i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Carlos Heitor Cony

Crime e castigo

  • Por
  • 07/11/2006 18:15

Rio de Janeiro – Nenhuma novidade no fato de Saddam Hussein ter sido condenado à forca por um tribunal que sofreu pressões dos Estados Unidos, que ocupa o território iraquiano, onde se encontram fabulosas reservas de petróleo. Embora ainda caiba a apelação da sentença, é certo que Saddam terá o que merece.

Contudo, é inevitável que se discuta mais uma vez a oportunidade ou a necessidade da pena de morte, seja para que criminoso for. Não se duvida que Saddam cometeu crimes contra a humanidade, mas nem por isso será tranqüilo o juízo da opinião pública mundial sobre sua execução.

Cita-se a favor do enforcamento o tribunal de Nuremberg, que condenou nazistas após a Segunda Guerra Mundial. Houve gradação de penas e pelo menos um deles, Rudolf Hess, foi condenado à prisão perpétua, teve muitos anos para meditar sobre os crimes cometidos pelos nazistas e por ele próprio. Tal como Goering, que se suicidou dias antes de sua execução, Hess tentou o suicídio por não agüentar a pena a que fora condenado.

Voltando a Saddam Hussein: a prisão perpétua poderia ser alternativa do enforcamento, mas a situação pode mudar no Iraque e no xadrez da política mundial com o seu retorno ao poder. Daí a solução radical de eliminá-lo – de quebra, ajudando os republicanos na eleição dos Estados Unidos.

Há também o aspecto didático de seu enforcamento. Uma advertência a ditadores e candidatos a ditadores, que continuam a freqüentar o primeiro plano da política internacional. De minha parte, não sendo candidato a ditador de coisa nenhuma, continuo contra a pena de morte e, por menos simpatia que tenha por Saddam Hussein, acho que ele deve continuar vivo para remorso próprio e também para remorso de George Bush.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.