i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pressão

Rei saudita pressionou EUA por ataque ao Irã

  • PorDa Redação, com agências
  • 28/11/2010 21:24

Entre as informações confidenciais reveladas ontem pelo site WikiLeaks está a de que o rei Abdullah, da Arábia Saudita, pressionou lideranças americanas a atacar o Irã para acabar com o programa nuclear do país persa. "Ele falou para vocês [americanos] cortarem a cabeça da cobra", teria dito o embaixador árabe em Washington, Adel al-Jubeir, segundo um relatório de uma reunião entre o rei saudita e o general David Petraeus, um alto comandante militar americano, em abril de 2008.

O vazamento diz ainda que Ehud Barak, ministro da Defesa israelense, estimou em junho de 2009 que haveria uma janela "de seis a oito meses" a partir da qual "deter o Irã de conseguir armas nucleares seria viável".

De acordo com o WikiLeaks, o Irã obteve acesso a um sofisticado sistema de mísseis capaz de atingir o oeste da Europa e Moscou graças à ajuda da Coreia do Norte. Segundo um documento datado do dia 24 de fevereiro de 2010 – registro de uma reunião entre oficiais dos EUA e da Rússia – Teerã obteve 19 mísseis capazes de carregar material nuclear explosivo.

Repercussão

Horas antes da divulgação dos dados confidenciais do governo americano, o site WikiLeaks declarou em seu perfil no Twitter ser vítima de um ataque cibernético. "Nós estamos agora sob um ataque de rejeição de servidores massivamente distribuído."

Para o fundador do site, o australiano Julian Assange, o governo dos Estados Unidos tem medo de prestar esclarecimentos em relação aos documentos que foram vazados.

O Pentágono condenou a "divulgação imprudente de informações secretas, obtidas ilegalmente" e afirmou ter tomado medidas para evitar que isto volte a ocorrer no futuro. A Casa Branca atacou o vazamento, definindo-o como "uma ação negligente e perigosa". "Estas revelações põem em risco nossos diplomatas, profissionais de inteligência, e pessoas em todo o mundo", declarou o secretário de imprensa da Casa Branca, Robert Gibbs.

A Grã-Bretanha já havia se posicionado de forma semelhante, antes mesmo da publicação dos documentos. "Eles podem prejudicar a segurança nacional", indicou um comunicado do ministério das RelaçõesExteriores britânico.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.