i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião do dia 2

Desastres por todos os lados

  • PorRenato Eugênio de Lima
  • 16/02/2007 18:02

Não bastassem o desastre social, com a nossa péssima distribuição de renda, e a catástrofe política, com mensalão, sanguessuga e outros episódios tristes, os brasileiros receberam nos últimos dias uma quantidade de informações sobre desastres difícil de digerir.

Novamente, centenas de milhões de reais em prejuízos, e até agora próximos de cem mortes reconhecidas. São inundações, deslizamentos, colapsos em pontes, rodovias e túneis, explosão de navios e outros eventos que alcançaram, nos últimos anos, expressivas porções do território nacional, assustando todos e preocupando a sociedade.

Uma análise dos 59 episódios de inundação mais expressivos no Brasil nos últimos 50 anos indica prejuízos contabilizados de R$ 10 bilhões. Apenas os 21 maiores desastres tecnológicos no período, excluídos acidentes industriais e de transporte, indicam 1.265 mortos. A análise apressada dessa situação poderia conduzir a duas conclusões:

1) São os tais "desastres" resultantes da ação de processos normais da natureza ou do acaso.

2) Não há como enfrentar o problema.

Mas essa análise não é correta. Se a primeira assertiva, algumas poucas vezes, pode ser verdadeira, a segunda é sempre falsa. Uma situação perigosa pode ser causada por processos naturais, pela ação do homem, ou conjugar esses dois tipos de causas. Independentemente da origem, há uma diferença significativa entre a ocorrência de um evento perigoso, e os prejuízos que pode ou não causar. Desse lado do problema, os prejuízos podem ser aumentados ou diminuídos, ou mesmo evitados, conforme os estudos, e conseqüentes ações, com a finalidade de reduzir a vulnerabilidade ou de melhorar a resposta a um determinado processo perigoso ou acidente.

Para melhorar o nosso destino nessas situações de perigo, precisamos modificar a nossa forma de visualizar o problema. Chega de considerar o desastre como algo definido por fatores incontroláveis, que não nos cabe questionar ou enfrentar. Não dá para repetir que o Brasil é "protegido" por não ter terremotos, aliás, o que não é verdade. Os levantamentos comparativos apontam o Brasil como um dos países onde a população é mais afetada por desastres.

Para mudar, a Defesa Civil tem de deixar de ser considerada exclusivamente como um "banco", onde os atingidos vão buscar recursos nas emergências. Isto facilita inclusive o "clientelismo" político.

As comissões de Defesa Civil, constituídas por equipes multidisciplinares de especialistas, devem agregar valor à resposta da sociedade para as situações de perigo e insegurança. O sistema deve ser profissionalizado, evitando a troca de seus atores a cada mudança de governador ou prefeito. É necessário e econômico investir mais recursos na prevenção e num sistema avançado de Defesa Civil, antes dos eventos.

Existem bons exemplos e iniciativas interessantes nos diversos níveis de governo, sem esquecer do heroísmo cotidiano dos bombeiros brasileiros. Mas ainda há muito a melhorar.

A comunidade tem de se preparar para esses eventos como "lição de casa". Precisamos utilizar a capacidade científica nacional, para desenvolver conhecimentos buscando diminuir a vulnerabilidade, avaliar os riscos, e melhorar a resposta aos eventos perigosos. É preciso mudar o nosso estilo de desenvolvimento, adotando o verdadeiro desenvolvimento sustentável, que considera os processos naturais na definição de prioridades de investimentos e no planejamento de obras.

Sempre teremos eventos perigosos e acidentes, mas a nossa sociedade não pode, ano após ano, postar-se passivamente na frente da tevê para saber o que a natureza e o acaso "aprontaram" desta vez. Só para lembrar: a ONU acaba de informar que os processos naturais perigosos vão aumentar.

Renato Eugênio de Lima é geólogo, professor e diretor do Centro de Apoio Científico em Desastres (Cenacid) da UFPR e consultor da ONU para Desastres Naturais e Ambientais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.