i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

O debate assimétrico e a moralidade da esquerda: a era do consenso

  • PorFábio Tavares
  • 14/10/2020 21:33
O debate assimétrico e a moralidade da esquerda: a era do consenso
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

Em artigo publicado no recente livro La izquierda como autoritarismo en el siglo XXI, de 2019, a cientista política Colette Capriles aponta que a moralidade da(s) esquerda(s) advém da ideia de que os seus partidários são os autênticos agentes salvadores da humanidade, envolvidos em uma luta emancipatória travada contra o capitalismo. Tal heroísmo os converte na própria raça humana e é razão suficiente para que eles se julguem capazes de decidir o que é humanidade e, consequentemente, excluir o que não é.

O “progressismo” atual, que engloba uma enormidade de teorias, ideologias e partidos, reduz tudo que lhe é oposto a regressismo tacanho e perigoso, periculosidade tipificada por meio de uma constante histeria e fundamentação moral, pois o que não atende a agenda progressista é, acima de tudo, mau. O arranjo em questão se materializa de forma muito mais abrangente e sorrateira do que exemplificado anteriormente, uma vez que não se trata apenas de partidos e teorizações, mas de uma ideologia una, apesar da complexidade, ou da essência de uma época, que, para o ensaísta Wesley Yang, é a base ideológica sucessora do liberalismo, do espírito liberal nos EUA.

Publicado este ano no site Persuasion, o texto Rhetorical Calvinball, do professor de Filosofia Matt Lutz, indica que muitos dos participantes atuais do debate público agem como numa espécie de calvinball, um metajogo presente nos quadrinhos de Calvin e Haroldo, no qual os participantes buscam mudar as regras do jogo de modo a tornar as suas ações vitoriosas e, assim, derrotar o oponente. O que é o debate contemporâneo além de mera extensão da ilusória pretensão das esquerdas, dos progressistas de salvar o mundo e derrotar os grandes vilões – claro, à direita? A cultura do cancelamento é a marca essencial do atual debate público, determinado pelas aspirações e agenda progressista, o que inclui e define o julgamento moral dos opositores.

A teoria propriamente dita tem pouca importância, vide a crise do paradigma marxista desde o fim do século 20 com a decadência do socialismo real, somada à incapacidade das esquerdas de proporem soluções alternativas ao capitalismo e/ou superarem o Welfare State, o que torna a esquerda dividida entre os saudosos do velho modelo fracassado e aqueles que desejam novos modelos, que até o momento inexistem, como explicava o geógrafo Luis Diniz em Por uma crítica da geográfica crítica, de 2013. Para tanto, as ações dos campos progressistas contemporâneos nascem de uma base entrecortada entre o fracasso e o inexistente, o que leva à necessidade da constante crítica dos modelos e mundo atuais, agrupados sob o estigma de capitalistas, exploradores e maus; afinal, se o que existe é terrível, não é tão ruim se apoiar em tentativas fracassadas que tinham boas intenções.

Todavia, o processo de moralização da esquerda só pode tomar forma partindo de uma constante diminuição e ocultação de eventos, fatos históricos e contemporâneos, dado que o século 20 por si só é ficha criminal suficiente para aterrorizar qualquer um que se declare de esquerda. O livro negro do comunismo, de 1997, estima cerca de 100 milhões de mortes nos regimes vermelhos do século passado, o que concede ao campo da esquerda a façanha de, em meio à natural agressividade humana explicitada por Freud, ser o condutor mais mortal de toda a história da humanidade. Acrescenta-se que o cientista político americano Rudolph Rummel, responsável por cunhar o termo “democidío” para os assassinatos cometidos por governos e notório pesquisador da violência, expôs que a tragédia soviética no século 20 quantifica-se em cerca de 60 milhões de mortes, indo além, portanto, dos 25 milhões contabilizados, inicialmente, no livro organizado pelo historiador Stéphane Courtois.

Como a ocultação não é suficiente sempre, por vezes é necessário buscar a equiparação. O livro negro do capitalismo, de 1998, busca contabilizar o número de mortes causadas pelo capitalismo, em um apanhado de ensaios críticos ao sistema. Foi necessário testar os limites da elasticidade teórica para que se pudesse chegar perto da quantidade de mortes causada pelos líderes revolucionários do século passado. O número final alcançado pelos organizadores da obra é de pouco mais de 100 milhões de mortes causadas pelo capitalismo. Óbvio que o capitalismo considerado pelos autores do livro se espalha worldwide, o que, ironicamente, torna a façanha do comunismo ainda mais gigantesca, dada a disparidade populacional entre os mundos capitalista e comunista no século 20. Por tudo ser capitalismo, quem paga a conta das duas guerras mundiais são os vilões de sempre. Mas o que impressiona é que, depois de somado tudo o que for possível na conta dos capitalistas, os camaradas ainda lideram com folga o ranking de mortes... A sorte grande é que, no fim das contas, o povo nunca foi muito com a cara dessa história de comunismo, o que fica claro pelo número de mortes de infiéis nos países que aderiram à profecia marxista.

Se antes era necessário ocultar ou equiparar, atualmente basta o consenso, encarnação da razão, alcançado pela intersecção de opiniões ou pontos opinativos sobre quaisquer assuntos, por parte dos atores principais dos meios midiáticos, intelectuais e militantes. Não se trata mais da busca pela verdade, pois essa morreu com o advento dos pós-modernistas; logo, tampouco se trata da ação e da discussão racional. A era do consenso tornou a estupidez dos políticos à esquerda genialidade e a mesma estupidez, só que em lado oposto, monstruosidade; transformou direita em sinônimo de extremismo e neostalinismo em assunto sério; resumiu a sociedade em preto e branco; converteu acadêmicos em intelectuais e celebridades em comentadores sérios.

O debate público passou a estar contido em único questionamento: quem concorda com você? Não é difícil imaginar que tipo de resposta é válido. O consenso certifica a vilania do capitalismo, o cancelamento dos ofensores e o humanismo divinizado da esquerda.

Fábio Tavares é professor, graduando em Geografia e Pedagogia, coordenador do pré-vestibular social INVM e membro do Grupo de Pesquisa Gestão Territorial no Estado do Rio de Janeiro da PUC-Rio.

11 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 11 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • D

    d'Amortan

    ± 3 dias

    Atribuir mortes ao capitalismo parece-me um salto de lógica. Ora, o capitalismo, como sistema, não causa morte por si mesmo, até porque o sistema apregoa "liberdade de trocas voluntárias entre indivíduos". Ora, se um indivíduo vier a morrer porque outrem não quis correr em troca voluntária consigo, então o problema não é do sistema em si, mas do indivíduo que se recusou a transmitir uma troca. E, pra deixar claro, mortes causadas por "governos capitalistas" é mais um salto enorme. Governos não são capitalistas, ao contrário até; governos são sugam o mercado.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • R

      Ricardo Maia

      ± 3 dias

      Muito bom

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • H

        Hamilton Lima Wagner

        ± 3 dias

        Venho pensando sobre o tema, e as fraquezas (ou fortalezas) da democracia. A argumentação auto centrada, que exclui quem discorda é um grave problema social, pois divide o mundo em nós contra eles, aumenta a incompreensão e a violência. Preocuopante a reflexão - até por ser muito verdadeira.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • A

          Arys

          ± 3 dias

          Quando leio textos com esta qualidade - e diariamente leio vários aqui - cada vez mais acho que o dinheiro mais bem gasto em 2020 foi o pagamento da assinatura da Gazeta.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            JOSE Z. NETO

            ± 3 dias

            Em outras palavras ser de esquerda é mentir de forma desavergonhada, sem qualquer peso na consciência. No caso da esquerda os fatos não são argumentos válidos. No fundo está turma tem raiva mesmo de quem não concorda com eles, querem impor na marra as balelas que acreditam.Gente ruim está raça.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • T

              Thiago

              ± 3 dias

              O texto é bom. Mas há dois senões. Um é que número de mortes pode não ser um medidor válido neste caso: é como acusar quem reforma a estrutura de uma casa por quebrar mais paredes e fazer mais sujeira do que quem deixa a casa deteriorar sem reforma. Marxistas "de raíz" jamais negaram que seu projeto inclui uma fase de grande violência (foi o que levou H. Arendt a dizer que é possível usar v. para mudar o mundo mas é o resultado mais provável é um mundo mais violento). Outro senão é que "Marxista" hoje tem quase o mesmo uso que "racista"; poucos usam esses termos para si mesmos, é muito mais comum o uso acusatório. O tipo se diz "progressista" e "feminista", "marxista" o chamamos nós.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • M

                MARCELO DE PAOLA

                ± 3 dias

                Perfeito.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • A

                  Ana Luiza

                  ± 3 dias

                  Fábio, favor alterar para 'democídio'. Boa reflexão!

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • L

                    LSB

                    ± 3 dias

                    Excelente reflexão!!! Parabéns!!!

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    1 Respostas
                    • L

                      LSB

                      ± 3 dias

                      E a comparação q o autor citado fez ao “calvinball” é deveras providencial!!!

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                  • J

                    Joxi

                    ± 3 dias

                    No que é mais relevante, que é a gestão econômica e social (gestão pública) a esquerda não tem nada a propor além de generalizações, e foge desses assuntos como o diabo da cruz. No entanto, tenta cada vez mais tornar-se "dona" de temas também importantes, como ecologia, principalmente... Passou da hora da direita também defender esses temas e não sair da posição de antagonista que a esquerda tenta lhe impingir.

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    Fim dos comentários.