Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O presidente do partido, Rui Falcão, quer para 2013 a regulamentação da mídia e uma reforma política que colocaria o país no rumo do atraso

O PT é o partido que detém a maior e também as mais importantes fatias do poder nacional, certo? Está na Presidência da República; está na maioria dos ministérios; está em inúmeras estatais; e, sobretudo, está entranhado nas mais profundas estruturas da burocracia. Mais que isso tudo, age com desenvoltura e diligência ímpar para cooptar outros partidos, dando-lhes cargos e vantagens, deles cobrando estrita e incondicional fidelidade. Em razão disso, seu poder se estende também sobre o Congresso e até mesmo sobre o Judiciário, como se viu no caso do julgamento do mensalão pelo STF, durante o qual um dos seus ministros – antigo militante da legenda – teve destacada atuação na tentativa de absolver velhos companheiros.

Diante de tal hegemonia e diante também do fato de que completa em 1.º de janeiro próximo uma década de experiência no exercício do poder, seria de se imaginar que o Partido dos Trabalhadores conhecesse e defendesse as reais prioridades do país e usasse de sua força para torná-las realidade. Seria algo natural, pois, como se sabe, nas melhores democracias os partidos, além de representarem correntes de pensamento, definem-se também pela proposição de programas de governo – isto é, costumam definir um ideário que os guia no processo de transformação da realidade. Teoricamente, é o conjunto doutrinário e programático que apresenta aos eleitores que os torna aceitos (ou não) pela maioria.

Sem dúvida, o PT tem inscritos em seus estatutos e regimentos ideologia e programa que, em contraposição aos apresentados por outras siglas e candidatos, fizeram dele o preferido dos brasileiros desde 2002, quando pela primeira vez chegou, com Lula, ao Palácio do Planalto. Pois bem: o presidente do PT, Rui Falcão, apresentou, dia desses, aos públicos interno e externo as prioridades que a legenda vai perseguir durante 2013. Nenhuma dessas tais prioridades, no entanto, condizem com aquelas que os brasileiros escolheriam. Pelo menos não na forma e no conteúdo.

São duas. A primeira delas é controlar a mídia; a segunda, fazer a reforma política. Quanto à primeira, não é preciso insistir na demonstração de que se trata da mais manifesta tentativa de fazer valer o viés autoritário de seus dirigentes, anos-luz distante do anseio nacional e absolutamente contrária à democracia que, a duras penas – e graças à liberdade de imprensa –, o país reconstrói desde os negros tempos do regime militar. Trata-se tão-somente de uma iniciativa que visa a barrar o incômodo desmascaramento da atividade subterrânea (e diuturnamente exposta pela mídia) de muitos de seus militantes incrustados no governo. Trata-se, portanto, de uma liberdade que precisa ser contida a qualquer custo.

A outra prioridade é a reforma política. Necessária, todos sabemos. Mas qual reforma o PT pretende fazer senão uma que, em vez de promover e fortalecer as bases da democracia, apenas acrescenta-lhe vícios que precisam ser combatidos? Por exemplo: a pretexto de eliminar a prática de doações privadas para financiar campanhas, o PT quer empurrar para o Tesouro a responsabilidade de regar os partidos de dinheiro. Não há qualquer evidência de que tal medida seja a panaceia ideal para acabar com o caixa dois ou para evitar compromissos imorais com grupos privados dispostos a pagar campanhas em troca de proveitos futuros.

Outro ponto da "reforma" política petista diz respeito ao processo de escolha dos candidatos pelos partidos e de votação popular. A ideia é imitar métodos que ainda sobrevivem, por exemplo, no Paraguai, isto é, listas fechadas de candidatos escolhidos a dedo pelas cúpulas partidárias e depois votadas em bloco pelos eleitores. Nada mais contrário à democracia interna das legendas e nada mais obscuro para permitir decisão consciente do eleitorado. Se porventura vitoriosas tais propostas, o país será condenado a um retrocesso que encontra paralelismo com aquele que permitiu a perpetuação no México, por quase um século, da hegemonia corrupta do Partido Revolucionário Institucional (PRI).

Para se ter noção da qualidade das prioridades partidárias definidas pelo presidente do PT, basta a alusão de que foram todas aplaudidas pelo notório José Dirceu, que em seu blog ainda acrescentou a necessidade de o partido demonstrar a "farsa do mensalão". Sinal de que a legenda está totalmente fora de sintonia com o brasileiro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]