i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Honduras

Zelaya rejeita como "insulto" proposta de golpistas

Grupo de Micheletti tenta ganhar tempo até as eleições, apesar da comunidade internacional ter dito não reconhecer o resultado

  • PorAgência Estado
  • 20/10/2009 16:09

Na véspera de completar um mês hospedado na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, o presidente deposto de Honduras, Manuel Zelaya, qualificou nesta segunda-feira como "insulto" a proposta apresentada pela comissão negociadora do governo de facto e deu sinais de que a nova tentativa de diálogo será incapaz de superar o atual impasse.

A proposta que estancou as negociações foi apresentada pelos golpistas na noite de segunda-feira. Representantes do presidente de facto Roberto Micheletti disseram que a mesa de diálogo teria soberania para decidir sobre a restituição de Zelaya, mas apenas depois de "consultar" a Corte Suprema de Justiça e o Congresso.

Para Zelaya, as propostas do governo de facto são "uma manipulação, um jogo, uma nova bofetada do regime no mundo". Ele sustenta que a decisão sobre seu regresso é uma decisão política, que deve se submeter apenas ao Legislativo.

"Nós já fizemos nossa proposta", rebateu a porta-voz da comissão negociadora do regime de facto, Vilma Morales. "Quando colocamos uma proposta sobre a mesa é porque queremos uma resposta."

Um dos membros da comissão que representa Zelaya, Víctor Meza, declarou que só voltará à mesa de negociação depois que o governo de facto apresentar uma proposta construtiva.

A posição crítica do grupo de Zelaya contrasta com o tom otimista demonstrado nesta terça-feira pelo enviado da Organização dos Estados Americanos (OEA) a Honduras, John Biehl.

"Nunca daremos um diálogo por fracassado. Não perdemos nem perderemos nunca a fé no que os hondurenhos estão fazendo", disse. "Apesar da estagnação, estou absolutamente convencido de que os hondurenhos se reconciliarão e fortalecerão sua democracia."

O grupo de Micheletti tenta ganhar tempo até 29 de novembro, quando deve ocorrer uma nova eleição presidencial. A comunidade internacional já afirmou, no entanto, que não reconhecerá o resultado de nenhuma eleição que seja realizada sob os auspícios de um governo ilegítimo. Originalmente, o mandato do presidente deposto só terminaria no dia 27 de janeiro.

Com o impasse na negociação política, cresce a movimentação de ambos os grupos em torno das eleições de novembro. Membros da Frente de Nacional de Resistência (FNR), ala mais radical que apoia Zelaya, prometem impedir a realização da eleição enquanto o presidente deposto não for reconduzido ao cargo.

Zelaya, entretanto, negou nesta segunda-feira que pretenda promover uma "insurreição". "É uma acusação absurda. Não é racional que pessoas que têm armas declarem uma pessoa indefesa perigosa", disse em referência a sua própria situação na embaixada brasileira, onde está cercado por militares desde o dia 21 de setembro.

Mesmo assim, Zelaya reconheceu que alguns grupos que o apoiam podem estar organizando manifestações violentas. "Eu peço para que essas pessoas reconsiderem porque, assim, eles legitimam a força que está sendo usada contra nós."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.