i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

A educação durante a pandemia: dias bons e os outros nem tanto

  • PorCarolina Paschoal
  • 12/06/2020 21:27
A educação durante a pandemia: dias bons e os outros nem tanto
| Foto: Pixabay

A pandemia que acometeu o mundo nos últimos meses trouxe, sem dúvida, uma nova perspectiva em relação à vida das pessoas. De repente, o ato de respirar se tornou complexo, perigoso e novos comportamentos apareceram. As perguntas que ficam são de cunho pessoal, profissional ou no caso das crianças, educacional: Quem seremos quando tudo isso passar? Como ficarão os planos? Qual o melhor caminho para retomada?

Ao questionar pessoas de como estão e também de que forma estão lidando com a privação da liberdade, as respostas são em grande parte a mesma: tenho dias bons, e outros nem tanto. No que tange o tema educacional, especificamente o Ensino Não Presencial, essa mutabilidade repentina na maneira de ensinar acometeu não somente a equipe pedagógica, como também os alunos. Ao analisarmos desde o começo da suspensão das aulas, muitos foram os fatores aprimorados e a forma com que as escolas escolheram para ensinar também. Quase como uma reinvenção diária desta nova e provisória (será?) prática.

Nisso tudo temos em comum a ferramenta utilizada para isso, na maioria dos casos - a Internet e no caso da educação pública, a televisão aberta. Treinamentos foram feitos em 72 horas, aplicativos baixados, tutoriais esmiuçados e um objetivo: manter o vínculo pedagógico do aluno e seu aprendizado sempre na medida do possível.

Sim, porque a escola teve que lidar com as possibilidades e necessidades de cada um. E foi neste ponto que começamos a perceber o que já sabíamos: que ela é muito mais do que uma mera aplicadora de conteúdos obrigatórios. Não estamos aqui para discutir a competência do (a) professor (a) ou qual metodologia é melhor aplicada. Mas sim para constatar que hoje, mais do que nunca, se o aluno não está aprendendo o bastante ou rendendo como de costume é porque em todo esse contexto há uma relação fundamental que não podemos ignorar: a deste ser com seu professor, colegas, pedagogos e todos demais agentes de uma escola.

Podemos ir mais longe. Quando construímos a ideia de que as relações emocionais e os vínculos afetivos são parte do processo de ensino aprendizagem, me arrisco a dizer que para a crianças e adolescentes ele é indispensável. Por mais esforço que possamos ter ao tentar engajar os alunos na aula online não conseguiremos a mesma efetividade porque a escola é viva e ela acontece no dia a dia. Na conversa de canto de sala com a melhor amiga, ou no encontro marcado no lixo para apontar o lápis.

Não há aprendizado sem poder ensaiar uma apresentação de Shakespeare para a aula de Língua Portuguesa, ou ver o professor de História caracterizado de Napoleão Bonaparte e mostrar aos seus alunos a importância da Revolução Francesa. E poderia aqui continuar a discorrer exemplos que nos farão refletir sobre essa escola, da qual uma tela de computador nunca saberá do que estou falando.

Aproveitando o ensejo das habilidades que o professor utiliza para ensinar, mais uma vez precisamos falar dele. Sim, porque a Internet nem sempre colabora, mas ele permaneceu disposto a ensinar. Disposto apesar de todas as intercorrências com essa adaptação. Persistente mesmo com as distrações dos alunos. Firme mesmo com a relutância de alguns pais em aceitar essa nova realidade que cerca a todos nós.

E apesar de tudo ele ficou ali. Gravou e planejou suas aulas, tirou dúvidas e segue assim, todos os dias dando o seu melhor: uns dias bem, e outros nem tanto. Até o dia em que seja possível para a escola que suas paredes voltem a respirar.

Carolina Paschoal, pedagoga e diretora da Escola Pedro Apóstolo.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    AMANDA P KASECKER

    ± 2 dias

    Texto super pertinente, sincero e coerente. Nesses tempos de pandemia as dificuldades são para todos, inclusive para o professor, que teve que se reinventar em questão de horas. Parabéns à autora e a esses profissionais!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ANA CAROLINA ARTNER BUENO

    ± 4 dias

    Perfeitas colocações. Descreveu com clareza a realidade que estamos vivendo. Parabéns!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Francielle Stefanello Nicoletti Mariano

    ± 4 dias

    Ótimo artigo!!!! Bom ponto de vista!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Ernesto Stock

    ± 4 dias

    Bom artigo. Minha crítica nesse e em muitos artigos da Gazeta, são erros de concordância verbal, erros de português em geral. Ex.:nesse artigo ao invés de importância, escreveu-se importante.E os erros são frequentes.Não pega bem um jornal dessa envergadura ter erros de digitação ou de Português.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.