i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião do dia 1

A sina de Sarney

  • PorCristovam Buarque
  • 25/06/2009 21:02

Todo político tem um instinto pelo poder e outro pela história. Quer força política para garantir um lugar na história, e para isso busca votos dos eleitores de hoje, olhando para os futuros leitores da história de seu país. Ele cuida do mandato e da biografia.

O problema é que o mesmo mandato que constrói a biografia pode destruí-la, até porque, em geral, os últimos gestos e falas marcam mais do que atos do passado.

O Brasil tem uma dívida para com o presidente Sarney, que pode se orgulhar de ter sido o condutor do processo de democratização do Brasil. Durante o seu mandato como presidente da República, foi capaz de levar adiante todos os compromissos das forças democráticas. Mas isso é história. Quando decidiu continuar na política, ele optou por guardar sua biografia até o final de suas atividades atuais.

Se, depois de seu mandato de Presidente da República, o ex-presidente Sarney tivesse se recolhido à história, fora da política, certamente seria hoje tratado como um "velho estadista", não pela idade, mas pela reserva biográfica. Como acontece com Mandela, Carter e tantos outros ex-presidentes – personalidades respeitadas, mas ativos apenas nos momentos decisivos. Conselheiros da nação, sem cargos. Sarney seria visto como referência do político que, jovem, contestou as forças conservadoras de seu próprio partido; adulto, conviveu com o regime militar; mas, na maturidade, teve a coragem de se distanciar do autoritarismo e, diante das adversidades de Tancredo, teve a competência de conduzir o país no momento da máxima inflexão na segunda metade do século 20.

Mas preferiu a política à história. Escolheu o mandato de senador e a volta à presidência do Senado. Com isso, o Senado passou a ter um presidente maior do que o cargo, o que faz com que ele perca o gosto para enfrentar o dia a dia de suas atividades.

O problema do Senado é de todos, mas o primeiro culpado da crise é seu presidente, porque a ele cabe zelar pela credibilidade necessária da Casa. Seu discurso não analisa as causas da crise, não oferece propostas para superá-la, nem nos aspectos morais nem nos estruturais. Não propõe iniciativas para superar o descrédito do Senado. Uma das causas desse alheamento da crise é o fato do Presidente Sarney não demonstrar consciência da dimensão da crise que o Senado atravessa. Seu discurso passa a impressão de que se trata somente de um descontentamento momentâneo da opinião pública, inflada pela mídia, e em franco desrespeito à sua biografia. Essa visão resulta do fato de ele ter uma biografia maior que a política e que o cargo. O cargo vira uma sina.

Quem enfrentou cinco anos de presidência da República, em um momento tão grave e de difíceis mudanças, não consegue se dedicar a um desafio que parece menor. O resultado é um presidente que, além de estar amarrado a uma rede de forças que misturam interesses públicos com pessoais, não tem o necessário gosto para enfrentar as dificuldades, por ter uma biografia maior do que o cargo que ocupa. Daí sua falta de percepção do tamanho da crise.

A culpa é também de nós, demais senadores, que não encontramos o caminho para casar o Sarney ex-presidente da transição democrática com o Sarney presidente de um Senado em crise. Mas a culpa é, sobretudo, do presidente Sarney, que precisa vestir a camisa do cargo atual, guardando sua biografia para os historiadores. Por isso sua licença do cargo de Presidente por dois meses permitiria mais velocidade na apuração dos fatos e de forma acima de qualquer suspeita.

Cristovam Buarque é senador e professor da UnB.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.