i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mediterrâneo Oriental

Rivalidade entre Grécia e Turquia novamente está perto do ponto de ebulição

  • PorVictor Davis Hanson*
  • National Review
  • 11/09/2020 17:16
turquia grécia
Bandeira da Grécia em uma varanda e ao fundo as bandeiras da Turquia e da auto-declarada República Turca da Chipre do Norte (TRNC), reconhecida apenas por Ancara| Foto: Iakovos Hatzistavrou/AFP

Quase diariamente aeronaves e navios gregos e turcos travam batalhas simuladas sobre os direitos de exploração de petróleo e gás no Mediterrâneo Oriental.

Desde a perda de grande parte dos Bálcãs cristãos para os otomanos no século XV, a Grécia e o que mais tarde se tornaria a Turquia moderna têm sido rivais, inimigos diretos e, muitas vezes, estiveram em guerra.

A adesão mútua à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e os medos compartilhados da Guerra Fria da Rússia Soviética não impediram os dois de quase irem à guerra após a invasão turca do Chipre em 1974.

Ainda assim, a escalada atual parece estranha. A maioria das reivindicações territoriais e disputas por fronteiras foram resolvidas há quase um século, e os dois países tiveram intercâmbios populacionais em massa.

Por que, então, a divisão ainda é tão profunda?

A Turquia é um país muçulmano e já foi o Império Otomano que governou grande parte do mundo islâmico. A Grécia ainda está cercada por países muçulmanos.

Os turcos são rápidos em lembrar a todos que, do final do século XV ao início do século XIX, a maior parte da Grécia e das ilhas do Egeu pertenciam ao Império Otomano.

Os gregos observam que Istambul, anteriormente Constantinopla, foi a capital da cristandade por 1.000 anos e o centro do vasto Império Bizantino, onde o grego era amplamente falado.

Nos tempos modernos, após a amargura com a crise de Chipre de 1974 e anos de governos socialistas, a Grécia era veementemente anti-americana, apesar das tradições ocidentais compartilhadas.

Em contraste, a Turquia já se orgulhava de seus costumes seculares institucionalizados por seu primeiro presidente moderno e pró-Ocidente, Mustafa Kemal Atatürk. Seus sucessores até recentemente eram autocratas pró-americanos.

Agora, as relações geoestratégicas mudaram. Ambas as nações permanecem membros da Otan, mas é a Grécia – e não a Turquia – que tornou-se membro da União Europeia. O norte do Chipre, comandado pelos turcos, é amplamente considerado um território rebelde, enquanto o democrático Chipre grego é membro da UE.

Além disso, a Turquia sob o presidente Recep Tayyip Erdoğan tem se tornado um Estado cada vez mais islâmico, muitas vezes hostil aos EUA. O país gosta de alavancar sua adesão à Otan para fazer avançar suas novas agendas no Oriente Médio.

É a Turquia, e não a Grécia, que tem agido de forma provocativa no cenário mundial. Recentemente, remodelou a icônica catedral de Hagia Sophia, construída pelo imperador bizantino Justiniano no século VI e que já foi considerada uma das igrejas mais icônicas do mundo cristão, de museu a mesquita.

A Turquia está frequentemente envolvida com a Rússia de Vladimir Putin e com a teocracia iraniana em intrigas do Oriente Médio. Opõe-se aos esforços franceses para acalmar a Líbia.

A Turquia comprometeu os sistemas de armas da Otan graças às suas novas relações de armas com a Rússia.

A Turquia tem mais probabilidade do que a Grécia de ameaçar usar a força para fazer avançar suas reivindicações sobre o petróleo e o gás. E sugere que dezenas de ilhas gregas na costa turca - gregas desde a pré-antiguidade - podem, em breve, ser visadas. A maioria dos diplomatas neutros e acadêmicos jurídicos dizem que a Grécia tem a reivindicação legal mais sólida sobre as disputadas águas ricas em petróleo.

Hoje, a antiga rivalidade pode parecer desproporcional.

A Grécia é um pequeno país com menos de 11 milhões de habitantes. A Turquia é um país com cerca de 82 milhões de habitantes e tem muito mais caças do que a Grécia, além de um exército muito maior.

No entanto, segundo muitos relatos, os pilotos gregos estão entre os melhores do mundo. A marinha menor da Grécia é muito mais eficaz do que a da Turquia.

E embora o presidente dos EUA, Donald Trump, tenha estado em contato com Erdoğan, seu governo também está entre os mais pró-gregos em anos, firmando uma série de pactos militares e de armas. Apesar de toda a conversa sobre a retirada de tropas americana, a Sexta Frota continua a ser a mais poderosa do Mediterrâneo.

As políticas anteriores do governo Obama – inclinar-se para a Turquia, "convidar" Putin para a guerra da Síria, favorecer o Irã no Oriente Médio – apenas turvaram as águas do Mediterrâneo.

A maioria dos americanos simpatiza com a oprimida Grécia. Muitos têm laços culturais e étnicos estreitos com Grécia, Israel e Armênia, países não muçulmanos cercados por nações islâmicas. Todas as três nações, em um momento ou outro, foram intimidadas pela Turquia.

A maioria dos membros da Otan, especialmente a França, também favorece a Grécia. Tradicionalmente, a Alemanha pró-turca tentou ponderar - mas sem sucesso. O governo da chanceler alemã Angela Merkel agora é mais hostil ao governo Trump do que à Rússia de Putin, seu novo parceiro em um grande negócio de gás natural. Merkel provocou uma enxurrada de milhões de migrantes africanos e asiáticos na Turquia e na Grécia, prometendo-lhes refúgio e anistia no norte da Europa. Os enormes campos de refugiados aumentaram as tensões ao longo da fronteira entre a Grécia e a Turquia.

O paranoico governo turco está agora destroçado por fissuras após um golpe fracassado em 2016. A Grécia é uma democracia europeia estável.

Some todas as rivalidades distorcidas, histórias e alianças e lealdades sobrepostas, e a disputa pode parecer irracional, se não boba. Provavelmente só terminaria em um impasse, uma catástrofe econômica, a quase destruição do flanco sul da Otan e a eventual intercessão dos EUA para alertar a Turquia a cessar a agressão.

Mas a razão raramente impediu a eclosão da guerra - matéria de paixões antigas, história amarga e frenesi étnico e religioso.

*Victor Davis Hanson é historiador na Hoover Institution, da Universidade de Stanford, e autor de "The Second World Wars: How the First Global Conflict Was Fought and Won"(As segundas guerras mundiais: como o primeiro conflito global foi travado e vencido).

© 2020 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Carmo Augusto Vicentini

    ± 1 dias

    Historicamente Constantinopla é romana e toda a região era habitada por gregos. A transformação de Hagia Sofia é um recado claro ao Ocidente. Só não vê quem não quer. Quando o ocidente resolver agir será tarde demais, seremos espólio de muçulmanos e comunistas.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso