i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
OPINIÃO DO DIA 1

A idade de ouro do Brasil

  • PorAlberto Dines
  • 27/08/2010 21:03

As "idades de ouro" são geralmente perceptíveis pelo retrovisor, dé­­ca­­das ou séculos depois, em tratados e tertúlias históricas

Não foi para as manchetes, mas estava na primeira página do Globo desta sexta a entrevista do cineasta Cacá Diegues pregando a união PT-PSDB. Para acabar com as eleições? Não, para preservar o que chama de idade de ouro do Brasil que vivemos há 18 anos consecutivos desde Itamar Franco. Sem perceber.

É a segunda melhor notícia política desta semana: a primeira foi o voto no STF do sisudo e manso Carlos Ayres Brito determinando que seja anulada – até o julgamento do mérito – a legislação que proíbe o uso do humor nos programas sobre política do rádio e tevê. Eleição com riso e sorriso ajuda a todos os candidatos – o humor é obrigatoriamente giratório. Ajuda sobretudo o eleitor livrando-o de uma campanha áspera, penosa.

Cacá Diegues, felizmente, não é uma "celebridade": não assina coluna em jornal, portanto não é dono da verdade, não frequenta as páginas mundanas porque passa o dia construindo pontes. É um militante das aproximações. Co­­­­­mo Daniel Barenboim na Palestina. Sua visão do Brasil pós-Collor pode irritar xiitas de diferentes confissões, mas certamente será encampada pelos historiadores de amanhã.

Sua ótica é a de um idealista, não de um idilista, devaneador. Sua avaliação sobre a pacificação das favelas cariocas é rigorosa, realista, antidemagógica, anti-dogmática: o narcotráfico não entregou as armas, mudou de tática. O que não significa que a política de pacificação das comunidades carentes deva ser abandonada, ao contrário, o Estado deve ser mais inteligente e antecipar-se ao crime organizado.

Quando menciona uma união PT-PSDB não está envergando uma bata indiana, pregando "paz e amor", ou sugerindo uma chapa Serma ou Dilrra, apenas constata convergências. Como filho do antropólogo Manuel Diegues Jr., incorpora no seu DNA uma racionalidade capaz de identificar no Brasil um estofo político e cultural que lhe dá condições para escapar das tentações populistas e autoritárias ora em exibição no continente.

Quando no fim da ditadura localizou as patrulhas ideológicas e investiu contra elas em memorável entrevista no Estadão, identificava um ressentimento fundamentalista que agora, 30 anos depois, ainda purga, inflamado.

Como nossa República jamais foi parlamentarista (exceto nos quase dois anos seguintes à renúncia de Jânio Quadros), as instituições brasileiras não assimilaram o conceito de continuidade. A cada governo, o brado de "muda tudo", a volta à estaca zero, o desperdício da reconstrução. A percepção de acertos passados é substituída pelo clamor contra a "herança maldita" que, apesar do nome, nunca é alterada.

As "idades de ouro" são geralmente perceptíveis pelo retrovisor, décadas ou séculos depois, em tratados e tertúlias históricas. Já houve uma, em letra de forma, "Idade d’Ouro do Brazil" um periódico, o segundo impresso na colônia, o primeiro da Bahia, três anos depois do pio­­neiro Correio Braziliense. O reina­­do de dom Pedro II foi uma idade de ouro, os anos dourados de JK, imprecisamente definidos, são outra.

Cacá Diegues, o cineasta das favelas, enxergou uma enquanto floresce, no auge. Vale a pena examiná-la.

Alberto Dines é jornalista.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.