Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
The Great Reset: se ao menos fosse só uma conspiração
| Foto:

Escrevendo para The Spectator US, Ben Sixsmith se depara com o “Great Reset”, a Grande Reinicialização proposta pelo Fórum Econômico Mundial (“Davos”).

E sim, apesar desse nome que soa como se tivesse sido tirada de alguns dos pântanos mais quentes e úmidos do conspiracionismo, a Grande Reinicialização realmente existe:

“O Fórum Econômico Mundial, que organiza a conferência anual de Davos, lançou uma iniciativa chamada, sim, ‘a Grande Reinicialização’. E tem seu próprio site.”

De fato, tem.

Mas, após notar o envolvimento de “parceiros” como Apple, Microsoft, Facebook, IBM, IKEA, Lockheed Martin, Ericsson e Deloitte e Sixsmith, dúvidas apareceram sobre como o Great Reset possa ser visto -- como alguns gostam de sugerir (mesmo permitindo um pouco de exagero) -- como um "marxismo de esquerda socialista" ou um "plano de tomada de poder comunista global".

Muito justo, até porque a Grande Reinicialização é, em essência, corporativista, não comunista. A participação de empresas do tipo que Sixsmith menciona é, na realidade, a participação de alguns membros de sua alta administração, usando os fundos dos acionistas para fins que nada têm a ver com os resultados financeiros e tudo a ver com o exercício do poder dentro de um sistema semelhante a um concerto, com o Estado – senão necessariamente o governo – atuando como maestro.

No decorrer de um artigo sobre a Grande Reinicialização que escrevi no mês passado, descrevi o corporativismo como:

[Uma] ideologia com cabeça de hidra com origens pré-modernas e um passado muito misto – às vezes benignamente (influenciou a formação da economia social de mercado da Alemanha Ocidental) e às vezes não (era um elemento importante na teoria fascista do pré-guerra). As diferentes formas que o corporativismo assumiu tornam difícil defini-lo com precisão, mas eles compartilham um núcleo comum: a convicção de que a sociedade deve ser organizada por e para seus principais grupos de interesse – vamos chamá-los de "stakeholders" – intermediados e, em última instância, subordinados ao Estado. O indivíduo nem aparece.

Recentemente, uma expressão de corporativismo, o “capitalismo dos grupos de interesse” [stakeholder capitalism], ganhou forte apoio em ambos os lados do Atlântico. Isso poderia ser esperado na Europa, mas foi assumido pela Business Roundtable e muitas empresas líderes nos EUA – supostamente um bastião do livre mercado e da democracia –, é deprimente.

Visto de forma otimista, o Business Roundtable e seus líderes de torcida são idiotas úteis. Vistos de forma realista, eles são parte de uma classe gerencial que busca o poder que vem do dinheiro de outras pessoas.

Confira: Great Reset é o plano mundial para impor o "capitalismo verde"

O capitalismo dos grupos de interesse se baseia na noção de que a administração de uma empresa tem um dever para com alguém mais do que seus acionistas [shareholders]. É algo que Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), vem defendendo há muito tempo. Uma característica fundamental da Grande Reinicialização é a ideia de que o capitalismo dos grupos de interesse deve, de uma forma ou de outra, ser adotado.

Isso reduziria os acionistas de uma empresa a apenas mais uma categoria de "parte interessada", transferindo efetivamente o poder que o capital deveria conferir de seus proprietários para as mãos daqueles que o administram. Eles também são responsáveis perante, bem, não está muito claro quem. Não é difícil entender por que tantos chefes corporativos estão entusiasmados com o capitalismo dos grupos de interesse.

Mas o capitalismo dos grupos de interesse é uma traição à democracia e também aos acionistas. O poder que ele dá aos gestores é cada vez mais usado para apoiar uma agenda influenciada por uma trama de ativistas, ONGs, representantes da "comunidade internacional" e políticos arrogantes demais para passar pelo processo legislativo usual.

Sixsmith tem, em minha opinião, uma visão muito frouxa do que é o capitalismo dos grupos de interesse. Para ele, é “um conceito tão vago que Facebook, IBM, Lockheed Martin etc. são livres para interpretá-lo como quiserem”.

Ele cita o que Steve Dunning escreveu para a Forbes, aprovando-o: “As empresas podem continuar distribuindo dinheiro de forma privada para seus acionistas e executivos, ao mesmo tempo em que mantém uma fachada pública de sensibilidade social requintada e altruísmo exemplar.”

Mas enquanto a remoção de um possível obstáculo para despejar dinheiro para os executivos (os acionistas são uma questão diferente) é uma parte do apelo do capitalismo dos grupos de interesse apelar para as administrações (os bônus são mais fáceis de justificar quando as metas são para aumentar, digamos, a diversidade ao invés do preço das ações). Isso é apenas uma parte de sua atração.

Muito do apelo do capitalismo dos grupos de interesse está em outro lugar, seja a partir da aprovação social que ele pode gerar para um gerente que usa seu papel de uma forma tão positiva; ou em sua capacidade de entregar poder aos executivos, que eles podem exercer, conforme observado acima, prestando relativamente poucas contas, agora que sua responsabilidade para com os acionistas foi tão diluída.

Não discordo do argumento usado por Jamie Dimon, CEO do JPMorgan Chase – um empresário extremamente capaz, mas também um corporativista dos corporativistas – que há necessidade de um estímulo, e cedo antes que tarde, mas havia algo desconcertante sobre a linguagem que ele usou em uma discussão recente sobre este tópico:

Os políticos americanos estão se comportando como crianças ao não aprovar um novo projeto de lei de estímulos que poderia ajudar os americanos cuja renda foi dizimada pela pandemia de coronavírus, disse o presidente-executivo do JPMorgan Chase & Co, Jamie Dimon, na quarta-feira em uma conferência do New York Times.

“Este é um comportamento infantil da parte de nossos políticos”, disse Dimon sobre um impasse entre democratas e republicanos sobre quanto gastos adicionais deveriam ser autorizados.

As duas partes deveriam dividir a diferença entre as quantias que desejam dedicar ao alívio do coronavírus, disse ele.

Dimon tem o direito de dar sua opinião, mas seu tom não era o de um constituinte ou mesmo de um empresário lutando por seus acionistas, mas de um oligarca.

O poder é intoxicante.

Escrevendo para a Time em uma edição “produzida em parceria com o Fórum Econômico Mundial”, Dimon argumentou o seguinte:

O capitalismo deve ser modificado para fazer um trabalho melhor de criação de uma sociedade mais saudável, que seja mais inclusiva e crie mais oportunidades para mais pessoas. Isso significa mudanças significativas, como reconstruir nosso sistema educacional e fornecer treinamento em habilidades, políticas de cuidados de saúde acessíveis, investimento substancial em infraestrutura, e uma reforma sensata da imigração e políticas climáticas. Isso é só o começo.

Estou otimista de que isso é possível ao entrarmos em uma nova década. Em agosto, mais de 180 CEOs das principais empresas dos EUA assinaram a nova declaração de objetivo corporativo da Business Roundtable, comprometendo-se a criar oportunidades econômicas para todos os seus grupos de interesse: clientes, funcionários, fornecedores, comunidades e acionistas. É um apelo à ação para fazer mais por todos que trabalham para nós e pela sociedade em geral.

Muitas empresas estão repensando seu papel na sociedade…

Bem, os gerentes de muitas empresas podem estar repensando o papel que “seus” negócios devem desempenhar, mas se os acionistas, que possuem esses negócios, estão fazendo a mesma coisa, pode ser uma questão diferente.

O que, por exemplo, os acionistas do JPMorgan Chase, que em grande parte involuntariamente deram a Dimon uma plataforma para minar seus direitos, pensam de seus pronunciamentos? E para alguém que, naquela ocasião, pelo menos gostava de atacar políticos (eleitos), Dimon parecia claramente político, e de uma forma que sugere que espera que as pessoas prestassem atenção. No entanto, ele não foi eleito para nenhum cargo político e, pelo que eu sei, não tem planos de sê-lo.

Com a mudança para um regime corporativo bem encaminhada, é fácil entender por que ele preferia não se candidatar. Em muitos aspectos, não seria apenas um rebaixamento, mas também indigno.

É um negócio confuso, lutar por votos. Os políticos que Dimon descreve como “infantis” não são nada disso.

Ele pode não gostar de como eles estão se comportando, mas eles estão fazendo o que fazem por causa de sua análise de como vários constituintes irão reagir às decisões que tomam, uma análise que Dimon (não eleito) tem o luxo de não ter de fazer.

A conclusão que eles tiraram pode levar os políticos a tomarem uma posição com a qual Dimon (não sem razoabilidade, neste caso) discorda, mas o desdém com que ele parece tratá-los pode facilmente deslizar para a impaciência de um tecnocrata com a ineficiência da democracia, uma impaciência sentida por alguns daqueles que têm, ao longo da história, sucumbido à tentação corporativista.

Um livro assustador

Sixsmith leu o livro aborrecido e assustador COVID-19: The Great Reset. Schwab é coautor junto com Thierry Malleret, economista e membro da equipe WEF. Sixsmith observa, corretamente em vários níveis, que “este não é o Manifesto Comunista. O Manifesto Comunista foi uma leitura estimulante.” Na verdade, posso confirmar que The Great Reset não é isso.

Sixsmith explica que The Great Reset "considera um mundo após a pandemia", um conceito que ele considera "audacioso, visto que foi escrito menos de seis meses após o vírus ter aparecido". Isso é quando se é facilmente impressionável. Schwab vende suas prescrições para stakeholders há meio século. A pandemia é apenas a última crise em que ele as colocou.

Algumas partes do livro realmente consistem em previsões, mas na maioria das vezes, essas previsões são apenas uma versão atualizada e ainda mais ambiciosa da lista de desejos perenes de Schwab.

“Se você ler The Great Reset em antecipação a algum tipo de manifesto barroco pela tirania mundial”, avisa Sixsmith, você ficará desapontado. “Não existem esquemas elaborados para golpes de Estado e/ou um totalitarismo tecnológico que abranjam todo o mundo.” O primeiro é verdade, o último um pouco menos. Vislumbres de distopia ocasionalmente – ou não tão ocasionalmente – rompem a prosa cinzenta:

No mundo pós-Covid 19, informações precisas sobre nossas pegadas de carbono, nosso impacto sobre a biodiversidade, sobre a toxicidade de todos os ingredientes que consumimos e os ambientes ou contextos espaciais em que evoluímos gerará um progresso significativo em termos de nossa consciência de bem-estar coletivo e individual. As indústrias terão de levar isso em conta.

Por mais que esteja oculto em uma linguagem que parece ter escapada de uma apresentação do PowerPoint para um retiro corporativo lúgubre, The Great Reset é um livro com entrelinhas inegavelmente autoritárias. “As indústrias terão de levar isso em conta.”

O livro tem momentos de humor acidental, como quando "líderes" (sem surpresa, um dos termo favoritos em Schwabês) vão de Andrew Cuomo a, hum, "o Príncipe de Gales" (uma dupla que poucos deveriam imitar) são elogiados por seus apelos para “reconstruir melhor” [Build Back Better] após a pandemia.

Para ser justo, os louvores para o príncipe Charles não foram uma grande surpresa. Embora a carreira de Schwab pareça ter sido baseada, em grande parte, em uma mistura empreendedora de autoengrandecimento e uma entretida e pouco convincente humildade, uma constante tem sido seu apego obsequioso à realeza: uma marca de seu gosto pela hierarquia (“líderes”) também, suspeito eu, como um sinal de seu esnobismo.

O herdeiro do trono britânico, um príncipe petulante cuja inteligência é confortavelmente superada por sua arrogância, também aparece no relato publicado pelo WEF sobre seus primeiros cinquenta anos, o modestamente intitulado The World Economic Forum: Partner in Shaping History, embora em uma instância surpreendentemente atípica de lesa-majestade os autores deste livrinho severo conseguem confundi-lo com o possivelmente ainda mais petulante Príncipe William na legenda de uma foto. Também destacam-se Sua Alteza Real o Rei Abdullah II da Jordânia, Sua Alteza Real a Rainha Rania Al Abdullah da Jordânia (membro do Conselho de Curadores do WEF, nada menos) e Sua Alteza Real o Príncipe Turki Al Faisal Al Saud.

Meio cego pelo brilho de todo esse esplendor monárquico, voltei a The Great Reset para aprender que "a profunda perturbação causada pela Covid-19... ofereceu às sociedades uma pausa forçada para refletir sobre o que é verdadeiramente de valor."

A reflexão, ao que parece, não precisa durar muito. A próxima frase diz:

Com as respostas de emergência econômica à pandemia agora implementadas, a oportunidade pode ser aproveitada para fazer o tipo de mudanças institucionais e escolhas de políticas que levarão as economias a um futuro mais justo e verde.

Para seu crédito, os senhores Schwab e Malleret não hesitam em usar variações daquela frase infame sobre nunca deixar uma crise ir para o lixo. Ele aparece pelo menos quatro vezes.

Naturalmente, a Covid-19 é "provavelmente algo como a sentença de morte do neoliberalismo". O fato de Schwab e Malleret usarem essa palavra basicamente sem sentido revela tanto a desatualização de suas ideias quanto a natureza do marketing enganoso que estão se preparando para aplicar (a venda implicaria o consentimento do comprador) em um público sendo informado de que terá que se contentar com muito menos. O PIB é imperdoavelmente bruto, como se vê.

Aqui e ali, espalhados em meio a platitudes, há indicações mais claras de como será esse futuro mais justo e mais verde. Com a ajuda de “definição de direção do setor público” e “melhor alinhamento entre políticas públicas e planejamento corporativo”, devemos esperar um futuro de controles e restrições, onde “o cuidado planetário será tão importante quanto o cuidado pessoal”. Para citar alguns exemplos, haverá limites para o consumo material, ênfase na "alimentação responsável", "férias mais perto de casa" e "desconsideração de tudo o que realmente não precisamos". É uma imagem de uma sociedade sufocante e sem alegria onde o empreendimento é controlado, a conversa é toda de “solidariedade” e - isso soará familiar - o indivíduo não é levado muito em conta.

Capitalismo de grupos de interesse

Então o corporativismo, que muitas vezes é estruturado para parecer cooperação, mas é muito frequentemente sustentado pela coerção, é assim: “Em vários graus, os executivos de negócios em todas as indústrias e todos os países terão de se adaptar a uma maior intervenção governamental.”

E dissidentes simplesmente não existem:

Ninguém negaria agora que o objetivo fundamental das empresas não pode mais ser simplesmente a busca desenfreada de lucro financeiro; agora cabe apenas a eles servir a todos os seus grupos de interesse, não apenas àqueles que possuem ações.

Ninguém.

Deixando de lado o fato de que, poucos, se é que algum, tinha argumentado a favor (muito menos adotado) a busca "desenfreada" de lucro (não é isso que a primazia do acionista significa ou implica), a ideia de que não há oposição ao capitalismo dos grupos de interesse se destaca, mesmo em um livro que mostra traços evidentes do delirante, em sua absurdidade.

Sim, sim, o capitalismo dos grupos de interesse está em marcha e Dimon está na equipe, mas nem todos se inscreveram para o ataque à propriedade e aos direitos democráticos que esta doutrina representa.

Da mesma forma, afirmar que a “pandemia não deixa dúvidas nas diretorias de que a ausência de considerações ESG [sigla inglesa para environmental, social and corporate governance, os critérios ambientais, sociais e de governança vagamente definidos que se tornaram o parâmetro de investimento “socialmente responsável” e, por extensão, do capitalismo dos grupos de interesse] tem o potencial de destruir valor substancial e até mesmo ameaçar a viabilidade de um negócio ” é um absurdo.

Alguns conselhos podem se sentir assim, outros não. Se a pandemia mudou suas cabeças, é apenas uma evidência de sua falta de aptidão para o trabalho. Há também o argumento de que o 'G' em ESG está em desacordo com o 'E' e o 'S', na medida em que substitui o objetivo de uma linha clara e mensurável de responsabilidade para com os acionistas por um dever nebuloso para com grupos de interesse vagamente definidos. Além disso, há algumas evidências (uma pesquisa de 2016 que antecede nossa era atual de capitalismo de “stakeholders”) de que é o G que contribui para o desempenho, enquanto o E e o S o prejudicam.

Quem diria.

Schwab e Malleret citam alguns dados iniciais mostrando que o "setor de sustentabilidade" superou o mercado no primeiro trimestre de 2020, mas admitem que alguns analistas argumentaram que isso pode simplesmente ter refletido a redução da exposição aos combustíveis fósseis (o preço do petróleo sofreu um golpe nas primeiras semanas da pandemia).

Outros sustentaram que a razão para o desempenho superior foi a rotação dos investidores em ações de tecnologia -- estoques normalmente com um impacto ambiental bastante leve, conforme medido convencionalmente -- por razões “defensivas”.

O capitalismo dos grupos de interesse pode fazer ‘G’ desprovido de sentido, mas, em um artigo em maio, John Authers da Bloomberg (um escritor que geralmente apóia o investimento ESG) referiu-se a algumas pesquisas que demonstram, com efeito, que algumas das empresas procuradas por investidores "socialmente responsáveis" continham contradições entre o ‘E’ e o ‘S’:

É possível que o ESG esteja se prejudicando - ou pelo menos que o E e o S estejam em conflito um com o outro. Vincent Deluard, da INTL FCStone Inc., sugere que os fundos ESG são hostis às pessoas. As empresas de tecnologia e farmacêutica tendem a parecer boas pelos critérios ESG, mas tendem a ser virtuais, além de virtuosas. Esse é o tipo de empresa que precisa de relativamente poucos trabalhadores e que gera grandes margens de lucro.

Quando Deluard observou como as carteiras dos grandes ETFs [fundo de investimento negociado na Bolsa de Valores como se fosse uma ação] variavam desde o índice Russell 3000, os resultados foram espetaculares. Eles estão cheios de empresas muito lucrativas com muito poucos funcionários… Uma análise mais aprofundada da capitalização de mercado das empresas por funcionário mostrou que investir nos atuais queridinhos do mercado de ações, que estão enriquecendo seus acionistas, é uma forma muito ineficiente de investir na geração de empregos. Eles incluem nomes importantes como Netflix Inc., Nvidia Corp., MasterCard Inc. e Facebook Inc…

O problema, sugere Deluard, é que o investimento ESG, intencionalmente ou não, recompensa exatamente o comportamento corporativo que está gerando alarme. Empresas com poucos edifícios, poucos funcionários formais e uma pegada de carbono leve tendem a aparecer bem nas telas do ESG.

Mas a alocação de capital para elas leva a um aprofundamento da desigualdade e à intensificação do problema de subemprego. À primeira vista, não são elas as empresas que deveriam receber capital se o objetivo é que o emprego se recupere rapidamente. Se os investidores quiserem se comportar com os interesses dos "grupos de interesse" em vez dos "acionistas" em mente, e isso certamente é central para a filosofia ESG, então sua abordagem atual é diretamente contraproducente…

Quem diria.

Schwab e Malleret podem se ver como uma espécie de profetas, mas talvez não devam ser culpados (muito) por não terem previsto as estranhas descobertas em um artigo produzido para a Stern School of Business da New York University, que foi postado pela primeira vez após a data de publicação do livro.

O próprio resumo levanta algumas questões difíceis (minha ênfase adicionada):

As pontuações ambientais, sociais e de governança (“ESG”) foram amplamente elogiadas como indicadores da resiliência do preço das ações durante a crise humanitária da Covid-19. Realizamos análises extensas para investigar esta reclamação e apresentar evidências robustas de que uma vez que a afiliação à indústria da empresa e às medidas de risco baseadas na contabilidade e no mercado foram devidamente controladas, as pontuações ESG não oferecem tal poder explicativo positivo para os retornos durante a Covid-19. Especificamente, ESG é insignificante em regressões de retornos totalmente especificadas para o primeiro trimestre de 2020, período de crise da Covid, e está negativamente associado a retornos durante o período de "recuperação" do mercado no segundo trimestre de 2020.

Afiliação à indústria, medidas de risco baseadas no mercado e variáveis ​​baseadas na contabilidade que capturam a flexibilidade financeira da empresa (liquidez e alavancagem) e seus investimentos em ativos intangíveis desenvolvidos internamente em conjunto dominam o poder explicativo dos modelos de retorno Covid… Concluímos que as comemorações do ESG como um importante fator de resiliência em tempos de crise são, na melhor das hipóteses, prematuras.

Quem diria.

A medição do desempenho relativo do mercado de ações não é uma ciência exata. Pesquisas diferentes podem sugerir conclusões diferentes. No entanto, se há empresas nas quais, como afirmam Schwab e Malleret, os diretores decidiram que “não há dúvida” sobre a importância do ESG, seus acionistas deveriam consultar seus advogados e também seus corretores de ações.

Conspirações

Como seria de se esperar, o Great Reset, como Sixsmith relata, trouxe conspiradores para fora da toca: “A frase se espalhou pelas orlas da direita do Twitter como um vírus em um bar de karaokê”.

Esta é a própria frase, presunçosa e ameaçadora. Há a notoriedade de Davos e o próprio Schwab, na opinião de Sixsmith, "um sósia de Ernst Stavro Blofeld" embora para mim ele tenha mais semelhanças com um prelado untuoso, condescendente e intrigante.

Escrevendo para a CapX, Oliver Kamm não se impressiona com toda a conversa sobre conspiração, culpando uma "reunião frouxa de ativistas antivacinas e teóricos da conspiração, dada por uma plataforma de propaganda estatal russa". Até certo ponto, talvez, mas dado o conteúdo do Great Reset, sua fonte e como está sendo vendido, é uma surpresa que as teorias da conspiração que o cercam não tenham encontrado um público ainda maior entre os malucos do que elas têm.

Sixsmith em The Spectator avisa, com razão, que:

Devemos sempre ter cuidado antes de descartar as teorias como malucas. É importante que algumas das pessoas mais ricas e poderosas do mundo estejam tão interessadas em "redefinir" a forma como vivemos. Você pode pensar o que quiser sobre suas idéias e atividades. Seria tolice negar seu significado.

De fato. Ele não acredita que haja qualquer tipo de conspiração e nem eu. O Great Reset está sendo orquestrada à vista de todos, e não por um grupo sombrio de conspiradores. Mas aceitar isso não é negar que isso pode ter consequências. Como escrevi em meu artigo anterior:

Portanto, o Fórum Econômico Global é importante e sua Grande Reinicialização também. Se o recital do que o fórum já alcançou ou possibilitou não é prova suficiente disso, a lista de políticos, empresários e outros proeminentes que participam de suas conferências, inscrevem-se em suas parcerias e subscrevem suas iniciativas deve, com certeza, dar conta do recado. Mas o WEF não está no centro de uma vasta conspiração. Dr. Schwab é o Dr. Perturbadoramente Influente, não o Dr. Maligno.

O que é impressionante sobre a Grande Restauração não é a escala de sua visão, mas com que frequência e há quanto tempo já ouvimos, de uma forma ou de outra, variantes de seus temas principais -- a necessidade de uma ação drástica sobre as mudanças climáticas, o "capitalismo dos grupos de interesse", a desfinanceirização, afastando-se do modelo "anglo-saxão", pensando no "planeta" antes de viajar, fazer compras ou mesmo comer -- temas que, em muitos casos, emergiram das periferias para ocupar o centro das atenções, e não apenas perante a multidão de Davos.

Para Sixsmith, “o consenso da elite sobre 'o caminho a seguir' é perturbador”. E assim é. Ele observa:

[Um] crítico chamou Davos de "ambiente de sincronização ideológica para indivíduos, empresas e governos manterem-se na mesma página". Isso é diferente de conspiração - mas não tão diferente. Quando as más idéias são adotadas internacionalmente por algumas das pessoas mais ricas e poderosas do mundo, o efeito pode ser o mesmo. The Great Reset pode ser ainda mais assustador por não ser um enredo sinistro.

E ainda mais porque pode representar muito nosso futuro para o conforto. Já passou da hora de recuar. Um passo (muito) pequeno poderia ser os acionistas insistirem que os executivos de suas empresas viajem para Davos no seu tempo livre -- e por conta própria.

* Andrew Stuttaford é editor da “Capital Matters”, da National Review.

© 2020 National Review. Publicado com permissão. Original em inglês.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]