i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crise política

Unasul não vai reconhecer resultado de eleições em Honduras

Dos 12 países membros da organização, apenas três pretendem aceitar os resultados das eleições

  • PorAgência Brasil
  • 27/11/2009 16:47

A menos de 48 horas das eleições gerais em Honduras, a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), que reúne 12 países, informou não reconhecerá os resultados das eleições de domingo (29). O assunto foi discutido durante reunião com os ministros da Defesa e de Relações Exteriores, realizada nesta sexta-feira (27), em Quito (Equador). A decisão das autoridades latinas teria sido transmitido também União Europeia (UE).

Segundo a imprensa hondurenha, a posição da Unasul foi divulgada pelo presidente do Equador, Rafael Correa. Dos 12 países membros da organização, apenas três pretendem aceitar os resultados das eleições. Os governos do Peru, da Colômbia e do Panamá devem seguir o dos Estados Unidos, que reconhecem a legitimidade das eleições em, Honduras.

O Brasil, o Uruguai, o Paraguai, a Venezuela, a Bolívia, a Argentina, o Chile, o Equador e a Nicarágua rechaçam as eleições. Nos últimos dias, o governo brasileiro reafirmou que não aceita os resultados do pleito em Honduras por considerar que o processo eleitoral estaria contaminado por causa do golpe de Estado que tirou o presidente Manuel Zelaya do poder em 28 de junho passado.

De acordo com o jornal El Heraldo, de Honduras, interlocutores do presidente golpista Roberto Micheletti negam que será determinado toque de recolher de até sete horas diárias para impedir eventuais manifestações. Paralelamente, há informações de que Zelaya pediu Organização dos Estados Americanos (OEA) que tome providências contra os Estados Unidos por eles legitimarem as eleições de domingo.

Há dois meses, Zelaya e um grupo de seguidores estão abrigados na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa. O presidente deposto retornou clandestinamente ao seu país depois de ter sido destituído do poder por meio de um golpe de Estado com apoio do Congresso Nacional, da Suprema Corte e das Forças Armadas.

O governo brasileiro defende que Zelaya seja restituído ao cargo até a conclusão do mandato no dia 27 de janeiro de 2010, mas ontem a Suprema Corte de Honduras definiu que o presidente deposto seja mantido afastado do governo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.