i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Eleições em novembro: uma decisão razoável

  • PorAna Carolina de Camargo Clève
  • [15/07/2020] [21:16]
Eleições em novembro: uma decisão razoável
| Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

A pandemia de Covid-19 trouxe luz para o que deveríamos constantemente lembrar: a realidade – tal como é – sempre está a reclamar do direito e da política algum grau de transformação e adaptação de sentido. A despeito das inúmeras incertezas que o momento traz, há um fato certo: o cenário pandêmico mostrou - de uma vez por todas – que jamais estaremos imunes à interferência da realidade do mundo material na ordem jurídica, política e econômica. Até porque, o direito – enquanto espaço de normatização da vida – não é por si; é em razão da necessidade de apreensão da realidade para conformá-la nas regras do jogo, de modo a conferir segurança, previsibilidade e, claro, estabilidade – seja na esfera pública ou privada.

Bem por isso que, embora, no começo da pandemia – quando ainda não era possível fazer um adequado prognóstico do cenário brasileiro – a maioria dos estudiosos do Direito Eleitoral defendesse que o debate acerca de eventual adiamento do pleito municipal fosse prematuro, é certo que, ante a complexidade e sofisticação dos atos preparatórios de competência da Justiça Eleitoral (a exemplo da testagem das urnas eletrônicas, convocação e treinamento de mesários e da requisição de servidores de outros órgãos), a prudência estava a exigir a consideração da hipótese de adiamento e o amadurecimento da ideia por meio de amplo debate, sobretudo com especialistas da saúde. Daí o equívoco na defesa de que a discussão era precoce.

O desafio, portanto, residia no equacionamento da preservação da saúde pública com a viabilização das eleições municipais, ainda em 2020, para fins de evitar prorrogação de mandatos – alternativa que seria claramente inconstitucional. Nesse sentido, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luis Roberto Barroso, provocou o diálogo com o Congresso Nacional, que, assim como o TSE, também formou grupo de trabalho para tratar da temática, e, em conjunto, essas instituições – de modo exemplar - realizaram uma série de audiências públicas com a finalidade de colher as opiniões de especialistas e entidades. Após todo esse processo de maturação das sugestões e do texto elaborado a várias mãos, sobreveio a Emenda Constitucional 107/2020.

Além de adiar o primeiro turno do pleito municipal para 15 de novembro e, onde houver segundo turno, para 29 de novembro, essa emenda possui diversos pontos positivos, tais como: a) a despeito de alterar datas, não altera os prazos, de forma que as novas datas respeitaram o espaço de tempo do calendário original, mas tendo como referência o dia 15 de novembro; b) em homenagem à segurança jurídica, os prazos já vencidos ficam superados (a exemplo da filiação partidária e algumas espécies de desincompatibilização); c) para que os eleitos tenham condições de tomar posse em janeiro, a diplomação deve ser feita até 18 de dezembro; d) para evitar oportunismos, nos municípios, só poderá haver limitação da propaganda eleitoral se essa exigência estiver amparada por parecer técnico de autoridade estadual ou nacional; e) há expressa autorização para a realização de publicidade institucional, no segundo semestre de 2020, com a finalidade de enfrentamento da pandemia e à orientação da população quanto a serviços públicos e a outros temas afetados pela pandemia - resguardada a possibilidade de apuração de eventual conduta abusiva; e, ainda, f) já consta a previsão de que, se, em determinada localidade não for possível viabilizar o pleito em razão da crise sanitária, o Congresso Nacional, por solicitação do TSE, editará decreto legislativo para fins de designar nova data para a realização do pleito. No mais, não é demais lembrar que essa emenda constitucional é válida tão somente para este ano, por isso mesmo é que consta no ato das disposições constitucionais transitórias.

Em meio a tantas decisões equivocadas tomadas no Brasil, devemos nos orgulhar deste processo de deliberação. TSE e Congresso Nacional mostraram que estão prontos a operar mudanças diante da intrusão do mundo real. Já dizia Machado de Assis: “não bastam esperanças, a realidade é sempre urgente”.

Ana Carolina de Camargo Clève é presidente do Instituto Paranaense de Direito Eleitoral (Iprade). Mestre em Ciência Política pela UFPR. Advogada na áreas de Direito Constitucional, Administrativo e Eleitoral.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.