i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Qual a receita para um Estado eficiente?

Transparência nos gastos e prestação de contas com o dinheiro do cidadão nunca foram prioridade para quem está no poder

  • PorPriscila Pereira Pinto
  • 05/10/2017 00:01
 | Henry Milleo/Gazeta do Povo
| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Nos últimos anos, a renovação de CEOs sinalizou uma mudança na cultura da indústria de alimentos. Se antes esses profissionais escalavam degraus internos das empresas para chegar a cargos de chefia, hoje os novos CEOs alcançam cada vez mais espaço com um olhar pragmático para atingir resultados claros. Um olhar que vem de fora das corporações.

Empresas como a Heinz preferem contratar líderes como Bernardo Hees, por exemplo, um profissional que admite “ter chegado ao comando da companhia sem entender praticamente nada do negócio”, mas que soube botar a mão na massa e deu importância a uma boa equipe disposta a ajudá-lo. Um bom exemplo de prática de renovação com visão para planejamento.

Nosso sistema eleitoral elege bandos e não pessoas

Atualmente, não basta um profissional conhecer bem a estrutura interna da empresa onde trabalha para ser promovido; não há mais espaço para comodismo. As novas práticas e consumidores mais participativos exigem atenção às críticas e ao impacto das ações das empresas na sociedade. Ser trainee na Heinz não garante um percurso tranquilo até a diretoria. A marca tem sua força, mas o CEO técnico com olhar pragmático, que saiba entender as demandas de seus clientes, tem mais valor. Clientes jovens querem obter informação com mais rapidez e transparência. O preço está de acordo com o produto? O investimento vale a pena? O produto tem qualidade?

Percebendo essa transformação de cultura em um setor antes tão engessado, vejo que já passou da hora de nos preocuparmos com a eficiência também no mundo político.

O que aconteceria se o Brasil parasse de promover políticos que fizeram carreira dentro da máquina pública por conta da confiança de um partido, e não da população? Nosso sistema eleitoral elege bandos e não pessoas. Não teria chegado a hora de cobrarmos candidatos pragmáticos, com metas e agendas mais claras? Independentemente do partido ou do sistema político, transparência nos gastos e prestação de contas com o dinheiro do cidadão nunca foram prioridade para quem está no poder. Agora, após tanta desconfiança por parte do eleitor, será que a mentalidade dos candidatos em 2018 será diferente?

Da mesma autora:Em defesa do protagonismo (18 de dezembro de 2016)

Nossas convicções:A finalidade da sociedade e o bem comum

Quando a sociedade opta por profissionais técnicos na elaboração de projetos e que executem orçamentos nos quais a qualidade de serviços é prioridade, o cidadão ganha melhores ferramentas para fiscalizar e se interessar pela política. Em 2018, o Brasil terá candidatos que não foram criados em partidos; teremos pessoas de formação no setor privado responsáveis por trazer olhares mais objetivos para a política nacional. Eles vão precisar do apoio da população, no sentido de dar a eles a oportunidade de mostrar com transparência e objetividade como os impostos serão usados e o que o cidadão exigente vai ver de mudança na política.

Seja engajado, busque informação sobre os candidatos, não confie em propaganda de status de partido. Acredite que o dinheiro é seu e que o governo trabalha para você, não o contrário.

Priscila Pereira Pinto é cientista política e CEO do Instituto Millenium.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.