i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

Os mascarados infiltrados nos protestos de rua e a teoria de Gramsci

  • PorJosé Affonso Dallegrave Neto
  • 25/10/2013 21:02

Os movimentos de rua que vemos na atualidade são atípicos, vez que não têm uma bandeira dominante, nem mesmo uma ideologia de consenso. O que se vê hoje é uma pluralidade de reivindicações apartidárias. Se existe algo novo é a aversão a qualquer bandeira de partido ou sindical. E, então, cada um reivindica os seus próprios interesses imediatos; às vezes vemos até mesmo interesses conflitantes dentro do mesmo protesto, caso do povo que quer melhor atendimento hospitalar e, ao seu lado, a classe médica que denuncia a suposta hipocrisia do programa Mais Médicos.

Nesse cenário de manifestação, surgem os mascarados, que agem com violência e truculência. Boa parte deles é constituída de baderneiros da hora; outros integram o movimento internacional Black Bloc, o qual se articula através das redes sociais sendo, em sua maioria, constituído de jovens estudantes da classe média baixa. Sob o mote do anarquismo, esta tribo urbana segue uma cartilha que prega a desobediência civil contra toda e qualquer autoridade ou lei imposta. E assim o faz porque entende que aludidas normas representam uma violência contra as suas liberdades fundamentais. Eis a contradição: a violência na rua como forma de protestar contra a violência institucional do Estado.

Ainda que por via oblíqua, os mascarados afastam os manifestantes da rua, mancham a imagem da marcha popular de luta, fazendo com que ela seja vista como um movimento violento, sem ordem e sem escrúpulos. Ao mesmo tempo em que ganha visibilidade o protesto que difunde o ideário anarquista, a ação dos black blocs desvia o foco das reivindicações da massa. Diante disso, surge uma dúvida: a estratégia dos mascarados se baseia na teoria de Gramsci?

De nossa parte, entendemos não ser possível invocar a teoria pura de Antonio Gramsci para fundamentar eventual tática dos mascarados, máxime porque ele combatia a estratégia de hegemonia capitalista e sua superestrutura ideológica que dava sustentação ao poder através da união dos proletariados (a classe dominada) – exatamente o contrário do que fazem os mascarados que, por força de seus atos violentos, apavoram e desarticulam a unidade do movimento popular. O que se aproveita das ilações de Gramsci, para a compreensão dos atuais protestos de rua, é apenas a sua constatação de que um poder de governo se mantém não só pelas forças armadas, mas também pela busca do consenso ideológico.

Por outro lado, não se pode ser ingênuo a ponto de negar que a classe que domina o poder acaba por se beneficiar dos efeitos dispersivos da ação dos mascarados. Eis o cenário plural da pós-modernidade: plural nas reivindicações, nos interesses e até mesmo nos efeitos da ação dos mascarados.

José Affonso Dallegrave Neto é mestre e doutor em Direito das Relações Sociais pela UFPR.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.