mudar o lugar da mes­­quita", declarou Terry Jones.

No entanto, uma organizadora do projeto do centro cultural is­­lâmico, orçado em cerca de US$ 100 milhões, desmentiu a existência de algum acordo. "Não es­­tamos sabendo de nada disso", disse a promotora Daisy Khan. O comentário de Daisy foi feito pouco depois da entrevista coletiva concedida por Jones na Flórida.

Logo a seguir, o imã Muham­­mad Musri disse que apenas se comprometeu a participar de uma reunião com Jones e com o imã Feisal Abdul Rauf, de Nova York, engajado no projeto do centro cultural islâmico. Ele assegurou não haver nenhuma espécie de acordo com relação ao local das obras. Rauf também negou que tenha havido algum acordo.

Depois dos desmentidos, Jo­­nes voltou a procurar a imprensa para afirmar que só aceitou ir a Nova York amanhã para discutir a realocação do centro cultural islâmico e disse que ficará "muito, mas muito desapontado mesmo" se a mesquita não for mudada de lugar. O pastor disse ter cancelado o protesto depois de conversar com o secretário de De­­fesa dos EUA, Robert Gates, mas advertiu que poderia "repensar" a decisão de ontem.

Mais cedo, Obama havia pedido a Jones que escutasse "os anjos bons" e desistisse de seus planos de queimar exemplares do Alco­­rão. O presidente disse que a proposta do pastor é "completamente contrária aos valores norte-americanos" e que a queima do Alcorão seria uma boa notícia pa­­ra a Al-Qaeda na busca por novos recrutas para o terror.

Enquanto isso, a Interpol emitiu um alerta global para os seus 188 países membros se­­gundo o qual haveria "forte probabilidade" de ataques vio­­lentos se o pastor Jones co­­mandasse a queima de exemplares do Alcorão.

* * * * * * * *

Interatividade

Que medidas os governos devem tomar para impedir o extremismo religioso?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.