i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Bolsa estupro ou bolsa família?

  • PorLenise Garcia
  • 08/06/2013 21:02

A aprovação do Estatuto do Nascituro (PL 478/07) na Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara dos Deputados é mais um avanço no sentido de que as crianças ainda no ventre de suas mães tenham os seus direitos garantidos no Brasil.

Na maior parte de seus artigos, o PL trata de direitos fundamentais, de forma ampla, como é próprio desse tipo de lei. Por exemplo, diz em seu artigo 3 que "Reconhecem-se desde a concepção a dignidade e natureza humanas do nascituro conferindo-se ao mesmo plena proteção jurídica". Entretanto, as pessoas contrárias à aprovação escolheram como alvo preferencial de suas críticas o artigo 13, que foi o objeto de análise na CFT, por ser o único com aspectos financeiros a serem considerados.

Críticas difundidas pela internet e inclusive matérias na imprensa fazem referência a uma suposta "bolsa estupro", que não está prevista no projeto aprovado. Vejamos o que diz, textualmente, o artigo em debate:

"Art. 13. O nascituro concebido em decorrência de estupro terá assegurado os seguintes direitos, ressalvado o disposto no Art. 128 do Código Penal Brasileiro:

I – direito à assistência pré-natal, com acompanhamento psicológico da mãe;

II – direito de ser encaminhado à adoção, caso a mãe assim o deseje.

§ 1.º Identificado o genitor do nascituro ou da criança já nascida, será este responsável por pensão alimentícia nos termos da lei.

§ 2.º Na hipótese de a mãe vítima de estupro não dispor de meios econômicos suficientes para cuidar da vida, da saúde, do desenvolvimento e da educação da criança, o Estado arcará com os custos respectivos até que venha a ser identificado e responsabilizado por pensão o genitor ou venha a ser adotada a criança, se assim for da vontade da mãe."

Como se vê, o texto não especifica o modo para essa ajuda do Estado. Ela pode ser feita a partir de programas já previstos para apoio a pessoas em situações de vulnerabilidade, como o Bolsa Família e outros que venham a sucedê-lo. Aliás, mãe e filho constituem uma família, e não um estupro; portanto, nada mais lógico que recebam uma Bolsa Família, e não uma "bolsa estupro".

Vale considerar ainda que o Art. 13 do Estatuto do Nascituro está de acordo com o Art. 203 da Constituição Federal, que trata da prestação de assistência social com os objetivos de proteger a família, a maternidade, a infância, a adolescência e a velhice. Assim, ele apenas explicita aquela que já é uma obrigação constitucional do Estado.

O Estatuto não isenta o estuprador das devidas penas, como alguns dão a entender, ou mesmo afirmam em suas críticas. Pelo contrário, ele pressupõe que cada estupro será devidamente investigado. Se bem analisarmos, a situação atual é a que favorece amplamente o estuprador, ao permitir que se realize o aborto sem sequer boletim de ocorrência.

Vale lembrar que o aborto é crime no Brasil. Existe a não punição desse crime em certos casos, considerando os atenuantes envolvidos nessas situações, e, como se pode ver no texto citado, há uma ressalva explícita do Código Penal. Não punir os envolvidos em eventual aborto é diferente de dizer que a criança gerada por estupro não tem direito à vida ou, na prática, apresentar o aborto como o "certo" a fazer nessa situação. Cabe à sociedade zelar pela saúde física e psicológica da mãe e da criança.

Lenise Garcia é presidente do Movimento Nacional da Cidadania pela Vida – Brasil sem Aborto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.