i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

A Petrobras volta a dar bons exemplos

A reforma dos estatutos, que prevê a blindagem da empresa contra políticas intervencionistas, é um grande e importante passo

  • PorGino Oyamada
  • 17/02/2018 04:00
 | Daniel Castellano/Arquivo Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Arquivo Gazeta do Povo

Passado o turbilhão que quase a levou à bancarrota, a Petrobras e seus gestores atuais têm se apresentado como bom exemplo a ser seguido pelas demais empresas controladas pelo Estado.

Usada e abusada politicamente, seja para controle artificial da inflação, seja para transformá-la numa plataforma de marketing político partidário ou, ainda pior, para atender interesses próprios em um esquema sem igual de corrupção, a Petrobras provavelmente só sobreviveu porque a tempo e à hora houve uma ruptura no então sistema político.

Desde então temos observado grandes avanços. Entre eles, a profissionalização da gestão, a meritocracia, a volto ao core business da companhia, a criação e a importância efetivamente dada à área de integridade (ou compliance), montada sobre os fundamentos da Lei Anticorrupção, como também a profissionalização do próprio Conselho, à luz da nova Lei das Estatais.

Subsidiar o preço da gasolina sangrando uma estatal de importância estratégica é um erro pelo qual várias gerações de brasileiros vão pagar

Agora, mais um grande e importante passo foi anunciado: a reforma de seus estatutos, que prevê a blindagem da empresa contra políticas intervencionistas. As novas cláusulas obrigam o governo a ressarcir a empresa em caso de prejuízos com a concessão de subsídios aos preços dos combustíveis ou com investimentos de interesse público. A medida busca evitar seu uso político, tido como uma das razões para a crise financeira da estatal.

A sociedade nunca se beneficia do proselitismo político. Subsidiar o preço da gasolina sangrando uma estatal de importância estratégica é um erro pelo qual várias gerações de brasileiros vão pagar.

Leia também: Pasadena, antes tarde do que nunca (editorial de 19 de outubro de 2017)

Leia também: O acordo bilionário da Petrobras (editorial de 6 de janeiro de 2018)

Bom que isso tudo esteja acontecendo naquela que já foi símbolo de orgulho para nós, brasileiros. Bom que possamos fazer dessas iniciativas exemplos a serem seguidos pelas centenas de empresas estatais que são usadas e abusadas politicamente e que, em sua grande e absoluta maioria, não atendem o conceito de prioridade nacional, sendo totalmente dispensáveis.

Temos de diminuir o tamanho do Estado. Chega de ineficiência, de recursos mal alocados, de portas e oportunidades para se instalar a corrupção. Só assim teremos um Estado presente naquilo que é essencial: educação, saúde e segurança pública.

Gino Oyamada é diretor da 3G Consultoria – Governança, Gestão e Gente e um dos especialistas pioneiros do Programa de Conselheiros das Estatais da Fundação Dom Cabral.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.