i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Os civis e a defesa nacional

  • PorAntonio Carlos Will Ludwig
  • 13/11/2020 19:44
exército-forças-armadas-amazonia
Imagem ilustrativa.| Foto: Divulgação/Exército

Recentemente o ex-ministro Nelson Barbosa anunciou a criação do alvissareiro Centro de Defesa e Segurança. Afirmou esperar que ele venha ajudar a corrigir a falta de uma cultura de defesa na sociedade e contribuir para a construção de um diálogo estratégico entre civis e militares. Apresentou também uma questão: a política de defesa deve ser definida pela visão apenas da política militar de defesa? Esta questão foi colocada porque, segundo ele, o tema em pauta se encontra no âmbito militar.

Apesar de ser uma questão muito relevante, parece apropriado pensar que outra deve antecedê-la. Com efeito, se a política de defesa tem sido definida pelos militares, cabe perguntar: por que os civis não participam incisivamente do ato de sua elaboração? Ressalte-se que o envolvimento deles é muito almejado, e os próprios militares têm se mostrado favoráveis a ele, pois consideram que podem surgir contribuições relevantes. Ademais, o empenho dos civis tende a conferir mais validade e legitimidade à discussão, o que é totalmente consoante ao regime democrático.

Embora não haja a pretensão de apresentar uma resposta categórica a esta pergunta, cabe expor alguns fatores elucidativos. Inicialmente, vale lembrar que qualquer exame do tema relativo à defesa leva obrigatoriamente a uma associação com a guerra. A título de ilustração, mencione-se que a quase totalidade dos docentes universitários de áreas afins, desde meados do século passado, optaram pelo afastamento da geopolítica por causa do transvio científico e ético de seus construtores na segunda conflagração mundial.

Internamente existem mais agravantes. Uma delas, e talvez a mais destacada, se refere ao fato de que nossos militares, desde a proclamação da República até período recente, adotaram o militarismo como forma de conduta, o que se materializou inúmeras vezes pelo exercício do poder moderador e do golpe aplicado em 1964. Outros estão relacionados a alguns acontecimentos que emergiram recentemente. Tal é o caso do capitão presidente que, ancorado no elevado prestígio das Forças Armadas, tentou colocar em prática um projeto autoritário de governo. Várias de suas reprováveis condutas levaram alguns generais palacianos a expor afirmações preocupantes, propalar notas ameaçadoras, proferir frases espavoridas e verberar conjuntamente de maneira intimidatória. Emergiram dois abaixo-assinados elaborados por militares da reserva, sendo um de apoio e outro de cunho descortês. Em entrevista recente, o general Hamilton Mourão teceu elogios ao soturno coronel Ustra, que já foi enaltecido várias vezes por Bolsonaro.

Estas manifestações ocorreram em meio a um silêncio sepulcral dos militares da ativa, sob a justificativa de que são apolíticos e devem manter uma posição de neutralidade. É uma justificativa extremamente frágil, pois se desconhece qualquer referencial filosófico ou científico que lhe confira sustentação. Assim sendo, eles perderam a chance ímpar que a história lhes proporcionou de condená-las publicamente. Observe-se que tal condenação se revelaria como um ato acertado, pois é consoante ao papel constitucional de defensores da democracia. Ademais, a nossa Carta Magna garante a todos os cidadãos militares o inalienável direito de expressão, o qual não está submetido aos rígidos princípios castrenses de hierarquia e de disciplina.

Nestes dois últimos anos tem acontecido também o recrudescimento da militarização no âmbito do governo e da sociedade; os servidores fardados já disseram querer um elevado contingente de soldados bem adestrados, assim como armamentos ultramodernos, embora inexista qualquer hipótese de guerra contra o Brasil. Isto tem muito a ver com a elevada autonomia deles no âmbito do Estado, incompatível com o regime democrático. Perseveram, defendendo o papel de garantidores da lei e da ordem, o que lhes conferiria suporte legal para realizar incursões na vida social e política do país; seguem apegados à concepção de tutela sobre o Estado; e devem continuar portando um amainado sentimento de superioridade.

Observe-se, ainda, que os militares se valeram da proximidade com o atual presidente para conseguir materializar algumas de suas custosas aspirações, e prosseguem reivindicando 2% do PIB para a Defesa. Recentemente, um grupo da reserva que se julgou preterido fez uma manifestação pública reclamatória a Bolsonaro. Parece óbvio que estes fatos revelam escassez de sensibilidade e de solidariedade frente à grave situação social acirrada pelo avanço da pandemia e às múltiplas e recorrentes carências da população.

Embora estas ocorrências e peculiaridades não se mostrem como fatores impeditivos ao diálogo com os civis, parece indubitável que se revelam como aspectos desfavoráveis a ele, pois tendem a nutrir sentimentos de desconfiança e de descrédito. É aceitável supor que uma declaração dos militares atuais voltada à reprovação do papel moderador exercitado pelos seus colegas do passado, à incriminação daqueles que participaram do golpe em 1964 e a um pedido de saída dos companheiros que se encontram a serviço do atual governo seja capaz não só de atrair civis qualificados, mas também facilitar a conversa e o relacionamento com os paisanos em prol da elaboração da política e da estratégia nacionais de defesa.

Antonio Carlos Will Ludwig é professor aposentado da Academia da Força Aérea, pós-doutorado em Educação e autor de “Democracia e Ensino Militar” e “A Reforma do Ensino Médio e a Formação Para a Cidadania”.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • D

    Dissenha

    ± 1 horas

    Texto ruim. O ministro citado foi alçado à esta condição pela administração mais corrupta deste País, "nunca antes na história deste país" se viu tanto roubo. Participação da sociedade? E os aproximadamente 330.000 ativos e 1.650.000 reservistas das forças armadas não constitui a parcela da sociedade em defesa do País? Mas nem tudo no texto é ruim: recordei de C.S.Lewis em A Abolição do Homem, e também de Roger Scruton. O primeiro dizia que "intelectuais sem peito" desprezam o sentimento de amor à Pátria: "dulce et decorum est pro patria mori. E Scruton deixou-nos o aforismo: "O socialista deseja uma sociedade planejada e controlada, porque deseja ser ele, o controlador".

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Dissenha

      ± 1 horas

      Texto ruim. O ministro citado foi alçado à esta condição pela administração mais corrupta deste País, "nunca antes na história deste país" se viu tanto roubo. Participação da sociedade? E os aproximadamente 330.000 ativos e 1.650.000 reservistas das forças armadas não constitui a parcela da sociedade em defesa do País? Mas nem tudo no texto é ruim: recordei de C.S.Lewis em A Abolição do Homem, e também de Roger Scruton. O primeiro dizia que "intelectuais sem peito" desprezam o sentimento de amor à Pátria: "dulce et decorum est pro patria mori. E Scruton deixou-nos o aforismo: "O socialista deseja uma sociedade planejada e controlada, porque deseja ser ele, o controlador".

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        Carmo Augusto Vicentini

        ± 6 horas

        O perigo autoritário vem da esquerda e não de Bolsonaro.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Montenegro

          14/11/2020 2:45:47

          A democracia é o exercício da vontade política da maioria. O projeto político aprovado pela maioria nas últimas eleições presidenciais, tem sido perseguido, sabotado e censurado pelo congresso nacional, STF, grande Imprensa e por indivíduos esquerdista nas redes sociais. Todos eles juntos são apenas a minoria. Essa minoria não se limita a perseguir apenas o governo democraticamente eleito. Persegue também a maioria dos eleitores, classificando-os, pejorativamente, de seguidores, apoiadores e Bolsonarista. A maioria dos que votaram e apoiam o governo, não o fazem incondicionalmente. Essa minoria é perigosa e põe em risco a democracia. Também é dever das forças armadas protejer a democracia.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.