i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião do dia 1

Personagens e histórias de Guaratuba

  • Por
  • 02/03/2006 18:02

"Tudo o que a humanidade tem sido, feito, pensado ou lucrado, encontra-se como que magicamente preservado nas páginas dos livros." (Thomas Carlyle: 1795–1881); "Um país se faz com homens e livros." (Monteiro Lobato: 1882–1948). Qual a afinidade que se pode estabelecer entre os pensamentos do célebre historiador e crítico inglês e o imortal escritor brasileiro já que viveram em países, tempos, civilizações, culturas e costumes tão distintos?

O ponto de confluência está no registro dos fatos e dos seres, na restauração da memória dos acontecimentos antigos, na indicação dos fenômenos da ciência, da arte, da literatura e da técnica, na conservação, enfim, em folhas de papel, das impressões e experiências em torno do homem, da vida e do mundo.

O livro, portanto, é um ponto de partida e um instrumento de referência sobre o passado, o presente e o futuro. De suas páginas brotam todos os sentimentos acalentados e interpretados pelo homem.

Essas reflexões me envolveram ao passar os olhos por uma grande variedade de títulos numa livraria da cidade. Em meio às pesadas publicações científicas e aos volumosos romances, antigos e contemporâneos, pesquei a singela e instigante Memória Caiçara (Histórias de Guaratuba), edição da Imprensa Oficial do estado (2005). As narrativas sobre fatos, mitos e lendas numa composição de linhas esfumadas entre a realidade e a ficção, foram escritas com a sensibilidade, o testemunho e o misticismo do nativo José Jamur Júnior, certamente com a pena molhada na saudade.

São Luiz de Guaratuba da Marinha é a mais antiga cidade balneária do Paraná. As primeiras páginas do livro contêm apropriadas indicações históricas sobre o sítio que, segundo Jamur Júnior, poderia ser chamado de Vila da Paz, Vila da Solidariedade, Vila do Amor, Vila Paraíso, "ao invés de Vila de São Luiz de Guaratuba". Os pró-homens da região, as imigrações da Europa, a produção econômica, a transição da vida rural para a urbana e a evolução política da comunidade, são alguns dos registros que valem como guias didáticos para as gerações do presente e do futuro. Um público necessário para conhecer as origens e a situação de Guaratuba são as crianças e os adolescentes que precisam de referências valiosas sobre a História, a preservação do meio ambiente e a cultura do civismo de nosso generoso Paraná. Fiel às fontes primárias, Jamur Júnior não omite a consulta à obra do ex-prefeito e historiador Joaquim Mafra, História do Município de Guaratuba, editada nos anos 50. Ele também agradece a todos os "bondosos conterrâneos que tiveram a paciência de passar várias horas em longas conversas sobre seus amigos, parentes e conhecidos", demonstrando que esse método de pesquisa da tradição oral é também relevante e, não raro, complementar dos documentos.

O regionalismo "caiçara", no sentido do livro, revela o habitante do litoral, que vive de modo rústico, da pesca ou atividade correlata. Mas a primeira entre outras definições desse substantivo é "cerca ou paliçada feita em torno de taba ou aldeia indígena, para proteção contra inimigos ou animais". Conta Jamur Júnior que a Vila foi construída lentamente, "com suas casas coladas umas nas outras, um estilo que veio com os portugueses sempre atentos para não deixar pontos vulneráveis às invasões". Existe, embora involuntária, uma analogia, que o talentoso jornalista e escritor – notável profissional de comunicação social – deu ao seu livro com a chamada: "Memória caiçara".

Toda e qualquer restauração histórica sobre situações, eventos e personagens precisa de paliçadas, ou sejam, estacas apontadas e fincadas na terra para impedir que os bárbaros, com indiferença, esquecimento e ignorância destruam as reservas da cultura humana e dos costumes locais.

Por isso ninguém melhor que o gênio de Cervantes (1547–1616) para dizer, pelo seu Dom Quixote, na imorredoura novela de realidade e fantasia: "A História é êmula do tempo, repositório de fatos, testemunha do passado e aviso do presente, advertência do porvir".

René Ariel Dotti, advogado e professor universitário, ex-membro do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.