i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Caminho oposto

Rússia diz que não quer nova cortina de ferro

Mandatário russo acusa Otan de provocar o conflito na Geórgia, em agosto, e de incapacidade de garantir a segurança na Europa

  • PorReuters
  • 19/09/2008 16:19
"Este não é nosso caminho. Para nós não faz sentido voltar ao passado. Fizemos nossa escolha", disse Medvedev se referindo a um empurrão da Rússia para trás de uma nova cortina de ferro | RIA Novosti  / Reuters
"Este não é nosso caminho. Para nós não faz sentido voltar ao passado. Fizemos nossa escolha", disse Medvedev se referindo a um empurrão da Rússia para trás de uma nova cortina de ferro| Foto: RIA Novosti / Reuters

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, disse nesta sexta-feira (19) que não quer disputas com o Ocidente, o que empurraria a Rússia para trás de uma nova "cortina de ferro", e culpou a Otan por provocar o conflito na Geórgia, no mês passado.

"Estamos, de fato, sendo empurrados por um caminho que não é fundado na parceria completa e civilizada com os outros países, mas em desenvolvimento autônomo, atrás de muros grossos, atrás de uma cortina de ferro", disse Medvedev em um discurso numa reunião de grupos civis.

"Este não é nosso caminho. Para nós, não faz sentido voltar ao passado. Fizemos nossa escolha", disse.

Ele também disse que o papel da Otan na Geórgia mostrou sua incapacidade de garantir a segurança na Europa, o que demonstra a necessidade de outro mecanismo de segurança.

Medvedev falou um dia depois de a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, fazer um severo ataque à Rússia, dizendo que o país tinha feito "uma virada sombria" e exigindo ao Ocidente que se defenda da intimidação dos russos.

Respodendo aos comentários de Medvedev, o porta-voz da Otan, James Appathurai, disse à Reuters: "Não há nada provocativo na parceria e também não há nada provocativo em promover reformas democráticas e econômicas, além de apoiar um país em suas intenções de se aproximar da comunidade Euro-Atlântica".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.