i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
eleições

Primárias dão fôlego à oposição na Argentina

Governista teve 37,8% dos votos e opositor ficou com 30,7%, o que abre a possibilidade de segundo turno e dá esperança a setores anti-Kirchner

    • BUENOS AIRES
    • Agência O Globo
    • 10/08/2015 21:50
    Maurício Macri, governador da província de Buenos Aires e candidato de oposição ao kirchnerismo: esperança de segundo turno | Marcos Brindicci / Reuters
    Maurício Macri, governador da província de Buenos Aires e candidato de oposição ao kirchnerismo: esperança de segundo turno| Foto: Marcos Brindicci / Reuters

    As eleições presidenciais argentinas do próximo dia 25 de outubro poderão ter um segundo turno pela primeira vez e levar a uma união da oposição, complicando o cenário para o governista Daniel Scioli, do mesmo partido da presidente Cristina Kirchner. Nas primárias realizadas no domingo, Scioli conseguiu 37,8% dos votos, enquanto o prefeito portenho Mauricio Macri, candidato da oposição, teve 30,7% de apoio. O dissidente do peronismo Sergio Massa ficou em terceiro, com 20,6%. O resultado aponta para um segundo turno e pode levar a uma união dos setores anti-Kirchner, complicando o cenário para o governo.

    Dois Kirchner nas eleições

    Pela primeira vez desde 2003, o sobrenome Kirchner não está na lista de candidatos à Presidência da Argentina. Mas nem por isso o sobrenome ficará ausente das eleições. Máximo, filho mais velho do ex-presidente Néstor e da presidente Cristina, vai concorrer ao cargo de deputado pela província de Santa Cruz, terra natal do pai. Sua tia Alicia Kirchner, atual ministra do Desenvolvimento Social, será candidata a governadora da província.

    Na Argentina, para encerrar a disputa no primeiro turno, o candidato deve ter 45% dos votos. Outra hipótese é conseguir 40% dos votos e abrir uma diferença de dez pontos percentuais sobre o segundo colocado.

    Apesar dos números, Scioli descreveu sua vitória como “esmagadora” e dedicou o resultado ao ex-presidente Néstor e a Cristina. “Seguimos o caminho do papa Francisco, com os ‘três T’, que são terra, teto e trabalho. E eu acrescento investimento e igualdade”, afirmou Scioli.

    Ontem, o governista disse não acreditar que o kirchnerismo tenha perdido votos. “Há um vigor e uma vigência da Frente para a Vitória, que tem sua coluna vertebral no peronismo, nos sindicatos e nos setores populares”, disse. Os votos obtidos pelo governista na primeira etapa, no entanto, ficaram aquém dos conquistados por Cristina nas primárias de 2011 (50,9%).

    Atrás da maioria

    Encabeçando a aliança Cambiemos (“Mudemos”), Macri ressaltou ontem que a maioria dos argentinos votou contra o governo. “O governo tem uma minoria, que não é suficiente para vencer em um primeiro turno. Seis em cada dez argentinos estão pedindo mudanças”, disse o oposicionista, que citou os números para dizer que o kirchnerismo teve baixa votação nas primárias. Macri venceu a batalha interna contra o radical social-democrata Ernesto Sanz e a liberal Elisa Carrió, que juntos receberam 7% dos votos nas primárias.

    A dúvida a partir de agora é sobre um eventual acordo entre Macri e Sergio Massa, o que poderia complicar os planos do kirchnerismo. A possibilidade de união foi negada pelo candidato da aliança Cambiemos durante toda a campanha antes das primárias. Em todas as vezes em que foi questionado sobre o tema, Macri afirmou que não estava disposto a negociar com setores peronistas. Além disso, Sergio Massa foi o chefe de Gabinete de Cristina Kirchner.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.