i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – As saídas temporárias de presos deveriam acabar?

A proteção do cidadão exige a punição eficaz

A saída temporária premia praticamente apenas os autores de delitos de extrema gravidade

  • PorBruno Carpes
  • 23/10/2018 00:01
 | Robson Vilalba/Thapcom
| Foto: Robson Vilalba/Thapcom

A saída temporária, frequentemente elogiada pela sua intenção ressocializadora, adveio à ordem legal brasileira por meio da atual Lei de Execuções Penais. A exposição de motivos da referida lei, editada em 1984, mencionando a obra Prisión aberta (de viés desencarcerador), refere que “as autorizações de saída estão acima da categoria normal dos direitos”, vista como uma “etapa” do sistema progressivo de pena. Previa-se, pois, que os resultados do instituto seriam proveitosos, quando submetido à adequada fiscalização.

Entretanto, as “saidinhas” – tais como a de Suzane von Richthofen justamente na data comemorativa do Dia das Mães, ou a de apenado que dissimulou carona através de aplicativo para estuprar e matar uma jovem de 22 anos na cidade de Frutal (MG) – colecionam fracassos, tragédias e vítimas, apostando-se há mais de 30 anos no mundialmente desacreditado sistema progressivo de cumprimento de pena, do qual o brasileiro mostra-se o mais frouxo e leniente de que se tem notícia.

O cidadão brasileiro se vê incrédulo frente às punições insuficientes e desproporcionais aos crimes mais repugnantes

Em análise da realidade executória da pena, constata-se que a saída temporária, destinada apenas aos apenados que cumprem o regime semiaberto, premia praticamente apenas os autores de delitos de extrema gravidade, isto é, condenados por um dos 28 crimes que estipulam o regime inicial fechado (2,6% dos intervalos de pena previstos na legislação penal), visto que exige o mesmo requisito para a progressão de regime (1/6 da pena), salvo reincidentes (1/4). Consequentemente – atestando-se a frouxidão do sistema –, os demais condenados ou iniciam a pena em regime mais brando, ou (em sua grande maioria) cumprem medidas alternativas à prisão, sem nem sequer necessitarem da “saidinha”.

Cumpre ressaltar ainda que o baixo patamar de apenados que não retornam das “saidinhas”, que varia entre 5% a 10%, além de representar milhares de apenados soltos indevidamente, desconsidera a sua falta de fiscalização, bem como o baixíssimo risco de o apenado ser flagrado cometendo crime durante os 35 dias do ano em que se encontra em plena liberdade, considerando-se a vergonhosa taxa de elucidação de crimes no país.

Perda de direitos: O fim da saída temporária e o mito da redução da criminalidade (artigo de Monia Regina Damião Serafim, defensora pública do Paraná)

Ante tal cenário, o cidadão brasileiro se vê incrédulo frente às punições insuficientes e desproporcionais aos crimes mais repugnantes, culminando em uma falta de representatividade do poder estatal – justamente por deixar de defender satisfatoriamente os valores éticos e sociais da consciência coletiva, propiciando aos criminosos pouca ou nenhuma vontade de obedecer tais preceitos e deveres sociais. Diversamente do que pregam os teóricos contrários à prisão, que julgam os resultados dos benefícios legais pela sua intenção, os extensos benefícios da execução da pena, representados pela saída temporária, transformaram-se em falsas esperanças e em fantasias destrutivas. O criminoso de alta periculosidade, que já havia se negado a se socializar antes e durante o cometimento do crime, acaba internalizando erroneamente que a sociedade e/ou o Estado também não enxerga com tamanha gravidade o delito cometido.

Urge a retomada dos fundamentos básicos da dissuasão, por meio da alta probabilidade de punição, e da incapacitação, por meio da prisão por tempo considerável. Consequentemente, a extinção da saída temporária se impõe como retomada do dever básico e fundamental de proteção pelo Estado.

Bruno Carpes é promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, membro do Núcleo de Pesquisa e Análise da Criminalidade da Escola de Altos Estudos em Ciências Criminais e professor do Burke Instituto Conservador.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.