i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

O “distritão” é a solução contra o caixa dois?

Tanto o “distritão” quanto o sistema proporcional de lista aberta provocam uma competição acirrada entre os candidatos, inclusive do mesmo partido, pelo voto do eleitor

  • PorDoacir Gonçalves de Quadros
  • 16/08/2017 00:01
 | Wilson Dias/Agência Brasil
| Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

No dia 10 de agosto, a comissão especial da reforma política da Câmara dos Deputados aprovou um texto-base que, entre outras mudanças, estabelece que para as próximas eleições de deputados e vereadores, em 2018 e 2020, se adote o sistema majoritário, também conhecido como “distritão”. De acordo com os trâmites legais, qualquer mudança no sistema eleitoral, para entrar em vigência, deve ser encaminhada para aprovação no plenário da Câmara e do Senado – neste caso, por se tratar de emenda à Constituição, são necessárias duas votações em cada casa legislativa.

Com a adoção do “distritão”, os candidatos eleitos serão os mais votados pelos eleitores ao fim da eleição, diferentemente do que ocorre no sistema proporcional de lista aberta vigente, em que o eleitor vota no candidato, mas o voto na realidade é computado para o partido ou para a coligação partidária. Neste sistema, o partido político ou coligação conquista uma ou mais cadeiras no Legislativo de acordo com o número total de votos obtidos pelas respectivas listas de candidatos lançados e indicará para ocupar a cadeira o candidato mais votado. Observa-se que, para o eleitor, o sistema proporcional de lista aberta não é claro sobre como os votos são computados e distribuídos em mandatos.

Quanto mais elevada a competição, maior é a necessidade que os candidatos têm de recursos para as campanhas

O “distritão”, comparado com o proporcional de lista aberta, é mais simples para o entendimento do eleitor, pois quem tem mais voto será o eleito. Por exemplo, em um estado que tem 30 cadeiras na Câmara dos Deputados, seriam eleitos os 30 candidatos mais votados no estado.

Em comum, o “distritão” e o sistema proporcional de lista aberta provocam uma competição acirrada entre os candidatos pelo voto do eleitor, inclusive entre aqueles candidatos que estão no mesmo partido político. Quanto mais elevada a competição eleitoral, maior é a necessidade que os candidatos têm de recursos materiais e financeiros para as respectivas campanhas, o que tende a elevar seus gastos. Isso contribui para que candidatos e partidos políticos corram atrás de recursos e passem a aderir a ações ilegais para obter verba para suas campanhas. E, consequentemente, os eleitos tendem, por exemplo, a favorecer os interesses dos seus respectivos financiadores de campanha, em detrimento dos interesses dos eleitores.

Leia também:Distritão, problema ou solução? (artigo de Carla Karpstein, publicado em 15 de agosto de 2017)

Leia também:O combate aos mitos do distritão (artigo de João Arruda, publicado em 15 de agosto de 2017)

Opinião da Gazeta:Antes de melhorar, vai piorar (editorial de 11 de agosto de 2017)

Ou seja, enquanto a reforma do sistema eleitoral não vier acompanhada de modificações sobre quando e como pode ser feito o financiamento de campanha, trouxer alterações na legislação eleitoral de modo a torná-la mais rígida e tratar de uma possível redução no número dos candidatos em disputa, continuaremos acompanhando a corrupção ou caixa dois como práticas presentes entre os candidatos e partidos políticos.

Como essa alteração ainda precisa passar por votações nos plenários, ainda há tempo para que o eleitor, especialistas no assunto e entidades de classes se imponham por meio da imprensa e das redes sociais para participar deste debate sobre o sistema eleitoral. Isso porque as mudanças sugeridas até aqui por meio do “distritão”, apesar de favorecerem a transparência dos resultados eleitorais, para o eleitor estão bem aquém de garantir o controle sobre a corrupção e o caixa dois de campanha eleitoral.

Doacir Gonçalves de Quadros é professor do curso de Ciência Política e do mestrado acadêmico em Direito do Centro Universitário Internacional Uninter.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.