i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

Adoção necessária, adolescência lembrada

  • PorAlyson Miguel Harrad Reis
  • 19/04/2014 19:02

Depois de ler a série de três reportagens "Infância Esquecida", escrita por Felippe Aníbal e publicada na Gazeta do Povo em 13, 14 e 15 de abril, inspirei-me a escrever este artigo.

Sou Alyson Miguel Harrad Reis. Tenho 13 anos, sou negro, de cabelos escuros e encaracolados, tenho 1,62 metro de altura. Fui adotado com 10 anos e pertenço agora à família Harrad Reis. Durante três anos passei por sete abrigos, passando de um a outro, fugindo e vivendo situações precárias. Quando cheguei à casa dos meus pais adotivos eu era muito birrento, bagunceiro e mal-educado. Durante dois anos, meus queridos e amados pais me deram uma educação muito rígida, mas é a melhor que eu já tive. Inclusive, na aula de Inglês, um colega chamou meus pais de gays e a professora falou para ele que meus pais, sendo homossexuais assumidos, me dão melhor educação do que qualquer um dos pais das crianças da escola e da minha sala.

Quando cheguei à minha escola, perguntei para os meus colegas sobre a rotina deles e me disseram que não tinham rotina; a cada dia faziam uma coisa diferente, o que quisessem: chegavam em casa, almoçavam, dormiam até as 6 da tarde, depois ficavam no computador e nem faziam as tarefas. Eu até falei para o meu pai que a nossa família não era normal porque, comparado à rotina e ao comportamento dos meus amigos, os meus são totalmente diferentes. Nenhum deles tem contrato, rotina e combinado. Quando falei para os meus pais que eu era adotado por eles, disseram que eu não era mais adotado: era seu filho de verdade.

É triste saber que, no Brasil, menos de 1% das famílias habilitadas quer adotar crianças acima de 8 anos. Eu afirmo que isso é causado pelo racismo e preconceito de idade. Negros e adolescentes também são humanos e merecem os mesmos direitos de família como os brancos e crianças mais novas.

A Gazeta do Povo mostrou os números da adoção e das infâncias esquecidas. Em Curitiba, há 668 crianças e adolescentes acolhidos, 160 aptos à adoção, e 816 famílias habilitadas. No Paraná, são 3,5 mil acolhidos, 653 aptos à adoção, e 5,1 mil famílias habilitadas. E, no Brasil, são 46,6 mil acolhidos, 5.260 aptos à adoção e 30,4 mil famílias habilitadas.

Eu agradeço a meus orixás por ter uma família, porque ninguém merece ter o governo como pai e a prefeitura como mãe. É melhor ter uma família de carne e osso. Quero fazer três propostas para que as crianças e os adolescentes não fiquem sem famílias.

Primeiro: que a Justiça não fique enrolando, tire logo o poder familiar das mães e dos pais que não podem ficar com os(as) filhos(as) e agilize a fila da adoção, porque a fila anda, a catraca gira; se sentiu saudades, vai para o fim da fila.

Segundo: que as famílias habilitadas tenham solidariedade e não tenham preconceito de raça, idade ou doença; beijinho no ombro para o preconceito.

Terceiro: que as tevês e os jornais façam campanhas para que as pessoas adotem crianças/adolescentes acima de 8 anos e negros, porque senão eles crescem sem lar, sem educação e sem carinho.

Enfim, que a sociedade e a Justiça cumpram o Estatuto da Criança e do Adolescente e priorizem o bem-estar das crianças e dos adolescentes.

Alyson Miguel Harrad Reis, 13 anos, é estudante.

Dê sua opinião

Você concorda com o autor do artigo? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.