Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Rodrigo de Oliveira/Caixa Econômica Federal.
| Foto: Rodrigo de Oliveira/Caixa Econômica Federal.

A última ata do Copom revelou que, sem alterações expressivas no cenário econômico internacional (leia-se juros nos Estados Unidos), o Brasil caminha de uma política monetária de uma redução gradual da taxa de juros para um período de facilidade quantitativa.

Porém, o cenário econômico externo sem rupturas parece pouco provável diante de tantas turbulências no ambiente político: Trump pregando o neonacionalismo com o American First, o Brexit intranquilo e mal resolvido na Europa, a Rússia rearmada como ator forte na geopolítica mundial, a China liderando as negociações multilaterais, o príncipe herdeiro saudita concentrando poder no Oriente Médio, além dos diabretes nucleares de Kim Jong-un, da Coreia do Norte. O fim da hegemonia americana abre uma rodada de novas forças políticas e econômicas internacionais.

Já no ambiente interno, pós-denúncias contra Temer, as piores turbulências ficam adiadas até o período dos confrontos eleitorais, dando algum fôlego à política econômica, até meados de 2018. Por vias tortas, mas de forma acertada, as reformas mais relevantes têm seu debate adiado para a eleição, e decisões que afetam tantos brasileiros deverão ser repassadas a um governo com crédito e legitimidade eleitoral, e a um Congresso (espera-se) menos corrupto.

Mesmo com uma reforma fiscal incompleta, desinvestimento superior a 30% e desemprego elevado, a economia ruma a uma pequena e longa recuperação conduzida por superávits comerciais recordes, a retomada cíclica do consumo, do crédito e da renda, com inflação domada e abaixo da meta, além de juros mais civilizados.

A indústria deve atingir, no fim de 2017, o mesmo patamar de produção de meados de 2009

Por um lado, a inflação baixa é resultado de uma combinação perversa: recessão, desemprego e capacidade ociosa, ingredientes que devem estar de novo presentes em 2018. A atividade econômica ainda tem uma longa margem de crescimento sem bater nos estrangulamentos estruturais. A indústria deve atingir, no fim de 2017, o mesmo patamar de produção de meados de 2009, oito anos atrás. O Índice de Produção Industrial revela que, ao contrário da crise de 2009, em formato de V – queda rápida e recuperação forte –, a crise atual observou uma contração longa entre 2013 e 2016, e deverá ter um restabelecimento também lento, com os patamares dos picos ocorrendo somente no início da próxima década.

Por outro lado, também há fatores positivos atuando para manter a inflação baixa. Além de boas safras agrícolas e dos preços administrados corrigidos segundo a baixa inflação de 2017, o déficit público também deve começar a ceder. Para isso devem contribuir os efeitos da Emenda Constitucional 95 (teto de gastos), a recuperação cíclica da arrecadação e, principalmente, a redução efetiva de despesas com juros sobre a dívida pública. De uma taxa de juros reais que chegou ao pico de 11% em 2017 (taxa Selic menos inflação observada), deveremos ter, no próximo ano, taxas de juros reais inferiores a 4%, uma economia que pode representar quase 5% do PIB nas despesas com juros sobre a dívida pública, um importante alívio para as contas do governo.

A reversão positiva no quadro fiscal, a recuperação econômica, a inflação controlada e os superávits comerciais superiores a US$ 50 bilhões completam o cenário econômico de 2018. Tais fatores abrem espaço para que o Banco Central possa fazer mais algumas rodadas de queda na taxa de juros, ainda que em ritmos mais moderados, podendo chegar entre 6% e 6,5% ao fim de 2018, sem comprometer a paridade descoberta dos juros e as metas de inflação.

Leia também:A inflação atual e o futuro (editorial de 13 de novembro de 2017)

Nas atuais circunstâncias, a redução dos juros é o instrumento disponível de política econômica, seguindo, inclusive, a mesma terapia aplicada pelo Banco Central Europeu e pelo Federal Reserve (EUA). Poderemos inaugurar um capítulo, até algum tempo atrás inimaginável, de facilidade quantitativa, com efeitos bastante positivos para o crédito. Aos poucos, os consumidores estão comprometendo menor parcela de sua renda com endividamentos caros do passado e, assim, sentindo um menor aperto financeiro, conforme dados do Ibre/FGV. Porém, ainda há um longo caminho para que a queda da taxa Selic chegue efetivamente ao consumidor e ao produtor, de forma que tomar crédito bancário responsável não se transforme em um pesadelo.

Mas o que podemos esperar para o fim de 2018, além de uma inflação baixa e um crescimento lento? A economia brasileira está muito ferida. Ainda que as condições de curto prazo estejam em reestabelecimento, a saúde no longo prazo depende muito do projeto político que deveremos eleger no próximo ano. Podemos perceber, diante das candidaturas que se ensaiam, pelo menos quatro cenários alternativos: 1. “Volta Progressista”; 2. “Direita Volver”; 3. “Mais do Mesmo”; e 4. “Pacto para Crescer”.

No cenário 1, tem-se um governo mais alinhado com as forças sociais, levando a um caminho inspirado no adotado entre 2003 e 2010, recolocando a casa em ordem na via fiscal, com aumentos de tributos, e, no campo externo, taxas de câmbio desvalorizadas para estimular as exportações. Aos poucos abre-se espaço para a recuperação dos gastos sociais, para o câmbio populista e para medidas de aceleração do crescimento, liderado por investimentos públicos e concessões. É um projeto político mais inclusivo, com uma recuperação baseada no consumo e gastos públicos.

Leia também:Investimentos federais e crescimento (editorial de 8 de novembro de 2017)

No cenário 2, há uma radicalização à direita, alinhada com as forças sociais conservadoras e regressivas. Deve-se ter uma guinada nacionalista, concentração do poder e cortes mais decisivos nos gastos sociais. É um projeto político que combina um Estado policial forte, desarticulação social e medidas liberais na economia.

O cenário 3 significa continuar preso ao presidencialismo de coalizão, com um governo comprometido aos acordos políticos temporários e dificuldades relacionadas a um passado de corrupção. Deve-se ter a adoção de medidas liberalizantes, com condução da economia de perfil mais técnico e independente no curto prazo, com o longo prazo rendido a uma condução desarticulada e partidarizada. É um projeto político reativo, que promove as reformas possíveis, com agravamento do quadro social.

No cenário 4, combina-se uma postura social inclusiva com a busca por uma economia mais avançada, baseada em ganhos de produtividade, incorporação de tecnologias e investimentos produtivos. O padrão de crescimento articula medidas de curto prazo estabilizadoras com políticas de longo prazo liberalizantes e competitivas, baseadas na exportação e nos investimentos produtivos e em infraestrutura. É um projeto político ativo de desenvolvimento, com aprofundamento das reformas políticas e de Estado.

A escolha de qual caminho seguir, buscando restabelecer as condições de legitimidade e governabilidade, é o desafio de construção da nação que precisamos assumir como nosso.

Wilhelm Milward Meiners, economista, é professor e pesquisador da PUCPR.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]