i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Segurança alimentar e soberania

  • PorMarcos Brambilla
  • 11/09/2020 21:40
Preço dos alimentos subiu bastante em 2020: arroz e feijão preto estão entre itens com maiores altas
Preço dos alimentos subiu bastante em 2020: arroz e feijão preto estão entre itens com maiores altas.| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

Enquanto o Brasil tenta encontrar culpados para a crise no preço dos alimentos, o campo continua produzindo, os agricultores seguem com o plantio, a colheita e o planejamento da próxima safra. Um roteiro comum de Norte a Sul do país que garante o abastecimento interno para 220 milhões de brasileiros e mais de 1 bilhão de pessoas espalhadas pelo quatro cantos do mundo. Isso mesmo: como agricultores, temos uma contribuição decisiva na missão de alimentar boa parte do planeta. Mas nem sempre foi assim. O protagonismo veio nas duas últimas décadas, quando nos destacamos entre os maiores produtores de exportadores de proteína animal e vegetal.

Mas quanto vale o preço de uma saca de soja, um quilo de frango ou uma cabeça de alface? A resposta está em uma série de variáveis, com base em fundamentos e especulação, princípios básicos de economia, da lei de oferta e demanda. A elevação de preços considera redução na oferta, por problemas climáticos, por exemplo. Ou, em tempos de pandemia e isolamento social, embora haja certa relatividade nesse recorte, porque as pessoas passam mais tempo em casa e, por consequência, aumentam o consumo. Existe ainda o impacto do câmbio, em que o dólar atinge um patamar histórico de valorização frente ao real, em ambiente favorável e sem precedentes à exportação.

Quem define o preço, portanto, é o mercado, o câmbio e o clima. Não é o agricultor. O agricultor, na maioria absoluta das vezes, não é formador, mas tomador de preço. Assim, apontar o dedo para o campo para justificar a alta no preço dos alimentos é no mínimo falta de informação. Um conflito desnecessário e desagregador do ponto de vista da opinião pública. Não se trata de encontrar culpados, mas de identificar as causas e propor soluções. Não para a produção. Isso está resolvido. Mas para o mercado. No momento, não há crise de desabastecimento motivada pela oferta. Com raras exceções, vivemos anos de safras cheias.

O problema está na distribuição ordenada do consumo, na estratégica pública e privada para atender a demanda doméstica, o insumo para a agroindústria e a manutenção de estoques adequados ao abastecimento interno. O que muitas vezes implica em racionalizar as exportações em vez de estimular os embarques. O mercado moderno é livre e aberto. Mas o interesse público e a soberania precisam ser considerados. A sustentabilidade está no equilíbrio entre produção e consumo, condição que passa por responsabilidades e políticas públicas e privadas. Bem como no combate ao abuso econômico e à desinformação, muitas vezes utilizada por interesses de uma minoria.

Talvez o Brasil tenha de importar não apenas arroz, mas soja, milho e até feijão. Mas não é porque a produção ficou aquém do consumo doméstico, e sim porque a exportação foi além, porque a cotação no mercado interno não conseguiu fazer frente à paridade exportação e ao câmbio acima de R$ 5. Mas, de novo, isso tudo é mais mercado de produção. Talvez menos fundamento e mais especulação, uma vez que não dá para ignorar a oportunidade da demanda internacional e da receita cambial. O que parece faltar é estratégia, com um olhar não apenas de produção primária e monocultura, mas de sistemas de produção, valor agregado e diversificação.

De qualquer forma, comida não vai faltar. A vocação do Brasil é produzir alimentos, uma missão cumprida pelos mais de 15 milhões de brasileiros ocupados no campo, dos quais 10 milhões na agricultura familiar, conforme o Censo Agropecuário do IBGE. No Paraná, dos mais de 500 mil, 350 mil estão na agricultura familiar. Não falta gente, tecnologia e conhecimento. De um modo geral, o problema do Brasil e do mundo não está na falta de comida, mas na falta de recurso para comprar o alimento. Agricultura é mercado. Mas agricultura com autossuficiência é abastecimento, segurança alimentar e soberania.

Marcos Brambilla é presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná (Fetaep).

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • G

    Giovani Ferreira

    ± 2 dias

    As disputas políticas e econômicas do novo século não serão mais por petróleo, mas por comida, proteína animal e vegetal e energia renovável. Grande oportunidade ao Brasil. O desafio está em fazer a lição de casa. Planejamento, foco e estratégia com um olhar sistêmico sobre a economia do agronegócio. Sustentabilidade socioeconômica e ambiental do campo à mesa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      Dario de Araújo Dafico

      ± 2 dias

      Ainda está um pouco distante o tempo em que começará a faltar abobrinha, jiló, umbú, cajá, alface e todas aquelas miudezas que fazem parte da variedade de nossa mesa, porque todos os produtores passaram a ser produtores de soja para exportarem para a China. Mas é importante já começarmos a discutir o assunto para não sermos pegos de calça curta. Aliás, talvez esse seja o grande problema do Brasil: Tantos "adultos" de bermuda!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • D

        Dario de Araújo Dafico

        ± 2 dias

        É preciso ter muito cuidado com a China porque seu poderio econômico tem uma enorme capacidade de produzir distorções intencionais no mercado de commodities. Por exemplo, se o câmbio ficar muito favorável ao produtor por muito tempo, uns 5 anos, é natural que a pressão por inovação e produtividade diminua. Se vem um período de valorização cambial, o produtor é pego de surpresa e quebra, sendo obrigado a vender baratinho sua fazenda para aquela grande companhia de grãos, que tem nome em português, mas na prática está nas mãos dos chineses. Acorda Brasil!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Dario de Araújo Dafico

          ± 2 dias

          Acho que o Brasil deveria criar um mecanismo de amortecimento da influência das variações especulativas do câmbio sobre os preços dos alimentos. Como? Imposto de Exportação X Imposto de Importação. Sempre que o dólar subir muito aumenta-se o imposto de exportação e reduz-se o de importação e vice-versa. É bom para a segurança alimentar do país e é bom também para o produtor, porque reduz um pouco as flutuações especulativas.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.