i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica

Romney tenta rearrumar campanha após vídeo constrangedor

Divulgação de vídeo com críticas aos eleitores de Obama gera dúvidas sobre capacidade do republicano de reverter a vantagem do democrata nas pesquisas

  • PorReuters
  • 18/09/2012 17:18

O republicano Mitt Romney tenta na terça-feira (18) rearrumar sua campanha eleitoral, depois da divulgação de um vídeo gravado secretamente no qual ele descreve os partidários do presidente dos EUA, Barack Obama, como vítimas excessivamente dependentes do governo. A gravação foi feita em maio, na Flórida, durante um evento de arrecadação a portas fechadas. Ela se soma a uma série de outras gafes do candidato presidencial nos últimos meses, e gera dúvidas sobre sua capacidade de reverter a vantagem do democrata Obama nas pesquisas.

A primeira parte do vídeo foi divulgada na segunda-feira pela revista de esquerda Mother Jones. Nele, Romney diz aos doadores que 47% dos norte-americanos vão votar em Obama de qualquer jeito. "Meu trabalho não é me preocupar com essa gente", afirma ele. Segundo Romney, esse eleitorado obamista cativo é formado por pessoas que não pagam imposto de renda e que "são dependentes do governo, acreditam que são vítimas, acreditam que o governo tem a responsabilidade de cuidar delas".

O trecho foi gravado na luxuosa residência do executivo financeiro Marc Leder em Boca Raton, na Flórida. A câmera parece estar escondida atrás de uma mesinha com tampo de mármore, e mostra Romney se dirigindo a pelo menos meia dúzia de pessoas que são vistas sentadas, comendo. Garçons, alguns de luvas brancas, servem os convidados.

Romney também disse aos doadores que os palestinos não estão interessados num acordo de paz com Israel, e que seria impossível chegar à criação de um Estado palestino independente. "Vejo os palestinos não querendo ver a paz de maneira alguma, para fins políticos, comprometidos com a destruição e eliminação de Israel, e essas questões espinhosas, e eu digo que não tem jeito", afirma ele na gravação.

O vídeo motivou novas críticas de alguns republicanos que já estavam frustrados com a incapacidade de Romney de aproveitar a má situação econômica dos EUA para disparar nas pesquisas. William Kristol, editor da publicação conservadora Weekly Standard, disse que os comentários do candidato foram "estúpidos e arrogantes". David Brooks, colunista conservador do jornal The New York Times, disse que Romney parece não entender a cultura norte-americana.

"É isso que milionários satisfeitos consigo mesmos dizem uns aos outros. Isso reforça cada opinião negativa que as pessoas têm de Romney", escreveu ele. "Ele está realizando uma campanha presidencial deprimentemente inapta."

Nas últimas duas semanas, Romney já havia ficado para trás de Obama nas pesquisas, foi criticado pelo afobado ataque ao presidente em meio aos ataques contra instalações diplomáticas dos EUA no Egito e na Líbia, e enfrentou notícias negativas sobre disputas internas na sua campanha. O novo vídeo também reforça a tese dos democratas de que Romney, ex-executivo do setor financeiro, é um milionário alheio aos dramas dos norte-americanos comuns.

Em entrevista coletiva na noite de segunda-feira, Romney não recuou dos comentários, embora tenha admitido que eles não foram "declarados de forma elegante". Na terça-feira, em entrevista à Fox News, ele manteve o mesmo tom, dizendo que Obama acredita na redistribuição de renda, ao passo que ele vê qualquer aumento no papel do governo como "o caminho errado para a América".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.