Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Butt (centro): radicalismo crescente nos últimos anos | Divulgação/AFP
Butt (centro): radicalismo crescente nos últimos anos| Foto: Divulgação/AFP

Nesta segunda-feira (05), a polícia inglesa divulgou os nomes de dois dos três homens que realizaram o ataque de alta visibilidade no coração de Londres na semana passada — mas um deles já era conhecido entre seus vizinhos por sua visão extremista e tinha sido denunciado às autoridades anos atrás. 

Ele também tinha aparecido em um documentário da televisão britânica chamado “The Jihadis Next Door” (os jihadistas da casa ao lado, em tradução livre). 

Khuram Shazad Butt, um ex-funcionário do transporte público, era aparente um homem sociável. Seus vizinhos disseram que ele convidava amigos homens para churrascos e frequentava uma academia e uma piscina da região. 

Mas ele também exibia um lado obscuro — o suficiente para que vizinhos ligassem para uma linha de denúncias da polícia para alertar que ele era um extremista. 

Butt, que foi morto pela polícia durante o ataque no sábado, era um cidadão britânico nascido no Paquistão. Ele falava inglês com gírias do leste de Londres e era um fã do time de futebol do Arsenal. 

Ele estava vestindo uma camisa do time quando ele e outros dois terroristas mataram sete pessoas e feriram 48 no ataque com veículo e faca no centro de Londres. O outro terrorista identificado pela polícia é Rachid Redouane. 

“Mamãe, quero ser muçulmano para ir para o céu.” 

Butt tinha expressado suas visões extremistas por anos, inclusive dizendo que votar nas eleições britânicas era “contra o Islã”. 

Erica Gasparri vive no complexo de casas populares em que Butt residia no bairro do leste de Londres de Barking. A mãe de três crianças contou ao Washington Post que, dois anos atrás, uma das crianças veio para casa e disse à outra: “Mamãe, quero ser muçulmano para que possa ir para o céu.” 

Gasparri disse: “Ele estava tentando fazer lavagem cerebral neles.” 

Vizinhos dizem que Butt não se dirigia a mulheres fora de sua família. Sua esposa frequentemente usava um véu completo. Ele tinha duas crianças. 

Gasparri disse que ligou para uma linha de denúncia da polícia e relatou sua crença de que Butt era um extremista. “Ele disse, ‘farei de tudo pela minha religião’,” ela disse, se referindo a Butt. Gasparri entendeu a frase como uma ameaça. 

“Khuram Shazad Butt era conhecido da política e do MI5”, disse a polícia em um comunicado segunda-feira, se referindo à principal agência de inteligência doméstica britânica. “Contudo, não havia nenhuma inteligência que sugerisse que esse ataque estivesse sendo planejado e, portanto, outras frentes de investigação tinham sido priorizadas.” 

Jibril Palomba, outro vizinho, disse que tinha passado tempo com Butt na academia, onde ajudavam um ao outro enquanto levantavam pesos e eram parceiros de sparring. “Ele era um bom sujeito, mas então se revelou problemático”, disse Palomba. 

Expulso da mesquita

Academia onde Butt treinavaDANIEL LEAL-OLIVAS/AFP

Palomba, cujos pais sãos italianos e somalis, é muçulmano. Ele disse que da última vez que viu Butt, apenas três dias antes do ataque, seu vizinho parecia estranho. 

“Ele me disse, ‘boa sorte’, e eu disse, ‘por que, para onde você está indo?’ E ele disse, ‘lugar nenhum’. Mas então ele disse, ‘só estou dizendo que você deveria ser um bom muçulmano, para ir para o céu’. E eu disse a ele, ‘sou um bom muçulmano. Do que você está falando?’” 

Butt chegou a ser expulso de uma mesquita do leste de Londres em que rezava ocasionalmente, depois de supostamente gritar “apenas deus está no comando” e interromper o imã. O Centro Islâmico Jabir bin Zayd disse segunda-feira que o incidente ocorreu “há alguns anos”, mas não ofereceu detalhes. 

Em “Os jihadistas da casa ao lado”, Butt pode ser visto rezando em um parque de Londres. 

Governo dá muito espaço

Ao menos uma outra pessoa que aparece no documentário se juntou ao grupo militante Estado Islâmico na Síria desde então. Siddhartha Dhar deixou a Inglaterra apenas dias após sair da prisão sob fiança e acredita-se que ascendeu rapidamente nos escalões do Estado Islâmico depois de sua chegada na Síria. Como Dhar, acredita-se que Butt estava associado com a al-Muhajiroun, uma organização extremista banida. 

O líder de longa data da Al-Muhajiroun, Anjem Choudary, um clérigo, tem sido acusado de ter radicalizado dezenas, se não centenas, de jovens ingleses ao longo das últimas duas décadas. Ele foi sentenciado em 2016 a cinco anos e meio de prisão por ter clamado por apoio ao Estado Islâmico, mas alguns especialistas dizem que a sentença chegou muito tarde. A essa altura, muitos dos membros do al-Muhajiroun já tinham ido para a Síria e para o Iraque para se juntar ao Estado Islâmico, e acredita-se que alguns já retornaram à Inglaterra. 

“Tradicionalmente, o governo britânico tem dado a esses grupos muito espaço de manobra – algo que sempre foi justificado com liberdade de expressão. Mas, talvez importante do que isso, as autoridades também acreditavam que a existência de tais grupos as permitiria vigiar os suspeitos, dado que os membros estavam sob seus radares”, disse Shiraz Maher, diretor-assistente do Centro Internacional para Estudo de Radicalização e Violência Política, com sede em Londres. 

“Mas especialmente pessoas nas franjas desses grupos ocasionalmente escapam e não são monitoradas pelas autoridades”, disse Maher.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]