i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Uma reforma da Previdência meia-boca

  • PorMàrcello Bezerra
  • 26/10/2019 18:00
60 senadores foram a favor da reforma da Previdência no segundo turno.
60 senadores foram a favor da reforma da Previdência no segundo turno.| Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A reforma da Previdência aprovada no Congresso é “meia-boca”: não contempla todos os brasileiros, mais exatamente deixando de fora os militares e os funcionários dos estados e municípios – ou seja, falta muita gente. Obviamente, portanto, não é uma reforma; no máximo, é parte da reforma. O Brasil é um país sui generis: não existe no mundo, em especial em países desenvolvidos, uma reforma de Previdência parcial, que seja divulgada total e, ainda por cima, como a panaceia de todos os problemas econômicos.

Estamos muito acostumados com a filosofia de que reforma boa é a que passa no Congresso e não necessariamente a reforma ideal. Isso mantém o Brasil com seu estigma de vira-lata, como já diria Nelson Rodrigues, sem avanços estruturais na economia e o pior no bem-estar da população.

É importante que todos entendam que a estimativa inicial de economia seria de R$ 1,2 trilhão em dez anos, mas o que se conseguiu foram R$ 800 bilhões. Na prática, este valor não estará disponível; somente será economizado para minimizar o déficit. Por isso, não criemos a ilusão de que o governo terá este dinheiro para gastar em outras prioridades. Apesar disso, vende-se a ilusão, de forma equivocada, de que, com esta reforma da Previdência, o país terá credibilidade e garantias sólidas para avalizar os investimentos privados estrangeiros e nacionais e, assim, está tudo resolvido.

Vende-se a ilusão, de forma equivocada, de que, com esta reforma da Previdência, o país terá credibilidade e garantias sólidas para avalizar os investimentos privados

Mas temos de falar francamente, sem rodeios, com papo reto. O que foi feito é um avanço, sim. Digo até fundamental, em especial com a padronização da idade mínima e o teto máximo de valor para o setor público e privado, pois o que havia antes era um disparate. Este é o grande acerto desta etapa. Mas são acertos que servem apenas para o setor privado e o governo federal; o restante não entra nas mudanças. Portanto, a reforma parcial não garante segurança aos investidores por um motivo muito simples: se os estados e municípios quebrarem suas previdências, quem irá socorrê-los é o governo federal, pois no fim das contas os impostos são da mesma fonte. Temos, inclusive, vários estados já quebrados, então exemplo é que não falta.

Até teremos uma lua-de-mel de alguns dias, com dados positivos no câmbio e na bolsa de valores, que são termômetros, mas, como o problema está longe de ser resolvido, a tendência é de que em breve os índices voltem a oscilar negativamente, principalmente se o Congresso não fizer a lição de casa. É praxe, no país, superestimar a realidade, mas os investidores, no fim das contas, estão vendo o impacto real.

A lição de casa do Congresso é reformar as previdências de estados, municípios e militares. Já há no Senado a PEC paralela, que inclui estados e municípios, e na Câmara há a reforma da Previdência dos militares. Mas, pelo andar da carruagem, é possível que os projetos sejam aprovados – se forem mesmo – apenas no ano que vem. Afinal, se a tramitação for como a da reforma principal, este prazo pode se até estender além da conta. Já estamos perto do fim do ano, haverá recesso parlamentar e, como se diz no Brasil, o país só volta a trabalhar depois do carnaval. E, sendo otimistas e imaginando que ambos os projetos sejam aprovados no ano que vem, só teremos essas reformas vigorando em 2021; até lá, como fica a economia real e, em especial, os desempregados?

Otimistas ou realistas, precisamos ficar de olho nestas reformas. Não tenhamos ilusão sobre o excesso de corporativismo que será determinante na aprovação. É preciso fazer uma articulação política digna e não esta articulação vergonhosa feita até agora pelo governo, que foi o principal responsável pela aprovação parcial da reforma, ausentando-se de liderá-la, alegando que ela seria de responsabilidade do Congresso e se omitindo politicamente. Isso culminou nas alterações estruturais do projeto inicial, como o absurdo da exclusão dos estados e municípios, além da decisão prévia de não incluir os militares. A energia gasta pelo governo e até as concessões feitas no final, como no caso da cessão onerosa da Petrobras, deveriam ter sido feitas para aprovar a reforma completa.

O Planalto não esteve sozinho nessa: muitos governadores e parlamentares também foram omissos na tramitação, e temos de imputar-lhes a responsabilidade. Foi graças aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, que o processo andou; ficou parado, sim, em alguns momentos, mas, se eles não priorizassem a reforma na pauta, ainda estaríamos estagnados.

Temos um paradigma no Brasil, de que não se consegue fazer várias reformas ao mesmo tempo – pelo menos esta é a alegação dos políticos. Ainda faltam as reformas tributária, administrativa e mesmo o pacote anticrime de Sergio Moro, todas fundamentais. Mas, se a reforma da Previdência foi parcial e ainda teremos mais duas etapas (militares e a PEC paralela), as demais continuarão paradas; então, quando vamos resolver de fato nossas reformas e nossos problemas? No próximo mandato presidencial?

Só nos resta cobrar o governo e o Congresso, rezando para que os nossos representantes tenham bom senso.

Màrcello Bezerra é professor e economista.

5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    Alice Loures

    ± 0 minutos

    Esclarecedor e muito pontual sua matéria, Màrcello Bezerra! Precisamos estar atentos nos processos e suas mudanças. para entendermos e não nos sentirmos prejudicado num futuro próximo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • H

    Humberto Primo Leonardi Neto

    ± 9 horas

    Uma diferença enorme como esta, entre o que inicialmente se pretendia com a que foi aprovada: são 400 bilhões, é muito dinheiro. Concordo integralmente com a explanação do ilustre Professor Marcello Bezerra, que externa sua opinião de maneira clara e inteligente.Parabens Prof. Marcello!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Ricardo Pereira

    ± 11 horas

    Ótimo artigo, bem esclarecedor. Nós brasileiros temos como dever fazer parte deste debate, precisamos saber exatamente o que está sendo alterado em nossas vidas e o porquê. Ganha o congresso, ganha a sociedade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Cirlei leonardi

    ± 2 dias

    Ótimo artigo! Delio Nascimento

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.