i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – A Câmara acertou ou errou ao manter a prisão de Daniel Silveira?

A harmonia entre os poderes foi preservada

  • PorMarcelo Aith
  • 23/02/2021 18:32
Deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) gravou vídeo com ofensas e críticas contra ministros do Supremo
O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ).| Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados acolheu o parecer da deputada Magda Mofatto (PL-GO), mantendo a prisão em flagrante do parlamentar Daniel Silveira (PSL-RJ), efetivada por determinação do ministro Alexandre de Moraes e confirmada pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

Para analisar a correção da manutenção da prisão, há de se examinar a hipótese de cabimento flagrante prevista no artigo 53, §2.º, da Constituição da República. Assim dispõe da norma constitucional: “Desde a expedição do diploma, os membros do Congresso Nacional não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável”. Com efeito, o plenário da Câmara, ao analisar a prisão, teria de verificar a presença dos seguintes pressupostos: a) estado de flagrância; e b) crime inafiançável. Além disso, avaliar se o parlamentar estava no exercício regular de seu mister, o qual estaria protegido pela imunidade parlamentar.

Como a imunidade parlamentar é um pressuposto para aferir a tipicidade da conduta, deve ser examinada antes dos demais, uma vez que, estando presente, tornaria a prisão absolutamente ilegal, passível inclusive de imputação de crime de abuso de autoridade contra o ministro relator Alexandre de Morais. No entanto, a imunidade parlamentar não é ilimitada; nesse sentido o STF assim decidiu na PET 7.174: “Ninguém pode se escudar na inviolabilidade parlamentar para, sem vinculação com a função, agredir a dignidade alheia ou difundir discursos de ódio, violência e discriminação”.

No caso específico, as condutas excederam, em muito, os limites da imunidade. Além das ofensas gratuitas aos ministros, o deputado agiu no sentido se insuflar, subliminarmente, seus seguidores a tomarem medidas contra os integrantes do STF, sugerindo, inclusive, que ficaria satisfeito em ver o ministro Fachin tomando uma surra na rua, bem como pregou a dissolução do STF.

Ultrapassado esse primeiro obstáculo, faz-se necessário examinar as hipóteses de possibilidade das prisões em flagrante. O artigo 302, II, do Código de Processo Penal diz que “considera-se em flagrante delito quem: acaba de cometê-la”. Com efeito, não há como fugir do acerto no reconhecimento do estado de flagrância na espécie. O deputado, no dia da prisão, 16 de fevereiro, fez uma transmissão “ao vivo”, com graves ameaças à segurança dos ministros do STF e ao Estado Democrático de Direito. Portanto, o crime ainda fumegava quando foi realizada a prisão em flagrante.

Demonstrado o estado de flagrância, há de se examinar se os crimes imputados ao deputado Daniel Silveira são inafiançáveis e, assim, permissíveis da manutenção da prisão. O ministro Alexandre de Moraes apontou que o parlamentar estava a cometer crimes contra a Lei de Segurança Nacional. São delitos inafiançáveis? A Constituição traz o rol dos crimes inafiançáveis: 1. Racismo; 2. Tortura; 3. Tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins; 4. Terrorismo; 5. Crimes hediondos; e 6. Ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático. No caso, a conduta do deputado se subsume à “Ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático”.

Ademais, as fortes declarações do deputado, ao menos em tese, perfectibilizam-se aos delitos descritos nos artigos 17 e 18 da Lei 7.170/73, respectivamente: “Tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito. Pena: reclusão, de 3 a 15 anos” e “Tentar impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer dos poderes da União ou dos estados”.

Dessa forma, não há dúvida de que as condutas se conformam aos tipos penais acima transcritos e se coadunam à hipótese de crime inafiançável, consistente na “ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático”. Assim, está configurada a possibilidade de prisão de parlamentar, prevista na primeira parte do artigo 53, §2.º, da Constituição da República. Portanto, não há dúvida da correção da decisão da Câmara dos Deputados.

Marcelo Aith é advogado especialista em Direito Público e professor convidado da Escola Paulista de Direito (EPD).

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    Antonio Jorge Teles Nogueira da Silva

    ± 0 minutos

    Só chamando o Carlos Ayres Britto pra explicar esse salto triplo carpado hermenêutico no qual deputado fazer live equivale à Ação de Grupos Armados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      RICARDO AUGUSTO PENHA PEREIRA

      ± 2 horas

      Defina grupos armados. O deputado expressou sua opinião, que é a mesma de milhões de brasileiros. Em nenhum momento houve incitação à levantes ou qualquer organização em massa. Seja honesto !

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        RPM

        ± 3 horas

        A harmonia foi restabelecida, os 364 deputados colocaram o rabo entre as pernas e ficou tudo bem.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.