i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Por reformas profundas, também no sistema de cargos comissionados

  • PorOsvaldo Danhoni
  • 21/08/2020 18:33
Centro Cívico de Curitiba.
Centro Cívico de Curitiba.| Foto: Arnaldo Alves/AEN

Grande parte dos cargos nomeados pela União, estados, municípios, entidades autárquicas, paraestatais e de economia mista, e que necessitam de conhecimento técnico das engenharias, agronomia e geociências não é designada a profissionais habilitados na área. E sabemos que há amparo legal para isso. Mas, em um momento de reivindicações de tantas reformas no país, não seria também importante revisitarmos essa condição para aumentarmos a eficiência nas instituições públicas? Acreditamos que sim.

No Brasil, a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 37, V, limita a investidura em cargos de comissão para as funções de chefia, direção e assessoramento. A ocupação de cargo em comissão é transitória, sendo que seus titulares são nomeados em função da relação de confiança que existe entre eles e a autoridade nomeante. Portanto, não há obrigatoriedade por lei de que esses cargos sejam ocupados somente por profissionais habilitados. No entanto, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) recomenda que os postos que demandam conhecimento técnico sejam ocupados a partir de critérios mais específicos. Isso porque a própria Constituição Federal determina que a administração pública deve observar, entre outros critérios, os princípios da impessoalidade e da eficiência.

A nossa defesa é de que profissionais habilitados com formação podem contribuir muito com a transformação social tão necessária nas questões relacionadas às infraestruturas urbana e rural. Profissionais estratégicos e com embasamento científico são capazes de propor políticas públicas e tomar decisões muito mais apropriadas, em prol do desenvolvimento local. Mas sabemos que, infelizmente, muitas vezes os profissionais habilitados ficam de fora do radar de nomeações para cargos em secretarias, diretorias, superintendências, coordenadorias ou gerências.

A Resolução 430, de 13 de agosto de 1999, do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) prevê que diversas atividades estejam vinculadas à habilitação legal. São 18, no total: supervisão, coordenação e orientação técnica; estudo, planejamento, projeto e especificação; estudo de viabilidade técnico-econômica; assistência, assessoria e consultoria; direção de obra e serviço técnico; vistoria, perícia, avaliação, arbitramento, laudo e parecer técnico; desempenho de cargo e função técnica; ensino, pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica e extensão; elaboração de orçamento técnico; padronização, mensuração e controle de qualidade; execução de obra e serviço técnico; fiscalização de obra e serviço técnico; produção técnica e especializada; condução de trabalho técnico; condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção; execução de instalação, montagem e reparo; operação, manutenção e instalação de equipamento; execução de desenho técnico.

Muitas das atribuições listadas são necessárias ou desejáveis nos cargos de liderança das pastas técnicas. A preocupação do Crea-PR em torno desta pauta se reflete em sua Agenda Parlamentar, durante reuniões realizadas com gestores. Nesses encontros, sempre buscamos, por meio do diálogo, o compromisso das autoridades com a nomeação eficiente para cargos técnicos.

A simples mudança de postura de passar a seguir o caminho da valorização e inserção profissional nos levará ao tão almejado desenvolvimento.

Osvaldo Danhoni é presidente em exercício do Crea-PR.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • T

    Thinker

    ± 0 minutos

    Governo Ratinho nomeou entre comissionados e gratificados 4.200 cargos. Sob a condução de seu Secretário de Planejamento aumentou o número de comissionados no Governo do Paraná, em quantidade e valor de salários. E parece que não deu conta de tantos apadrinhados políticos. Tanto que fim de 2019 já eram mais de três leis com criação de cargos comissionados. Desse jeito vão ter que demitir todos os policiais, professoras e médicos, para pagar os comissionados!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]