Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Mundo
  3. Regime de Maduro está cada vez mais isolado politicamente

VENEZUELA

Regime de Maduro está cada vez mais isolado politicamente

Confira as reações à posse do ditador Nicolás Maduro no Brasil e no mundo

  • Das agências
O ditador Nicolás Maduro faz discurso em cerimônia das Forças Armadas após ser empossado para um segundo mandato presidencial na Venezuela, 10 de janeiro | FEDERICO PARRA / AFP
O ditador Nicolás Maduro faz discurso em cerimônia das Forças Armadas após ser empossado para um segundo mandato presidencial na Venezuela, 10 de janeiro FEDERICO PARRA / AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O ditador venezuelano Nicolás Maduro, 56, assumiu nesta quinta-feira seu segundo mandato, sob suspeita de ter fraudado o resultado das eleições. Ele comanda um país cuja inflação supera 1.000.000% ao ano e do qual já fugiram mais de 3 milhões de habitantes (grande parte, para Colômbia e Brasil) pela falta de comida e remédios.

Leia mais: Com discurso vazio, ditador Maduro toma posse como ‘presidente’ da Venezuela

O ditador diz que o país está nesta situação porque EUA e Colômbia promovem uma guerra econômica contra seu governo. As afirmações do americano Donald Trump contemplando uma intervenção militar na Venezuela ajudaram o regime a reforçar o discurso nacionalista. 

O colapso da Venezuela e ampla contestação do resultado das eleições de 2018 deixam a Venezuela de Maduro ainda mais isolada internacionalmente. 

Leia mais: Maduro inicia um novo mandato. O que vai acontecer com a Venezuela?

Organização dos Estados Americanos 

A OEA (Organização dos Estados Americanos) decidiu nesta quinta-feira (10) não reconhecer a legitimidade do segundo mandato do ditador venezuelano, Nicolás Maduro. 

A resolução do conselho permanente do organismo foi aprovada por 19 votos a favor —entre eles o do Brasil—, seis contrários, oito abstenções e uma ausência. 

No documento, a OEA lembra que, em resolução de junho de 2018, tinha declarado que o processo eleitoral da Venezuela não tinha legitimidade por não ter contado com a participação de políticos importantes do país e por descumprir padrões internacionais, entre outros problemas apontados. 

Por isso, prossegue, o novo mandato presidencial de Maduro, que vai até 2025, é resultado "de um processo eleitoral ilegítimo", realizado em maio de 2018. 

A organização também buscou reafirmar que, apenas com um diálogo nacional com a participação dos atores políticos venezuelanos, uma reconciliação nacional pode ser alcançada. As condições propiciariam um novo processo eleitoral que "verdadeiramente reflete a vontade dos cidadãos venezuelanos e resolveria pacificamente a atual crise no país." 

Leia mais:  Na posse, Maduro diz que Bolsonaro é fascista contaminado pela direita venezuelana

A OEA também pediu a seus estados-membros que adotem as medidas políticas, diplomáticas, financeiras e econômicas que julgarem necessárias para facilitar a restauração da ordem democrática da Venezuela. 

Além disso, reiterou sua profunda preocupação com a crise econômica, política, social e humanitária no país "resultante da quebra da ordem democrática e das sérias violações aos direitos humanos." 

Por causa disso, prossegue, um número significativo de venezuelanos é forçado a fugir porque não tem acesso a necessidades básicas. Nesse sentido, a organização pede que o regime permita a entrada de ajuda humanitária para a população. 

A OEA condenou fortemente ainda as detenções arbitrárias, falta de processo devido e violações de direitos humanos de presos políticos do governo de Caracas, e pediu que esses prisioneiros sejam libertados imediatamente, sem condições. A resolução foi encaminhada à ONU. 

União Europeia 

A Europa alertou que a decisão de Nicolás Maduro de seguir adiante com sua posse, apesar dos protestos internacionais, afasta a possibilidade de um acordo negociado para a crise que assola a Venezuela. Mas, Bruxelas rejeita qualquer tipo de intervenção e insiste que apenas um entendimento entre as partes na crise venezuelana irá retirar o país do caos. 

Num comunicado emitido nesta quinta-feira, 10, a chefe da diplomacia da UE, Federica Mogherini, diz que o bloco "lamenta profundamente que seu pedido por novas eleições presidenciais de acordo com padrões democráticos reconhecidos internacionalmente foi ignorado e que o presidente Maduro está iniciando um novo mandato com base em eleições não-democráticas". 

"Isso, apenas afasta ainda mais a possibilidade de uma solução constitucionalmente negociada, enquanto a situação política, econômica e social no país fica cada vez mais grave e o impacto da crise na estabilidade da região aumenta", alertou Mogherini. 

A italiana lembrou que, em maio de 2018, a UE alertou que a eleição presidencial na Venezuela não havia sido "nem livre e nem justa". "Seu resultado não tem qualquer credibilidade, já que o processo eleitoral não deu as garantias necessárias para uma eleição inclusiva e democrática", insistiu. 

Brasil 

Na primeira manifestação na gestão do chanceler Ernesto Araújo, o Itamaraty publicará uma nota afirmando que Nicolás Maduro assume um novo mandato ilegítimo na Venezuela.

Na nota, "o Brasil reafirma seu pleno apoio à Assembleia Nacional, órgão constitucional democraticamente eleito, ao qual neste momento incumbe a autoridade executiva na Venezuela, de acordo com o Tribunal Supremo de Justiça legítimo daquele país". 

Maduro esvaziou a Assembleia Nacional, controlada pela oposição, substituindo-a na prática pela Assembleia Nacional Constituinte, eleita também sob suspeita de fraude. 

"O Brasil confirma seu compromisso de continuar trabalhando para a restauração da democracia e do estado de direito na Venezuela, e seguirá coordenando-se com todos os atores comprometidos com a liberdade do povo venezuelano", concluiu o Ministério de Relações Exteriores.

Estados Unidos 

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, divulgou uma declaração nesta quinta-feira, 10, na qual afirma que os Estados Unidos "condenam a ilegítima usurpação de poder" por Nicolás Maduro na Venezuela. "Agora é a hora para convencer a ditadura de Maduro que chegou o momento de a democracia voltar na Venezuela", disse Pompeo, em declaração no mesmo dia em que Maduro inicia o segundo mandato. Segundo ele, os EUA "continuarão a usar o poder político e econômico para pressionar pela restauração da democracia na Venezuela". Os EUA têm imposto sanções a pessoas e empresas ligadas ao regime de Madurocomo forma de pressão ao governo venezuelano. 

A rodada mais recente foi anunciada na última terça-feira e atingiu sete pessoas e 23 entidades que, segundo investigação da justiça americana, estão envolvidos em um esquema de corrupção. Pompeo afirmou que a Assembleia Nacional da Venezuela é o único poder legítimo no país, eleito pelo povo, e defendeu que os líderes venezuelanos trabalhem em conjunto com o congresso. O parlamento venezuelano, controlado pela oposição, considera ilegítimo o novo mandato de Maduro e defende um governo de transição. 

"É hora de a Venezuela começar um processo de transição que possa restaurar a ordem constitucional e democrática através de eleições livres e justas que respeitem o desejo do povo venezuelano", escreveu Pompeo. 

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, mandou uma mensagem via redes sociais dizendo que "os EUA não reconhecem a posse ilegítima do ditador Nicolás Maduro. Vamos continuar a aumentar a pressão sobre esse regime corrupto, apoiar a Assembleia Nacional democrática e pedir por democracia e liberdade para a Venezuela". 

Grupo de Lima 

Na última sexta-feira (4), os chanceleres do Grupo de Lima assinaram um documento em que acordaram não reconhecer a “legitimidade do novo mandato” de Maduro, por considerar que as últimas eleições não contaram com as garantias necessárias de um pleito “livre, justo e transparente.” 

O México foi o único dos 14 países presentes que não assinaram o documento. Firmaram o mesmo os representantes de Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia. 

Bolsonaro tem posicionamento crítico à gestão de Maduro e já afirmou que não pretende manter relações com o país vizinho. 

Paraguai 

Também nesta quinta-feira, o presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, anunciou que seu país está cortando as relações diplomáticas com a Venezuela. A ruptura envolve o fechamento da embaixada do Paraguai em Caracas e a retirada imediata dos diplomatas.

Colômbia 

O governo colombiano se pronunciou por meio de sua vice-presidente, Marta Lucía Ramírez, que gravou uma mensagem dizendo: "Hoje quero convidar o mundo inteiro para que todos, sem importar qual seja a religião que professem, ponham seu coração e sua energia, para pedir a Deus que haja uma saída pacífica da ditadura venezuelana, que permita que esse país recupere a democracia". 

Partido dos Trabalhadores 

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann, justificou em nota sua ida à Venezuela para a posse do ditador Nicolás Maduro, nesta quinta-feira (10), afirmando que sua eleição foi legítima, constitucional e pelo voto popular e que o Brasil sempre respeitou os princípios de soberania e solidariedade entre os países. 

A viagem foi referendada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ela esteve com o ex-presidente, na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, na quinta-feira (3). 

Embora integrantes do PT afirmem não ter sido previamente consultados sobre a viagem de Gleisi a Caracas, o secretário de Comunicação do partido, Carlos Henrique Árabe, diz que a senadora representa a cúpula petista. 

“Ela nos representa. E temos acordo com essa grande atitude de levar apoio do PT ao povo venezuelano”, diz Árabe. 

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE