i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Conflito

Somália oferece anistia a rebeldes; força de paz pede reforço

  • PorReuters
  • 09/08/2011 11:02

A Somália ofereceu nesta terça-feira anistia aos militantes que ainda combatem na capital, Mogadíscio, três dias depois de o presidente do país, xeque Sharif Ahmed, ter declarado vitória sobre o grupo insurgente al Shabaab, que retirou da cidade a maioria de seus combatentes.

Foi a primeira vez que o governo interino -- que vem tendo dificuldades para suprimir a rebelião islamista, iniciada há quatro anos -- propôs imunidade a todos os militantes da al Shabaab.

"O Governo Federal de Transição da Somália ofereceu uma anistia geral para os insurgentes que ainda permanecem em Mogadíscio caso se entreguem e renunciem à violência", disse um comunicado das autoridades.

Alguns especialistas dizem que a retirada da al Shabaab apenas estendeu o controle do governo para alguns distritos da capital que estavam nas mãos dos rebeldes, mas de pouco adiantará para promover uma paz factível no restante desse país em estado de anarquia. Além disso, pode ser o prenúncio de uma nova onda de ataques inspirados na rede al Qaeda.

A força de paz da União Africana, integrada por 9 mil soldados e conhecida como Amisom (sigla em inglês), pediu um reforço de mais 3 mil militares para ajudar na segurança das áreas das quais o grupo al Shabaab se retirou.

A ONU autorizou a presença de uma força-tarefa de até 12 mil soldados.

TROCA DE TIROS

Há o receio de que os chefes dos vários grupos em luta preencham o vazio de poder deixado com a saída da al Shabaab. A anistia oferecida pelo governo não parece incluir os combatentes de fora da capital.

A al Shabaab, grupo afiliado à rede al Qaeda, controla boa parte do sul da Somália, onde 2,8 milhões de pessoas enfrentam a fome por causa da seca e do conflito.

O grupo qualificou como "tática" sua retirada de Mogadíscio e afirmou que sua violenta campanha para derrubar o governo, apoiado pelo Ocidente, vai continuar.

Houve combates durante toda a noite em pelo menos dois bairros no norte de Mogadíscio.

O presidente somali chegou nesta terça-feira à Tanzânia, onde iria manter conversações com o presidente Jakaya Kikwete. Não foram divulgados detalhes sobre o teor do encontro.

Ahmed esteve antes em Uganda e Djibuti para estimular a distribuição de ajuda alimentar dentro da Somália e assim conter o êxodo de refugiados para o Quênia e a Etiópia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.