Edifício do New York Times em Nova York em 4 de fevereiro de 2021.
Edifício do New York Times em Nova York em 4 de fevereiro de 2021.| Foto: Daniel SLIM / AFP

No início deste mês, escrevi longamente sobre a crescente onda de falta de princípios liberais nos Estados Unidos. Nesta manhã, recebi um e-mail enviado pela equipe de administração do New York Times que ilustra exatamente o que eu estava falando. Para maior clareza, citarei tudo, começando com o prefácio:

---- Mensagem enviada ---
De: NYT Mail <*@ nytimes.com>
Data: sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021 às 16h31
Assunto: Uma nota de Dean e Joe
Para: Todos os funcionários da empresa <*@ nytimes.com>

Colegas,

Estamos escrevendo para informar que Donald McNeil Jr. deixará a empresa. Donald ingressou no NY Times em 1976 e fez excelentes reportagens ao longo de quatro décadas. Mas sentimos que este é o passo correto a ser dado.

Não toleramos linguagem racista, independentemente da intenção. Estamos empenhados em construir uma publicação e uma empresa que reflitam nossos valores fundamentais de integridade e respeito, e trabalharemos com urgência para criar diretrizes e fiscalizações mais claras sobre a conduta no local de trabalho, incluindo questões de ultrapassar limites sobre linguagem racista.

Cada pessoa na liderança do NY Times se dedica a construir uma cultura onde cada um de nossos colegas se sinta apoiado e respeitado. É vital que deixemos isso claro. Para aqueles de vocês que nos contataram com seus sentimentos honestos e às vezes dolorosos sobre este incidente, agradecemos.

Donald ofereceu uma declaração aos seus colegas, que segue abaixo.

Dean e Joe

Com base apenas nas informações incluídas até aqui, pode-se pensar que é plausível que McNeil tenha sido dispensado por um bom motivo. Não há nada de errado em organizações que tentam criar uma cultura de trabalho na qual seus funcionários se sintam “apoiados e respeitados”, e não é impossível imaginar circunstâncias em que a “linguagem racista” impediria esse objetivo. Ler a "declaração aos seus colegas" de McNeil, no entanto, é ser imediatamente desiludido dessa suspeita:

Para a equipe do NY Times:

Em uma viagem de 2019 do New York Times ao Peru para alunos do ensino médio, uma aluna me perguntou no jantar se eu achava que uma colega dela deveria ter sido suspenso por causa de um vídeo que ela fez quando tinha 12 anos e no qual usou uma injúria racial.

Para entender o que estava no vídeo, perguntei se ela havia dito uma injúria ou se ela estava fazendo um rap ou citando o título de um livro. Ao fazer a pergunta, usei a própria injúria.

Eu não deveria ter feito isso. Originalmente, achei que o contexto em que usei essa palavra horrível poderia ser defendido.

Agora percebo que não pode. Ela é profundamente ofensiva e dolorosa. O fato de eu até mesmo pensar que poderia defendê-la exibiu um julgamento extraordinariamente ruim. Por isso peço desculpas.

Aos alunos da viagem, também expresso minhas sinceras desculpas. Mas meu pedido de desculpas precisa ser mais amplo do que isso.

Meu lapso de julgamento feriu meus colegas da editoria de Ciência, as centenas de pessoas que confiaram em mim para trabalhar de perto com eles durante esta pandemia, a equipe do "The Daily" que esteve comigo durante este ano assustador, e toda a instituição, que colocou sua confiança em mim e esperava mais.

Portanto, por ofender meus colegas – e por tudo que fiz para prejudicar o NY Times, que é uma instituição que amo e cuja missão acredito e tento servir – sinto muito. Eu decepcionei todos vocês.

Donald G. McNeil Jr.

Andrew Sullivan sugere que isso soa como “uma confissão obtida pelo Khmer Vermelho”, o que é correto, mas atenua o caso. A fim de extrair suas "confissões", o Khmer Vermelho usou instrumentos grotescos de tortura e manteve a ameaça sempre presente dos campos de extermínio sobre aqueles que estava tentando controlar. O New York Times, em contraste, tem... o quê?

No Cambodja, o fato de as desculpas terem sido extraídas sob coação tornava compreensível a disposição do alvo em concordar e, por extensão, tornava menos provável que qualquer um que estivesse assistindo acreditasse que os torturados realmente quiseram dizer o que disseram. E em Manhattan…?

Em certa medida, não estou inclinado a culpar a vítima aqui. Em outro, porém, estou absolutamente chocado com o fracasso de McNeil em defender a verdade e a si mesmo. Em algum nível, pelo menos, ele deveria saber que está lidando com lunáticos caçadores de bruxas que, tendo entrado em um frenesi sem fim de autocomiseração, perderam a capacidade de raciocinar.

Em algum nível, ele deveria saber que há uma diferença profunda entre usar um epíteto racial no curso de uma discussão sobre o uso desse epíteto racial e usar um epíteto racial para diminuir ou ferir alguém. Em algum nível, ele deveria saber que não é apenas aceitável perguntar em que contexto uma palavra foi usada, mas que se alguém deseja compreender o que aconteceu durante um determinado incidente, é necessário. Ou, dito de outra forma: em algum nível, Donald G. McNeil Jr., de 67 anos, deveria saber que não fez absolutamente nada de errado.

E ainda assim ele não disse isso. Em vez disso, ele escreve: “Originalmente, pensei que o contexto em que usei essa palavra horrível pudesse ser defendido. Agora percebo que não pode.” Mas é claro que pode. Somos seres humanos, não robôs treinados para procurar indiferentemente palavras maliciosas. Afirmar “não toleramos linguagem racista independentemente da intenção” é, na prática, afirmar que “nós” somos autômatos sem julgamento.

Há uma enorme diferença entre a discussão de um professor de história sobre os abusos da era Jim Crow e a própria repetição desses abusos, assim como há uma enorme diferença entre o uso casual de termos depreciativos e o texto de Huckleberry Finn.

O que “Dean e Joe” estão dizendo ao mundo é que eles, e aqueles que os estão incentivando, são idiotas. O que McNeil está nos dizendo ao ceder a eles é que ele está preparado para ser liderado por idiotas. McNeil sugere que “O fato de eu até mesmo pensar que poderia defendê-la exibiu um julgamento extraordinariamente ruim”.

Mas o único “julgamento ruim” aqui é o dele – por se entregar a esse disparate. Amo muito meus colegas da National Review, mas posso dizer o seguinte: se, amanhã, eles começassem a insistir que 2 + 2 é 5, eu não daria atenção se uma votação tivesse sido feita e que, consequentemente, eu precisaria de uma reeducação. Eu diria a eles para irem para o inferno.

Infelizmente, em vez de fazer exatamente isso, McNeil optou por comprar as queixas pelo valor nominal e, ao fazer isso, tornou tudo pior – não apenas para si mesmo, mas para a próxima pessoa que for alvo dessa loucura. Claro, não lhe escapou o fato de estar sendo cancelado depois de usar uma palavra para pedir o cancelamento de alguém por ter usado a mesma palavra. E assim a espiral continua.

McNeil sugere que seu:

lapso de julgamento feriu meus colegas da editoria de Ciência, as centenas de pessoas que confiaram em mim para trabalhar de perto com eles durante esta pandemia, a equipe do "The Daily" que esteve comigo durante este ano assustador, e toda a instituição, que colocou sua confiança em mim e esperava mais.

Na realidade, é claro, a pergunta inocente de McNeil não "feriu" ninguém. Mas, mesmo que ferisse, e quanto ao resto de nós, que ainda temos nossos juízos sobre nós? O que dizer de seus leitores? Ele menciona o NY Times como “uma instituição que amo e em cuja missão acredito e procuro servir”. Bem, e quanto a essa missão? Agora é essa: sacrificar jornalistas sexagenários por tentar entender o mundo ao seu redor?

Eu vi algumas pessoas tentando explicar por que McNeil decidiu deixar cair tão envergonhadamente sua espada, ao invés de lutar. Entre as razões, a que fazer isso era uma condição de seu pacote de indenização; a que fazer isso era uma cena para encontrar um trabalho futuro em outro lugar; e a que, tendo trabalhado para o NY Times por tanto tempo, ele havia de fato sido institucionalizado ao ponto de considerá-lo o árbitro final da verdade.

É possível que alguma delas esteja correta, mas, se estiver, não diz nada de bom sobre o New York Times e seus semelhantes.

Se McNeil foi, de fato, intimidado para essa demonstração sob a ameaça de perder uma pensão ou um pacote de demissão, então qual é o sentido do famoso sindicato do NY Times? Se ele sentiu que a auto-degradação seria o preço da readmissão, então o jornalismo como o conhecemos está morto. E se ele considera o New York Times a palavra final sobre a verdade... bem, então ele não deveria estar escrevendo para a seção de ciências.

“Dean e Joe” afirmam que seu jornal exibe os “valores fundamentais de integridade e respeito”. Eu diria que, nos últimos dois anos, o jornal deles demonstrou que não tem qualquer valor que seja. Seu quadro de funcionários é febril e frágil, seu editor é medroso e impotente e sua lealdade, na medida em que existe, recai sobre as últimas modas e nada mais.

Certa vez, temíamos que os bárbaros chegassem aos portões. Mal sabíamos que nossas instituições proeminentes iriam recebê-los, adicioná-los aos seus canais internos de discussão e dar-lhes rédea solta para caçar os curiosos, os heréticos e os livres.

Charles C. W. Cooke é o editor da National Review Online.

© 2021 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.
24 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]