i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – O Brasil deveria sair do Mercosul?

Governos passam, o Mercosul fica

  • PorThiago Assunção
  • 03/12/2019 20:01
Governos passam, o Mercosul fica
| Foto: Felipe Lima

O Mercosul nasceu da reaproximação entre Brasil e Argentina, ao fim das ditaduras militares. Até então, predominava a rivalidade, ao ponto de os argentinos acharem que o Brasil estaria escondendo um programa de armas nucleares. Os presidentes José Sarney e Raúl Alfonsín selaram um acordo, no fim dos anos 80, que colocou fim à desconfiança recíproca.

Com o Tratado de Assunção, de 1991, que incluiu Paraguai e Uruguai, os quatro países se tornaram grandes parceiros comerciais. As trocas de produtos entre eles se multiplicaram por nove, e isso beneficiou – e muito – o Brasil. Na relação com a Argentina, nosso terceiro maior parceiro comercial, o país manteve constantes superávits nos últimos dez anos.

Mas o Mercosul é muito mais que comércio. Em 1998 foi adotado o Protocolo de Ushuaia sobre democracia. O objetivo é proteger os países-membros de rupturas democráticas, ao possibilitar a suspensão daqueles que não respeitem o Estado Democrático de Direito. Em 2007, para reduzir as assimetrias e melhorar a infraestrutura regional, foi criado o Fundo para Convergência Estrutural do Mercosul (Focem). Já foi investido US$ 1,4 bilhão em mais de 40 projetos nas áreas de transporte, saneamento, energia, saúde e moradia.

O Mercosul também beneficia diretamente as pessoas. É possível obter uma residência temporária em outro país-membro, bastando não ter antecedentes criminais. Essa medida facilita a circulação de pessoas, inclusive a de muitos brasileiros que estudam, trabalham ou fazem negócios com os vizinhos. Para se fazer turismo, basta apresentar o RG. Além disso, quem trabalha em qualquer país do Mercosul tem acesso à seguridade social, o que possibilita contabilizar tempo de serviço para a aposentadoria.

Ademais, foi criado um sistema de acreditação de cursos superiores. Tentou-se criar também um sistema de mobilidade acadêmica. Nesse sentido, penso que se avançou pouco, o que é uma lástima, pois uma das melhores maneiras de se criar laços de integração entre os povos se dá por meio da educação.

Por fim, após 20 anos de negociações, finalmente se alcançou um acordo Mercosul-União Europeia. Apesar das dificuldades que deve enfrentar para ratificação na Europa, tanto por interesses comerciais próprios quanto pela imagem que o Brasil tem passado em termos de (desconstrução da) proteção ambiental, o acordo traz avanços. Segundo estimativas, investimentos europeus no Brasil poderiam chegar aos US$ 113 bilhões em 15 anos.

Portanto, jogar fora essa construção histórica que, além de econômica, é também geoestratégica, política, social e cultural, para nos aventurarmos isolados na América do Sul, pensando apenas no nosso próprio interesse, seria um grande retrocesso. Os governantes do continente precisam aprender a distinguir Estados de governos, e não deixar que suas preferências ideológicas afetem o relacionamento de longo prazo, cuidadosamente arquitetado e com interesses mútuos e complementares, entre nações amigas. E o mesmo valeria para a Unasul, que, em vez de ser eventualmente reformulada, foi tristemente abandonada, para se começar tudo do zero.

Thiago Assunção, advogado, pesquisador e consultor internacional, é doutor em Direito Internacional e professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.