i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Quem precisa de ideologia?

  • PorOrlando Tambosi
  • 09/03/2020 15:28
Lenin e Stalin em Nijni Novgorod.
Lenin e Stalin em Nijni Novgorod.| Foto: Wikimedia Commons

Se ideologia é apenas concepção ou visão de mundo, como pensa a maioria das pessoas, então não serve para qualquer análise objetiva e independente da realidade: afinal, todos temos alguma concepção de mundo, por mais tosca ou elaborada que seja. Estamos no reino da opinião. Mas a ideologia tem uma pretensão maior: ser algum tipo de conhecimento, coisa que não é.

E não é conhecimento simplesmente por ser uma crença aceita pela coletividade, ou seja, por dizer respeito a grupos, partidos, seitas, sexos etc. O coletivismo, aliás, é exemplo da nocividade das ideologias. Pessoas podem crer no que quiserem sem ter de apresentar razões para isso. Basta-lhes a crença. Mas grupos organizados têm, ainda que implicitamente, o dever – embora nem sempre requisitado – de dar alguma justificação às crenças que defendem, notadamente os partidos políticos, lugar de exercício pleno das ideologias que ambicionam o poder.

Conhecimento, define a epistemologia, é crença verdadeira justificada. Consequência: você pode acreditar no que quiser, inclusive em ETs ou fantasmas, mas sua crença não pode ser justificada – pelo menos por meios racionais. Já o conhecimento, como crença verdadeira justificada, deve ser comprovado mediante métodos reconhecidos lógica e cientificamente. O conhecimento é verdadeiro ou não é conhecimento. O falso não é objeto de conhecimento. Não obtemos crenças verdadeiras através de falsidades.

Exemplo: uma afirmação é verdadeira se, e somente se, corresponde à realidade e é reconhecida como tal, independentemente de vieses, preferências ou escolhas subjetivas. Uma teoria é ou pode ser científica, jamais ideológica. Ideologias não se submetem ao teste da refutação pela experiência. Dão as costas à história (testemunha, aliás, de suas atrocidades).

A ideologia é irmã da utopia: é idealização de um mundo que não existe e, se existir, será totalitário. Não pode, por isso, ser confundida com projetos ou planos racionalmente elaborados, que tanto as pessoas quanto os partidos devem apresentar para atingir resultados. Trata-se da articulação entre meios e fins – e fins não justificam os meios, como atestam, com exemplos sempre catastróficos, as próprias ideologias.

Russell Kirk tem razão em dizer, em A política da prudência, que “‘Ideologia’ não significa teoria política ou princípio, embora muitos jornalistas e alguns professores, comumente, empreguem o termo nesse sentido. Ideologia realmente significa fanatismo político – e, mais precisamente, a crença de que este mundo pode ser convertido num paraíso terrestre (...). O ideólogo – comunista, nazista ou de qualquer afiliação – sustenta que a natureza humana e a sociedade devem ser aperfeiçoadas por meios mundanos, seculares, embora tais meios impliquem uma violenta revolução social”.

O século 20, justamente chamado “o século das ideologias”, foi pródigo em destruição e derramamento de sangue. Fascismo, nazismo e comunismo são seus símbolos totalitários mais visíveis. A ideologia prometeu o paraíso terreno à humanidade, mas o que legou, observa ainda Kirk, “foi uma série de infernos na Terra”.

Por isso é lícito perguntar: há alguma razão para, em pleno século 21, reivindicar ou defender ideologias – quaisquer que sejam –, já que passam ao largo do compromisso com a realidade, a verdade e a análise da história? Não parece haver resposta favorável, à exceção das “esquerdas”, que se aferram ao conceito e, por isso mesmo, também dão as costas à experiência histórica.

Em suma: programas, projetos, princípios, ideias e valores, sim. Ideologia, não, inclusive em relação aos partidos. Precisamos é de conhecimento – não de um pacote fechado ao qual a realidade deve necessariamente ser submetida, como é o caso das ideologias.

Orlando Tambosi é professor aposentado da UFSC e autor de "Perché il Marxismo ha Fallito" e "A Cruzada Contra as Ciências".

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Márcia dos Reis Schmidt

    ± 0 minutos

    Excelente texto. Muito necessário na atualidade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    antonio sergio ferreira baptista

    ± 3 horas

    Acompanho o Blog do Professor Tambosi há anos e o considero o melhor de toda a Internet. Não conheço o Professor pessoalmente (infelizmente) mas este seu texto mostra sua lucidez e objetividade, qualidades muito em falta nos articulistas atuais. Em Joinville, onde moro, há uma doutrinação ideológica nas escolas de enorme vulto, chegando a ponto de professores de matemática dissertarem sobre socialismo em sala como comentado a mim por pais de alunos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.